sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Um miminho

Cá por casa não sou a única que cozinho. Na verdade, adoro tudo o que o Mário faz, ainda que ele seja bastante modesto. E sim, a criatura pequena, de 4 anos também já cozinha e a verdade é que dá palpites e sugestões sobre o que quer e à conta disso já tem uma receita de pizza doce, que nós seguimos religiosamente, inventada por ela! Uma delicia!

Pois num destes domingos preguiçosos adormeci na varanda, no banco do jardim... E quando acordei tinha um bolo de laranja à minha espera. Daqueles de encher o olho! O Mário tinha feito um soberbo bolo de laranja, daqueles que olhamos e achamos que só pode ter dado uma enorme trabalheira. Lindo! Perfeito! Como só o meu perfeccionista sabe fazer!

Ainda que diga que se limitou a seguir uma receita e que quem fez o bolo foi a Bimby, ninguém me tira da ideia que este, para estar tão bom, só podia ter doses industriais de muitoooooo amor e sem duvida muito talento também.

O bikini não vai servir este Verão, mas sabem que mais? Sinto-me feliz e mimada e isso é que me importa neste momento.

_____________________

Bolo de laranja


Ingredientes:

- 1 laranja inteira (casca fininha) + sumo de 1 laranja

- 250 gr de açúcar + qb para polvilhar no fim

- 100 gr de óleo

- 4 ovos L

- 300 gr de farinha Branca de Neve

- 2 colheres de chá de fermento em pó para bolos


Preparação:

(Em alternativa pode fazer este bolo usando um liquidificador)

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque no copo da Bimby a laranja inteira, bem lavada, e o sumo de mais uma laranja. Programe 15 segundos, velocidade 9.

Junte o açúcar, o óleo e os ovos e programe 2 minutos, 37º, velocidade 4.

Adicione a farinha e o fermento e programe 15 segundos, velocidade 3.

Coloque a massa numa forma de buraco untada e polvilhada com farinha.

Leve ao forno por 35/40 minutos. Findo o tempo, faça o teste do palito para verificar se necessita de mais tempo no forno.

Retire, deixe arrefecer e desenforme. Polvilhe com açúcar por cima. E enfeite a gosto.


Alternativa de preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Rale a casca de uma laranja e reserve.

Esprema o sumo de duas laranjas e coloque num recipiente, junto com as raspas.

Junte o açúcar, o óleo e os ovos e bata bem até obter uma mistura esbranquiçada e fofa.

Adicione a farinha e o fermento e misture bem.

Coloque a massa numa forma de buraco untada e polvilhada com farinha.

Leve ao forno por 35/40 minutos. Findo o tempo, faça o teste do palito para verificar se necessita de mais tempo no forno.

Retire, deixe arrefecer e desenforme. Polvilhe com açúcar por cima. E enfeite a gosto.

_______________________

Receita adaptada do livro "Bimby As receitas essenciais". Forma de bolo da Metalurgica.

________________________

 

terça-feira, 8 de Abril de 2014

Nham, cuajada, nham...

A febre da cuajada já passou um pouco por [quase] todos os blogs e assim que vi no El Corte Inglês comprei. Já lá vão dois anos e a verdade é que a validade está próxima do fim... Se antes não tive oportunidade para me lembrar de algo para fazer com a cuajada, por falta de tempo, agora tenho MESMO pressa de a gastar.

Lembrei-me de fazer uns iogurtes. Fui procurar à blogosfera e reparei que o blog Coco & Baunilha tinha em tempos publicado uma sobremesa láctea, que por sua vez tinha ido buscar ao Fórum Bimby.

O aspeto pareceu-me soberbo e a rapidez com que se faziam foi a palavra de ordem. Apenas usei mel em vez de açúcar e leite meio gordo em vez de gordo. Aprovadíssimos!

Na verdade, depois de os experimentar não quero outra coisa e para esta semana sai mais uma dose, porque quem experimenta fica fã! São mesmo divinais.

Por essa razão, não podia deixar de publicar com quem me segue, neste meu cantinho que mais não é do que o meu livro de receitas, das coisas boas que invento ou que experimento das cozinhas alheias.

Experimentem, vão adorar. Não é bem um iogurte, mas também não é bem uma sobremesa. Para comerem sem grandes pecados!

_________________________

Iogurtes de bolacha com cuajada

[faz 6 iogurtes]


Ingredientes:

- 1 litro de leite meio-gordo

- 1 pacote de cuajada (cada embalagem trás 4)

- 15 bolachas maria

- 45 gr de mel


Preparação:

Coloque as bolachas no copo da Bimby e programe 10 segundos, velocidade 7. Junte os restantes ingredientes e programe 6 minutos, 90º, velocidade 4.

