Avançar para o conteúdo principal

Dia um... Na Cozinha! - 8ª Edição!

Como já tive oportunidade de contar por aqui, na minha família nunca houve uma grande tradição natalícia. Seja porque a família não conseguia estar toda junta sentada à mesa de Natal (em virtude das profissões que tinham implicar trabalho por turnos). Seja porque a minha avó centralizou sempre tudo e de todos os descendentes serei das poucas a ter interesse em alguma da pouca herança culinária que um dia morrerá com a minha avó. Se a tudo isto juntarmos o fato de as receitas estarem registadas apenas na cabeça da minha avó, conseguem imaginar a dificuldade que é conseguir fazer perdurar essa herança.

De tudo isto, há uma coisa que todos os anos havia – filhós/filhoses. Posso mesmo dizer que era a única constante. Claro, também havia bacalhau cozido com couves e polvo frito com arroz do mesmo. Mas é a receita das filhós/filhoses que tanto mistério encerra para mim.

Há 4 anos que a tento replicar. Porque a minha avó tentou passar-me a receita, mas com quantidades que só existem na cabeça dela… “oh filha, juntas isto e aquilo até veres que a massa está assim ou assado”. No primeiro ano, esqueceu-se de me dizer que levava abóbora. No segundo ano, inclui a abóbora, mas parece que também faltava aguardente e azeite. No terceiro ano, ficaram insossas. E finalmente neste ano parece que ficaram no ponto. Confesso que fiquei orgulhosa. Especialmente porque quem as fez quase em exclusivo foi o sous-chef. Eu dei as indicações, ele amassou e fritou e eu pus o açúcar e a canela. E confesso que quase me senti numa máquina do tempo, naqueles tempos em que a minha avó passava um dia inteiro a amassar e a fritar, a tender filhós/filhoses no joelho e eu a ajudar a por o açúcar e a canela e a comer algumas ainda quentinhas. Hummmm….. E depois eram distribuídas generosamente pela família e por algumas vizinhas. E claro, fiz o mesmo……. E ainda que tenha feito mais de 60, a verdade é que foi num instantinho enquanto se evaporaram. E tal como previa, não chegaram ao dia de Natal. O que só pode ser um bom sinal.

É com esta receita mais que apurada que participo na 8ª edição do “Dia um… Na Cozinha!”. Com a mais tradicional das receitas da minha família. Uma relíquia. Espero que gostem.


Nota: no outro dia disseram na TV que o plural de filhós era filhós. Fiquei um cadinho surpreendida porque sempre ouvi o termo filhoses. E como lá por casa se chamam filhoses, acabei por neste post colocar os dois termos.

____________________

Filhós/Filhoses da minha avó

[fez 64]


Ingredientes:

- 400 gr de abóbora cozinhada

- 60 gr de azeite

- raspa de 1 laranja (só a parte amarela)

- sumo de meia laranja

- 6 ovos L

- 50 gr de fermento de padeiro

- 25 gr de aguardente

- 1.400 gr de farinha T65

- óleo qb para fritar

- açúcar e canela qb para polvilhar

- sal fino (10 gr + ou -)


Preparação:

Cozinhe a abóbora. Normalmente a abóbora é cozida e bem escorrida. Este ano optei por colocá-la no forno, a 200º, polvilhada com canela e raspa de limão, cerca de 45 minutos. Acho que fica com menos água e mais saborosa, mas faça como lhe der mais jeito. Depois de cozida, esmague grosseiramente com um garfo e deixe arrefecer.

Num recipiente coloque a farinha e o sal e faça no centro um buraco. Deite no centro os ingredientes líquidos (ovos, azeite, aguardente, sumo de laranja, raspa de laranja e o fermento desfeito num pouco do sumo da laranja) e a abóbora. Vá juntando a farinha para o centro e amasse bem até que a massa esteja elástica e não cole.

Deixe levedar até que dobre de tamanho num recipiente tapado (demorou cerca de 1 hora).

Numa fritadeira larga coloque cerca de 2 litros e meio de óleo e deixe aquecer (com o termómetro, esperei que atingisse os 180º). Para ver se o óleo está à temperatura certa, tire um pouco de massa, estique e coloque no óleo. Se a filhós for abaixo e voltar ao cimo, é porque está bom.

Para tender as filhós/filhoses a minha avó colocava um pano de algodão sobre o joelho e com pedacinhos de massa tendia as filhoses até ficarem bem esticadinhas. Se não quiser fazer assim, basta que estique com os dedos do tamanho que pretender fazer. Basta 30 segundos de cada lado e deixe escorrer sobre papel absorvente. Se a temperatura do óleo estiver boa, ficam praticamente sequinhas.

Ainda quentes polvilhe com um pouco de açúcar misturado com canela e tire o excesso. Coloque num recipiente tapado para durarem mais tempo.


Alternativa de Preparação:

Cozinhe a abóbora. Normalmente a abóbora é cozida e bem escorrida. Este ano optei por colocá-la no forno, a 200º, polvilhada com canela e raspa de limão, cerca de 45 minutos. Acho que fica com menos água e mais saborosa, mas faça como lhe der mais jeito. Depois de cozida, esmague grosseiramente com um garfo e deixe arrefecer.

Num recipiente coloque todos os ingredientes, excepto a farinha e bata bem com as varas para massa. Vá juntando a farinha aos poucos e amasse bem até que a massa esteja elástica e não cole.

Deixe levedar até que dobre de tamanho num recipiente tapado (demorou cerca de 1 hora).

