Avançar para o conteúdo principal

.

O bolo de cacau...

Chove lá fora. Não amiúde. À séria. Apetece-me uma fatia de bolo de cacau, o preferido cá em casa. A receita original não é minha, é da Sofia Paixão e do seu blog GlutenFree.

Desde que trocamos a Bimby TM31 pela TM6, no mês passado, que me sinto inspirada a experimentar coisas novas... E desde que experimentei fazer bolos a vapor, sem forno, não quero outra coisa. 

E a verdade é que este bolo, já tantas vezes repetido, ficou inesperadamente melhor. E por isso volto a partilhar convosco a receita, feita agora ao vapor. Quem preferir fazer no forno pode fazê-lo. A receita com forno está AQUI.

Espero que desfrutem tanto quanto eu, a olhar la para fora enquanto a chuva se acumula nos canteiros, a comer uma fatia de bolo e a bebericar uma chávena de chá. 





O Bolo de cacau

Ingredientes:
- 140 gr de açúcar de coco
- 4 ovos de galinhas felizes
- 60 gr de manteiga ou óleo de coco
- 60 gr de azeite extra virgem
- 100 gr de leite de vaca ou vegetal (coco, amêndoa, outro)
- 40 gr de farinha de arroz
- 40 gr de farinha de aveia
- 40 gr de polvilho doce ou fécula de batata
- 40 gr de farinha de amêndoa
- 40 gr de cacau em pó
- 1 colher de chá de fermento para bolos
- 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio

Preparação:
Coloque um prato fundo sobre a bimby e pese cada uma das farinhas e o cacau. Reserve. 

Se não tiver farinha de arroz, de amêndoa ou de aveia, pode processar arroz, amêndoa e flocos de aveia na bimby e então será este o primeiro passo.

Coloque o açúcar de coco no copo e programe 30 segundos, velocidade 6.

Coloque a borboleta. Junte os ovos, as gorduras e o leite. Programe 2 minutos, 37°, velocidade 2.

Junte as farinhas reservadas e o cacau, o fermento e o bicarbonato. Programe 1 minuto e meio na função amassar. 

Deite numa forma de bolo inglês (22 x 10 cm) forrada com papel vegetal. Sim, a massa fica meio líquida.

Junte 1 litro de água no copo e programe 45 minutos, varoma, velocidade 1.

Que delícia!

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final. Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte: O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mes

Claras

Hoje trago-vos uma forma perfeita de aproveitar claras. Cá por casa congelam-se! Sim pode congelar claras e utilizá-las posteriormente em bolos, omeletes, enfim, no que quiser. A melhor forma de as utilizar é tirá-las do congelador e deixá-las descongelar no frigorífico. No entanto, se as quiser utilizar no momento, por exemplo, num bolo, basta tirar do congelador e picá-las num robot de cozinha (na Bimby, carrego no turbo algumas vezes, até ficarem picadinhas). A partir desse momento pode levantar as claras normalmente. Simples, certo? Como tinha dito AQUI , a passagem do ano não foi a desejável… E numa emergência, foi esta a sobremesa escolhida. Pela facilidade, pela falta de paciência e inspiração, enfim, se eu consegui tão bom resultado em tão mau cenário, tenho a certeza que farão um brilharete. Aproveito para agradecer todo o carinho e preocupação que têm demonstrado aqui no blog e na página de facebook para com a minha princesa. Felizmente ja regressou à vida normal. Os res

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia. Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado. Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país.