Distribua por copinhos e leve ao frio até ficarem sólidos.


Alternativa de preparação:

Moa as bolachas num almofariz ou coloque dentro de um saco plástico e desfaça com um rolo da massa.

Leve o leite ao lume e assim que comece a levantar fervura, coloque no mínimo e adicione os restantes ingredientes. Mexa bem até obter uma mistura homogénea e distribua pelos copinhos. Leve ao frio até ficarem sólidos.


Nota: em minha opinião a consistência está perfeita, mas se gostar deles um pouco menos consistentes adicione mais 100 ml de leite.

_______________________


 

domingo, 6 de Abril de 2014

Poejos

Num destes dias, num dos muitos eventos gourmets que invadiram o país, experimentei uma sopa intrigante do Chef responsável pela Marca Pingo Doce. Poejada.

Na verdade, com o meu olhar e provar totalmente dissecante, analisei a sopa ao mais ínfimo pormenor e com a ajuda do profissional alentejano lá de casa percebi como era feita.

Na verdade é tão simples que confesso que fiquei desconcertada. Às vezes tenho tendência a achar que os melhores pratos levam horas de preparação e execução, mas nada mais errado. E esta sopa é disso exemplo.

Com tantos poejos nos vasos da varanda, frutos das chuvas intensas deste ano, não quis deixar de fazer a minha versão em casa.

Pois foi mais que aprovada!

Eu sei que a maior parte dos alentejanos que estão a ler este post estão a pensar que esta sopinha ficava mesmo bem com umas sopinhas de pão, mas estão à vontade para adicionar. Na verdade é o casamento perfeito e a forma certa de comer esta sopa. Mas para mim, que não gosto de comida feita com pão, esta versão sem pão é simplesmente celestial...

Realmente as cozinhas que nascem da privação, da falta de ingredientes,são riquíssima... Quem diria que umas ervas apanhadas ao lado dos ribeiros daria uma sopa tão deliciosa...

____________________

Poejada

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:

- uma mão cheia de folhas de poejos

- 1 dente de alho

- 1 colher de chá de sal grosso

- azeite qb

- 1 litro de água (+ ou -)

- 4 ovos

- queijo de cabra seco qb


Preparação:

Num almofariz junte os poejos, o sal e o dente de alho e esmague bem.

Num tachinho, coloque esta misture e junte um fio de azeite. Deixe estalar um bocadinho e junte a água. Deixe levantar fervura, retifique temperos e desligue. Junte queijo de cabra seco em cubos para que dê o se sabor à sopa. Usei queijo que tinha guardado em azeite.

À parte, coloque água a ferver e escalfe os ovos um a um e junte à sopa já pronta.

Optei por escalfar à parte para evitar os fios de clara que acabam por se soltar e que iriam misturar-se com os poejos caso escalfasse os ovos na própria sopa. Mas se gostar, sempre é menos um passo que faz.

Para quem goste, coloque umas fatias de pão no fundo o prato e sirva a sopa com um ovo escalfado.

____________________

 

terça-feira, 1 de Abril de 2014

Dia um... Na cozinha! - 11ª edição

Este mês foi um mês de algumas avarias... Bolos, sobremesas, enfim... Quando saiu o tema deste mês do "Dia um... Na cozinha!" Pensei logo para mim mesma que não ia participar! Doces conventuais?? Logo este mês?? Acho que vou mesmo ficar de fora...

Mas ontem não aguentei de remorsos... E mesmo depois de 200 km de viagem e muita roupa para tratar (acho que sabem do que falo) lá resolvi ir para a cozinha. Se era para participar que participasse com a minha sobremesa preferida - leite creme. Amo leite creme com todos os meus poros... Não aquele leite creme tipo pudim, que parece de pacote, engrossado com maizena ou farinha comum. Não... Gosto do leite creme com sabor a limão, engrossado com gemas, gemas de ovos de galinhas a sério. Um leite creme amarelinho, queimado pouco antes da primeira colherada. Hummmmmm... Depois da primeira colherada pouco ou nada há a dizer...

____________________

Leite creme

[faz 5 taças]


Ingredientes:

- 1/2 litro de leite gordo do dia

- 8 a 12 gemas XL (quantas mais gemas levar, mais consistente irá ficar)

- 150 gr de açúcar

- 1 vagem de baunilha

- casca de meio limão


Preparação:

Leve ao lume o leite com as sementes de uma vagem de baunilha e a casca de limão (só a parte amarela). Assim que levantar fervura, conte 2 minutos e deixe em infusão mais 10 minutos.

