Avançar para o conteúdo principal

Limão de conserva

Adoro citrinos. Bom, talvez seja melhor reformular… Adoro o cheiro das flores destas árvores de fruto… O aroma das cascas, o toque diferente que dão a tudo. Gosto de lima, de limão e laranja, para temperar, para aromatizar, em chás, em bolos, em compotas, hummm. Gosto também muito de tangerinas e clementinas, para comer até ter a barriga cheia. Sim, gosto MESMO de citrinos!

Por tudo isto, na minha varanda resolvi plantar uma laranjeira e um limoeiro. Do alto da minha inocência e ingenuidade, sonhei com o aroma doce das suas flores na primavera e com pequenos frutos que pudesse colher, já que não esperava abundância de duas árvores de fruto plantadas dentro de vasos, em vez de ser diretamente na terra. Gente de cidade é assim…

Mas flores nem vê-las, o mau tempo roubou as poucas que estavam ainda a brotar… E os frutos, bem… Nada, nem um para contar história.

Felizmente, porque a família e amigos sabem que adoramos citrinos, têm-nos feito chegar alguns, especialmente limões. Um saco da minha mãe, outro de uma vizinha da minha mãe e mais dois bem cheios de dois colegas de trabalho e de repente a fome virou fartura!

E quando a vida nos dá limões, ou fazemos limonada em barda (e damos cabo do fígado) ou "inventamos". Desta vez decidi inventar…

A desfolhar o livro "O livro essencial da cozinha mediterrânica" encontrei a solução para os meus limões – uma conserva!!! Ainda que não seja fã de comida marroquina, na verdade um dos ingredientes que mais gosto nas tajines/tagines (um prato típico marroquino), senão o único, é mesmo o aroma cítrico dos limões de conserva.

Foi só por mãos à obra. É bastante fácil de fazer e o sabor é mesmo delicioso. Em breve coloco aqui uma receita de frango que fez as delicias cá de casa.

O chato é mesmo ter de ter paciência e esperar cerca de 2 meses para que esteja pronto. Mas "não há bela sem senão", não é verdade?

E porque não incluir esta conserva dos vossos cabazes de Natal?

______________________

Limão de conserva [Hamad M’rakad]

[1 frasco de 1L]


Ingredientes:

- 5 a 6 limões pequenos de casca fina

- 250 a 300 gr de um bom sal grosso

- sumo de limão (o suficiente para encher o frasco)

- folhas de louro qb

- grãos de mostarda qb

- sementes de coentros qb


Preparação:

Lave muito bem os limões debaixo de água morna.

Adicione ao frasco folhas de louro, grãos de mostarda e sementes de coentros na quantidade que gostar.

Corte os limões em quartos, mas sem os separar, deixando a base agarrada ao caule. Retire os caroços visíveis e barre o interior com sal grosso. Feche os limões para que mantenham a sua forma e distribua no frasco apertando bem para que fique o mínimo espaço possível entre cada um. Coloque o sal restante dentro do frasco. Adicione sumo de limão até completar a capacidade do mesmo e feche.

Vire o frasco de cabeça para baixo algumas vezes para que todos os ingredientes se combinem e coloque num lugar com temperatura amena por cerca de 2 meses. Semanalmente repita o processo de combinar todos os ingredientes, virando o frasco de cabeça para baixo.

Os limões estarão prontos quando a película branca interior estiver da cor da casca exterior – amarela.

Quando estiverem prontos e no momento em que os irá consumir, deve passa-los bem por água, eliminar a polpa e cortar a casca bem fininha (sim, é só a casca que se irá consumir!).

Assim que abrir o frasco deve mantê-lo no frigorífico e não deverá demorar mais do que duas semanas a consumi-los.

___________________________

Receita inspirada no livro "O livro essencial da cozinha mediterrânica".

___________________________

 

Comentários

  1. Nunca fiz, nem nunca comi, mas achei bem interessante!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…