Avançar para o conteúdo principal

Pão na cocotte

Quando comecei o blog, apesar me queixar permanentemente da falta de tempo, a verdade é que ainda havia espaço para publicar diariamente. Havia tempo para diariamente correr dezenas de blogs, comentar todos, ou quase todos os posts. A lista de blogs que seguia foi crescendo, os comentários que foram aparecendo na página também foram crescendo e confesso que houve dias em que dormia 4 horas por dia, tal foi o descontrolo.

Até que um dia tive de dizer chega. Na verdade o blog é o meu alter-ego. Não é, nem nunca será, uma fonte de receitas ou uma rampa de lançamento para um futuro que não existe ou desejo. Mas antes um enorme consumidor de tempo. Que acumulo com dois trabalhos, uma filha pequena, um marido, uma casa…

Com muita pena minha, deixei de comentar. Deixei de alimentar receitas com a mesma periodicidade. No entanto, continuo a seguir diversos blogs, blogs que me inspiram, que alimentam a minha própria criatividade. Mas hoje tudo de uma forma muito mais serena. Com muito menos ansiedade. Ansiedade por estar em falta com quem simpaticamente arranja tempo para comentar os meus posts (ao contrário de mim). Ansiedade porque (obviamente) reduziram e muito os comentários às receitas que publico, não sabendo o que acharam da receita x ou y.

Aceitando que faz sentido continuarmos por cá ajuda. Mas temos de estar preparados para isto ser um monólogo. Porque o tempo não é a conta-gotas apenas para mim, mas com certeza para todos os que silenciosamente estão do outro lado e que até continuam a seguir-me ainda que não tenham hipótese de deixar um comentário.

No entanto, porque continuo a admirar um sem fim de blogs e continuo a guardar e a fazer muitas das receitas que publicam, decidi encontrar tempo onde não o tenho e executar algumas dessas receitas e publicar neste meu cantinho, neste meu livro de culinária digital. Como forma de prestigiar o trabalho que têm feito. Como forma de lhes dizer "estou aqui, não deixei de te visitar, apenas deixei de comentar por falta de tempo; mas todas as semanas vou ao teu cantinho e recolho as receitas que me fazem salivar".

É exatamente isso que me aconteceu quando numa das minhas visitas a um blog de receitas que só me trazem felicidade. Falo, naturalmente, do blog da Mariana - Receitas para a Felicidade. Num destes dias vi uma receita de pão na cocotte. Como semanalmente fazemos pão em casa, decidimos experimentar. Como já aqui tive oportunidade de dizer algumas vezes o padeiro de serviço é o meu marido, que não acolheu a ideia com particular entusiasmo. Mas a verdade é que me fez a vontade uma e outra vez e no ultimo mês esta receita já foi feita um cem número de vezes. Adoramos.

Obrigado Mariana por me inspirares. Por teres receitas tão cheias de amor e felicidade.

_________________________

Pão na cocotte

[faz 1 pão médio]


Ingredientes:

- 250 g de farinha T65

- 200 gr de farinha integral

- 1 saqueta de fermento seco (usei fermipan)

- 1/2 colher de sopa de sal

- 10 ml de vinagre branco

- 300 ml de água

- Sementes de linhaça a gosto


Preparação:

Usei uma kitchen Aid para amassar este pão, mas pode, perfeitamente, amassá-lo à mão ou usar um outro robot de cozinha.

Coloque todos os ingredientes no copo e amasse bem até obter uma massa elástica, sem colar.

Cubra o copo com um pano ou com película aderente e deixe a levedar por 2 a 3 horas, até a massa dobrar de volume.

Findo o tempo, coloque a massa numa bancada enfarinhada e amasse mais um pouco com as mãos e forme uma bola. Coloque-a em cima de uma folha de papel vegetal. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 220 ° C.

Coloque a cocotte no forno para que aqueça bem (cerca de 15 minutos). Eu usei um tacho de ferro do Ikea.

Depois de bem quente, coloque dentro a folha de papel vegetal com a massa. Coloque a tampa. Leve ao forno por cerca de 30 minutos. Findo o tempo, retire a tampa e deixe mais 10 minutos para que ganhe cor.

Retire o pão e deixe-o arrefecer sobre uma grade. Tente resistir a comer com uma noz de manteiga enquanto arrefece…

_____________________

 

Comentários

  1. Mais uma utilidade para essa linda panela! Adorei :)
    -
    Diogo Marques
    Blog: A culpa é das bolachas! | Facebook | Instagram
    -

    ResponderEliminar
  2. Que bela receita!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Lindo e vê-se delicioso esse pãozinho minha querida Sónia, obrigada por partilhares e pelo carinho que senti neste post (um post que me fez feliz)

    Um grande beijinho com amizade!

    ResponderEliminar
  4. Sónia,

    O texto é um bom retrato do que muitos passamos. Revejo-me e muito nele.
    Há muito que deixei de ter a mesma disponibilidade temporal e, mais tarde, mental, para fazer o que fazia quando comecei o blog. Às vezes penso se não estarei sozinha, publicando de mim para mim. Mas sei que não. Há pessoas sempre lá, mesmo que também elas em silêncio. É mesmo assim!
    Bonito gesto da tua parte e o pão será certamente delicioso, tantas vezes já foi experimentado e aprovado por ti. Está lindo.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não estas mesmo sozinha! Tens aqui alguém que te lê periodicamente!

      Eliminar
  5. Adoro um bom pão caseiro como esse, quentinho barrado com manteiga, que delícia!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…