Bata as gemas com o açúcar, até ficar um creme fofo. Junte um pouco de leite e mexa bem para que as gemas não cozam. Junte a gemada ao leite e mexa bem e leve ao lume, em banho-maria, até engrossar, sem nunca levantar fervura. Se tiver um termómetro, é até chegar aos 85º. Se não tiver, é até cobrir as costas da colher de pau.

Retire e coloque em gelo para arrefecer. Coloque em tacinhas no frio e antes de comer, polvilhe com açúcar (branco ou amarelo) e queime.

____________________

Receita inspirada num receita ensinada no curso de sobremesas da Academia Feed Me.

_____________________

 

sábado, 29 de Março de 2014

Tapioca

No outro dia, por acaso, encontrei tapioca na secção gourmet do Continente. Ja há que tempos que andava mortinha por experimentar. E confesso que nem fazia ideia do que eram, na verdade, estes grãos.

Um amigo tinha-me dito que quando era pequeno a mãe usava estes grãos na canja, em substituição do arroz ou da massinha, mas também já tinha lido que a utilização mais comum é em sobremesas...

Na embalagem referem o que são bolinhas de tapioca, que são, na verdade bolinhas de mandioca, e explicam como devem ser preparadas e cozinhadas e basicamente segui as instruções, com algumas adaptações minhas. Assim que percebi que no final seria suposto assemelhar-se à forma como se faz arroz doce ou aletria, acabei por converter um pouco a minha receita familiar destes doces a esta nova iguaria.

Pois correu muito bem e gostamos bastante cá por casa. É uma sobremesa totalmente despretensiosa, muito simples, mas nem por isso, menos recomendada a ser experimentada. Gostamos! Será para repetir com toda a certeza!

________________________

Tapioca

[fez 8 taças]


Ingredientes:

- 120 gr de grãos de tapioca

- 100 gr de açúcar

- 800 gr de leite

- 1 casquinha de laranja

- 1 casquinha de limão

- 1 pau canela

- 3 gemas de ovo L

- 1 pitada de sal

- canela em pó qb


Preparação:

Coloque os grãos de tapioca de molho, como se fosse uma leguminosa, mas apenas por duas horas.

Findo o tempo escorra a água e coloque num tacho com todos os ingredientes, excepto as gemas. Deixe levantar fervura e conte uns 5 minutos.

Numa tigela à parte misture as três gemas e junte-lhes uma colherada do creme quente e mexa bem. Aos poucos junte as gemas à tapioca, já fora do lume, e mexa bem para que as gemas se misturem com o creme e não cozam separadas.

Verta para as tacinhas e polvilhe com um pouco de canela em pó a gosto.


Nota: em termos de sabor final, fica muito semelhante ao arroz doce e à aletria. No entanto, não deixa de gerar alguma curiosidade nos miúdos e graúdos pelo aspecto redondinho.

____________________

 

quinta-feira, 27 de Março de 2014

Tisanas

Adoro ervas aromáticas, secas ou frescas, cada uma com o seu poder e aroma.

A minha primeira casa era um apartamento pequeno sem varandas, numa zona extremamente ventosa. Mesmo nestas condições, tinha vasos presos na janela, do lado de fora com algumas ervas. Pelo menos até que num dia de maior vento os vasos foram arrancados dos suportes (sim arrancados) e tive de os por dentro de casa. O que não é a mesma coisa... Estas ervas gostam de sol, chuva, ar puro, situações adversas...

Quando comprei a minha casa atual a minha maior preocupação foi ter um espaço exterior onde conseguisse ter alguns vasos, algumas ervas, alguns chás. E a verdade é que já lá vão 4 anos de ervas... Desde salsa e coentros, a cebolinho, hortelã pimenta, menta, chocolate e ananás (sim gosto de hortelã), alecrim, louro, malaguetas, aipo, tomilho, poejos, hortelã da ribeira, oregãos, manjericão, sálvia, segurelha, lúcia lima, cidreira e erva príncipe... Não, não tenho um jardim, tenho uma varanda com alguns vasos, mas para mim, é qualidade de vida, a que se pode ter a quem vive em plena cidade de Lisboa.

Mas para quem não tem esta possibilidade, as ervas secas, em muitos casos, podem ser uma excelente solução. E a Hands on Earth tem uma oferta vastíssima não só de ervas, mas também de outros produtos fantásticos totalmente biológicos (fruta desidratada, compotas, hummm). São uma empresa portuguesa, com uma ideia sustentável e produtos da melhor qualidade. Merecem o meu apoio por isso!

