Avançar para o conteúdo principal

Bolo de natas

As minhas ausências por aqui têm sido cada vez maiores. O trabalho não dá tréguas e tudo o resto também não…

Para festejar o meu aniversário com os colegas de trabalho lá consegui aproveitar um dia à noite, enquanto a miúda brincava no quarto e o jantar estava adiantado, para fazer dois bolinhos – um para a minha área e outro para a área do Mário, companheiros das horas de almoço em torno da marmita.

Mas os dias anteriores tinham sido de passeio e mal tive tempo para me organizar. Só tinha 6 ovos no frigorífico para fazer 2 bolos. Lá andei a olhar para os armários e encontrei também dois pacotes de natas quase a saírem da validade. E um limão na fruteira. E lembrei-me de fazer esta experiência.

A verdade é que saiu muito bem. Com uma cor muito amarelinha (que as fotos não favorecem muito) e um sabor bem delicioso e caseiro. E foi muito apreciado pelos pouco gulosos e os muito gulosos e só por esta vez ficou perdoado o bolo não ser de chocolate…

Desculpem as fotos serem tão manhosas, mas não houve tempo para sessões fotográficas mais aprimoradas e quando consegui tirar umas fotos já quase todo tinha acabado. O que é sempre um bom sinal.

_______________________________

Bolo de natas


Ingredientes:

- 3 ovos granditos caseiros (faz toda a diferença)

- 1 pacote de natas light/soja/normais o que quiserem

- raspa e sumo de meio limão

- 1 colher de chá de fermento para bolos

- 300 gr de açúcar

- 200 gr de farinha para bolos


Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Bata as natas com o sumo e a raspa de limão. Junte o açúcar aos poucos, batendo sempre. Junte os ovos um a um, batendo bem entre cada adição. Vai obter um creme fofo e alto.

Junte a farinha e o fermento peneirados, sem bater muito, apenas envolver.

Unte uma forma e polvilhe com farinha. Leve ao forno 30 minutos ou até fazer o teste do palito e ele sair limpinho. Abra o forno e deixe arrefecer o bolo por uns 15 minutos. Desenforme ainda morno e, quem gostar, polvilhe com um pouco de açúcar em pó depois de frio.

_______________________

 

 

 

 

Comentários

  1. E voltaste com um belo bolinho! Uma delicia :)
    -
    Diogo Marques
    Blog: A culpa é das bolachas! | Facebook | Instagram
    -

    ResponderEliminar
  2. Ficou com um excelente aspecto esse teu bolo!

    ResponderEliminar
  3. Esse bolo ficou com óptimo aspecto.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2015/02/preparar-o-dia-dos-namorados-2-legumes.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…