Numa fritadeira larga coloque cerca de 2 litros e meio de óleo e deixe aquecer (com o termómetro, esperei que atingisse os 180º). Para ver se o óleo está à temperatura certa, tire um pouco de massa, estique e coloque no óleo. Se a filhós for abaixo e voltar ao cimo, é porque está bom.

Para tender as filhós/filhoses a minha avó colocava um pano de algodão sobre o joelho e com pedacinhos de massa tendia as filhoses até ficarem bem esticadinhas. Se não quiser fazer assim, basta que estique com os dedos do tamanho que pretender fazer. Basta 30 segundos de cada lado e deixe escorrer sobre papel absorvente. Se a temperatura do óleo estiver boa, ficam praticamente sequinhas.

Ainda quentes polvilhe com um pouco de açúcar misturado com canela e tire o excesso. Coloque num recipiente tapado para durarem mais tempo.

_______________________

 

 

Comentários

  1. Olá Sónia: que bela receita ,ainda por cima , de família!! Hummm, ainda sabem melhor,não é? ( Antes de mais fui verificar a palavra "filhós" e aqui está o que diz a wikipédia:Uma filhó (plural filhós) ou filhós (plural filhoses) ). Gostei imenso desta tua participação.
    Bjn e feliz ano novo
    Márcia

    ResponderEliminar
  2. Sim, as receitas assim têm um gosto especial! :)

    Beijinhos e um excelente 2014,
    http://madamexicaras.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Que belo aspecto!
    Um ano novo recheado de coisas boas!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Ficaram lindas! Sei bem do que falas com estas receitas passadas de memória, ainda bem que conseguiste acertar! ;)
    Beijinhos e bom ano!

    ResponderEliminar
  5. Gostei tanto do teu texto! Também gosto de filhós mas como a minha família é do Norte nunca houve esse hábito lá em casa. As tuas têm um aspecto delicioso :)
    Quanto ao português, acho que o singular é filhó, e o plural filhoses.
    Beijinhos e um bom ano.

    ResponderEliminar
  6. Votos de um Próspero Ano Novo 2014!
    http://www.pratocaseiro.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Cá por casa existem várias tradições natalícias, principalmente a nível culinário.
    Gostei bastante das tuas filhós, bem apetitosas!
    Bom Ano Novo!
    Que seja bem próspero e carregado de saúde e felicidade :)

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito das tuas filhoses, aqui por casa era mais usual os coscorões que a minha avó também, tal como a tua, fazia :) Também sempre gostei muito destas assim mais "carnudas" :) e as tuas ficaram bem apetitosas !
    Beijinho doce amiga e feliz 2014!

    ResponderEliminar
  9. Que delicia de filhoses... bem apetitosas e estaladiças!
    Excelente participação!
    Bjs e bom 2014!

    ResponderEliminar
  10. Olá Sónia!
    Nada como uma receita de familia para impressionar. Eu adoro este tipo de filhoses, gosto da textura e do sabor de contraste da massa com o açúcar e a canela. E ainda bem que foste tentando reproduzir a receita ao longo destes anos e, finalmente, atingiste a perfeição, pois ficaram uns filhoses muito tentadores e que ficam bem em qualquer mesa de Natal.
    Beijinho e votos de um Feliz Ano Novo!

    ResponderEliminar
  11. Ficaram maravilhosas as tuas filhoses, Sónia!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Olá Sónia
    Estás como eu, as receitas da minha avó só ela é que as tinha na cabeça, infelizmente eu já não tenho a minha avó para me dar as quantidades nem se sejam a olho :-(
    Estas tuas filhoses (eu também sempre ouvi assim) são muito parecidas ás da minha avó que eu também já tentei fazer, de sabor até ficaram parecidas, mas a massa nem por isso, ela levava cerca de 1h a amassar á mão :-) depois ela espalhava a massa com as mãos molhadas, as tua são em cima do pano humido :-)
    tão giro como as tradições são diferentes mas tão parecidas :-)
    Gostei muito do teu texto e filhoses que me fizeram voltar ás minhas lembranças de menina com a minha avó
    Beijokas e um bom ano

    ResponderEliminar
  13. Nunca fiz com abóbora! Mas, ficaram com ótimo aspecto!
    Votos de ano repleto de saúde, paz, amor e muito sucesso!
    bjs

    ResponderEliminar
  14. Olá, Sónia.
    Deixa dizer-te que o doce que mais gosto nesta quadra natalícia são precisamente as filhoses! (sim...eu digo 1 filhós, duas filhoses, mai nada!)
    Quem as tem feito desde que me lembro é a minha avó G e são deliciosas! Nunca fiz porque ela sempre fez questão de as fazer...mas vou ter que aprender! Contudo as tuas levam abóbora e as dela não.
    Adorei a história e receita...estão com aspecto encantador!
    Feliz 2014!
    Beijinhos

    Sílvia
    http://bocadinhosdeacucar.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  15. Estão bem lindas e devem ser uma delicia e sabem tão bem nestas épocas festivas.
    Um bom ano com muito amor, saúde e paz.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Oh meu Deus que aspecto tão bom Sónia!
    Adorei mesmo!
    Beijinhos
    Lúcia

    ResponderEliminar
  17. Adoro e estão magnificas!
    Bom ano 2014, bjs
    Susana

    ResponderEliminar
  18. A minha mãe também fazia filhoses assim :) Hmmmm que saudades que me deu. Ficaram lindas! Beijocas :)

    ResponderEliminar
  19. Muito bonitas, Sónia, é bom tentarmos retomar tradições! Beijo grande.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…