Não, não tenho qualquer parceria, gosto mesmo dos produtos deles! E aconselho a todos os que me lêem a dar uma vista de olhos na página e a experimentarem o que puderem, vão ficar fãs.

Já agora, a página de facebook lançou um passatempo que termina a 31 de Março. Participem e já agora, se tiverem oportunidade e quiserem, votem na tisana que publiquei.

https://basicfront.easypromosapp.com/entries/136997

______________________

Tisana Hands on Earth


Ingredientes:

- 1 mão cheia de folhas de cidreira fresca

- 1 mão cheia de folhas de hortelã menta chocolate fresca

- 3 rodelas de laranja

- 1 colher de chá de tomilho-laranja seco (Hands on eErth)

- 1 colher de sopa de açúcar amarelo

- 1 litro de água quente


Preparação:

Lave bem as ervas frescas e coloque num bule. Adicione o açúcar e o tomilho-laranja e deite a água quente. Deixe repousar 2 minutos e sirva. Vai ter uma tisana muito fresca e deliciosa.

O chá está servido, alguém pode trazer as bolachinhas? :-)

__________________

 

terça-feira, 25 de Março de 2014

2º Aniversário

E já passaram dois anos que me meti nesta aventura... Parece que foi ontem... Recordo-me das insistências do Mário, mas ainda mais me recordo da minha insegurança habitual que gritava "para que vais criar um blog se não vais trazer nada de novo?"

Dois anos volvidos, alguns momentos altos, outros nem por isso, este acabou por ser o veículo de muitas partilhas, frustrações e até o diário das muitas vivências cá de casa.

Nestes dois anos muita coisa aconteceu... Há dois anos atrás a minha bebé tinha dois anos e dois anos volvidos está uma menina crescida que já não usa fraldas ou chucha... Foram inúmeras as aventuras e desventuras vividas e à mesa celebramos esta felicidade que tanto nos une. Esta minha reguila, esta minha princesa, passou a participar das receitas da mãe e do pai e o que se fazia a uma mão, passou a ser feito a duas e às vezes mesmo a três...

À parte da vida familiar, mantenho dois trabalhos. No meu trabalho principal, como bancária, sinto-me mais realizada. Mas à parte o trabalho em full time, continuo a assegurar aulas de dança 4 dias por semana... Em horário pós-laboral.

No meio de tudo isto, continuo a fazer almoços e jantares diários, iogurtes e pão e a mimar a minha família pontualmente... Sim, tenho um enormeeeeee braço direito, mas confesso que tenho dias em que o stress se adensa e me leva a pensar em desistir... Do que não é essencial.

Bom... Nestes dois anos sempre tentei contextualizar todas as receitas que publiquei, indicar as fontes que me inspiravam, mesmo que a receita já nada tivesse a ver com a original, ainda que isso não evitasse que plagiassem receitas minhas, numa revista!

A cada receita, arrisquei dar um cadinho de mim, mesmo que não saiba quem me lê do outro lado, porque acredito que tenho poucos seguidores, mas são seguidores próximos, um publico alvo de amigos e colegas que seguem o que faço atentamente, alguns até provam e às vezes aprovam as experiências culinárias (boas e más) e sugerem e pedem esta ou aquela receita. É arrebatadora a sensação de sabermos que algo que criamos em horas de stress, com uma criança de volta das pernas com fome, sai bem, muito bem, é digno de parabéns e até de repetições por quem acredita nas receitas que publico.

Não tenho fotos trabalhadas, que apetem comer. Não há tempo. Não são receitas de encher o olho; cá por casa com uma criança e dois empregos não há tempo para grandes criações, na verdade, poucas vezes há tempo para pouco mais do que improvisos... Improvisos que têm corrido bem, muito por intuição, qb de inspiração, e que modéstia à parte têm evoluído positivamente...

E sempre que revejo as receitas que já publiquei, aquele sentimento que por vezes se abate sobre mim de desistir, simplesmente desaparece. Para quem não tem formação na área, para quem não tem tradição gastronómica familiar, com linhagem de cozinheiras de mão cheia, para quem não é mais do que uma simples curiosa, na verdade conquistei muito...

E porque me orgulho desse trajeto que tenho feito, não quis deixar de partilhar convosco fotos da primeira receita que publiquei no dia 25 de março de 2012. Em jeito de parabéns, a todos vocês que já fazem parte da minha vida e que me seguem desse lado, gostaria de dizer-vos que independentemente das mudanças que a vida traga, seja mais ou menos frequente a minha presença por aqui, tenciono continuar a partilhar convosco as receitas que vão fazendo sucesso cá por casa e as histórias que as envolvem...

Obrigado a todos. De coração.

_________________________