Avançar para o conteúdo principal

Henrique Sá Pessoa

Há coisas que não lembram a ninguém e esta receita é uma delas… Tem um ingrediente de que não gosto, tem um outro de que adoro mas não posso comer porque sou alérgica, mas na verdade, apesar de ser um prato improvável, é um prato que adoro!

Bom, vamos por partes. Todas as histórias têm um início e tudo isto começou quando resolvi ir conhecer o novo espaço de restauração que está na Praça da Ribeira… Um dos espaços onde resolvi "petiscar" foi no "Food Corner Henrique Sá Pessoa". Gosto da comida dele. Não falo apenas da que vejo cozinhar, mas também da que já tinha tido oportunidade de experimentar no restaurante "Alma" e por isso sabia que não iria sair defraudada.

De uma ementa vasta houve um prato que me saltou à vista pelo nome pomposo – "Ovo a 64 graus, com puré de batata trufado, presunto e espargos verdes".

"Odeio presunto, sou alérgica a espargos, mas tenho mesmo de comer isto. A última coisa que quero é morrer sem saber a que sabe um ovo cozinhado a 64 graus, ou ter pesadelos com estufas de ovos!" – pensei cá para comigo.

Tinha de perceber a que sabia e mesmo com o aparelho nos dentes a atrapalhar, com a alergia aos espargos e o sabor do presunto (que detesto), não sobrou nada para contar história… AMEI! Provavelmente dos melhores pratos que comi nos últimos tempos… Claro está que os espargos resultaram numa enorme dor de barriga. Claro que o presunto só marchou porque tinha um sabor delicioso a azeite de trufa, mas confesso que a ligação de todos estes sabores é algo de mágico, diabólico e imperdível.

O problema foi que apesar da dor de barriga e de ter desgostado do espaço (muito confuso, barulhento e com demasiada concentração populacional por metro quadrado), o prato nunca mais me saiu da cabeça. E uma ida em passeio ao corte inglês (diga-se "com fome"), acabou por resultar num molho de espargos, numa pequena porção de presunto de porco preto bem seco e numa ida a correr para casa tentar confecionar este prato.

Claro, esqueci-me de comprar batatas e acabei por não fazer o puré… Ops, o azeite de trufa ficou da última vez em Milfontes… E não faço puto ideia de como se coze um ovo a 64 graus. Apesar dos percalços, não desisti!

Cozi ligeiramente os espargos. Escalfei um ovo. Coloquei tudo no prato com o presunto e voilá! Uma delicia. Não é igual, mas é simplesmente delicioso na mesma…

_______________________

Espargos verdes, presunto e ovo escalfado


Ingredientes:

- espargos verdes

- ovos

- presunto

- sal qb


Preparação:

Arranje os espargos. Elimine a parte fibrosa do pé. Basta que pegue em cada extremidade e dobre o espargo. Onde partir é o sitio certo. Coza os espargos apenas o suficiente para que fiquem al dente. A forma correta de os cozer é ao alto, para que a parte da "flor" não fique demasiado cozida e o pé demasiado duro. Retire e reserve. Coloque um outro tacho a cozer com água e sal e assim que começar a ferver junte os ovos e escalfe a gosto. Eu gosto que o centro do meu esteja líquido.

Num prato, coloque os espargos, o presunto (à temperatura ambiente) e o ovo escalfado por cima.

____________________

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

  1. Que belo aspecto!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Por acaso a minha experiência no Alma não foi assim tão fantástica... Não digo que fosse mau, claro que não, mas não fiquei impressionada. Mas tal como tu, quando visse esse nome no menu não poderia deixar de provar! E de certeza que ia adorar.

    ResponderEliminar
  3. Simples e tão bom! Uma excelente combinação :) Bom ano!
    -
    Diogo Marques
    Blog: A culpa é das bolachas! | Facebook | Instagram
    -

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…