Avançar para o conteúdo principal

Um pão... Diferente!

Não sei se já vos aconteceu alguma vez mas sabem quando olhamos para uma receita e a combinação de ingredientes nos parece estranha? Estranha o suficiente para passar à frente e achar que é uma receita que não vale a pena fazer? Pois às vezes, acontece-me… Assim como me acontece comprar um livro por causa de uma receita ou outra e depois achar que as restantes receitas nada têm a acrescentar às refeições cá de casa. É meio caminho andado para arrumar esse livro e não voltar a folheá-lo…

Pois a lição/mandamento de hoje é: não desdenhar de receitas com ingredientes estranhos! Pelo menos enquanto não as experimentarmos!

Um destes dias compramos um livro novo de pão cá para casa. Um daqueles livros que há à venda nos supermercados, pequenos, mas cujo título me era familiar porque já tinha visto algumas bloggers inspirarem-se nele. Por isso, resolvi comprá-lo.

Enquanto jantávamos, eu e o Mário, devorámos o livro… Imagens fantásticas, receitas surpreendentes até que aterramos numa receita de pão com queijo e favas. Quem se lembraria de fazer um pão de queijo e favas????? ‘Lá está uma receita que não é para fazer’, disse eu. Ao que o Mário respondeu ‘isto é tal e qual como quando vais às compras, olhas para a roupa e dizes “jamais vestiria aquilo, manda-me internar se alguma vez me lembrar de comprar algo do género” e depois obrigo-te a experimentares e adoras!’

E depois de me calar com este argumento foi para a cozinha fazer o pão. Como não havia favas fez com ervilhas e o queijo utilizado foi um queijo de cabra de aroma bem forte que tínhamos cá em casa.

Pois… Foi provavelmente das maiores surpresas culinárias dos últimos tempos… Deve ser dos melhores pães que provei ultimamente… A textura é irrepreensível, mesmo depois de congelado e descongelado, aliás, devo confessar, que nunca tínhamos comido um pão de textura idêntica, tão fofinha. Ficou maravilhoso. Até os colegas do trabalho, que torceram o nariz quando o viram, ainda hoje falam neste pão. É realmente um pão surpreendente. E que me ensinou uma enorme lição.

E por isso, não hesitei em levá-lo à Tea Party que está a decorrer no ‘Cravo e Canela’. Um blog que sigo e aprecio com enorme carinho e que tem organizado ultimamente uns passatempos muito engraçados. Infelizmente o tempo não tem dado para tudo e não tenho conseguido participar… Há sempre qualquer coisa que me impede de cumprir os prazos e desta, confesso, foi por pouco. Hoje é o ultimo dia para participar e não quis ficar de fora desta vez. Espero que gostes Manuela!

Que tal experimentarem??? Quem experimentar conte se faz favor, sim???

______________________

Pão com ervilhas e queijo de cabra


Ingredientes:


- 100 gr de ervilhas congeladas

- 25 gr de azeite

- 270 gr de água

- 5 gr de cebolinho picado

- sal e pimenta preta a gosto

- 475 gr de farinha T65

- 1 colher de chá de açúcar

- 25 gr de fermento de padeiro

- 200 gr de queijo de cabra

- manteiga para untar

- leite para pincelar


Preparação:

Coza as ervilhas, num pouco de água com sal, apenas 2 minutos, contando a partir do momento em que a água começar a ferver. Passe por água fria e seque bem em papel absorvente. Reserve.

Corte o queijo em cubos com, mais ou menos, o dobro do tamanho das ervilhas. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 220º.

Coloque sal a gosto, o azeite, a água, a farinha, o açúcar e o fermento no copo da Bimby e programe 5 minutos, velocidade espiga.

Deite a massa numa superfície enfarinhada e adicione-lhe o queijo e as ervilhas. Amasse um pouco, apenas o suficiente para unir os ingredientes.

Unte uma forma tipo bolo inglês (eu utilizei quatro pequenas) e distribua a massa. Tape e deixe fermentar por 40 minutos ou até dobrar de tamanho.

Pincele com um pouco de leite, polvilhe com um pouco de pimenta preta a gosto e coza no forno durante 20 a 25 minutos, ou até crescerem e ficarem douradinhos. Deixe arrefecer em cima de uma rede.


Alternativa de Preparação:

Coza as ervilhas, num pouco de água com sal, apenas 2 minutos, contando a partir do momento em que a água começar a ferver. Passe por água fria e seque bem em papel absorvente. Reserve.

Corte o queijo em cubos com, mais ou menos, o dobro do tamanho das ervilhas. Reserve.

Pré-aqueça o forno a 220º.

Numa superfície enfarinhada coloque a farinha e faça um buraco no centro. Dissolva o fermento num pouco de água e coloque no centro, junto com o azeite, sal a gosto, o açúcar e a água. Amasse bem, puxando a farinha das pontas para o centro, até que a massa esteja elástica e não agarre nas mãos.

Junte o queijo e as ervilhas. Amasse mais um pouco, apenas o suficiente para unir os ingredientes.

Unte uma forma tipo bolo inglês (eu utilizei quatro pequenas) e distribua a massa. Tape e deixe fermentar por 40 minutos ou até dobrar de tamanho.

Pincele com um pouco de leite, polvilhe com um pouco de pimenta preta a gosto e coza no forno durante 20 a 25 minutos, ou até crescerem e ficarem douradinhos. Deixe arrefecer em cima de uma rede.

________________________

Receita adaptada da de 'pães com queijo de cabra e favas' do livro 200 Receitas de Pão'.

_______________________

 

Comentários

  1. Que lindo ficou Sónia e deve ser delicioso. Eu fiz um parecido mas com feijão verde, queijo e tomilho, também pela combinação estranha para um pão, mas adorei.

    Beijinhos e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  2. A mim parece-me uma combinação bem tentadora :D

    Beijinhos e tem um óptimo dia! :D

    ResponderEliminar
  3. Realmente nunca me passou pela cabela colocar ervilhas no pão, mas pelas tuas fotos, ficou bem apetecível. E com o queijinho deve ser delicioso.

    Bela festa que vai ser.
    Beijinhos

    Paula

    ResponderEliminar
  4. Já eu sou ao contrário: sou sempre atraida por receitas com ingredientes estranhos!
    Um pão invulgar, mas parece delicioso

    ResponderEliminar
  5. Gostei desse pão, é invulgar mas deve ser muito bom :)
    Beijinhos e um bom dia

    ResponderEliminar
  6. Concordo. Os ingredientes estranhos e a combinação destes pode ser surpreendente. Este pão é um belo exemplo disso.
    Bela participação.

    ResponderEliminar
  7. Por vezes das combinações mais estranhas surgem os melhores sabores!

    Eu cá adorei este pão...têm um "ar" lindo, e deve ser bem saboroso...gostei! :)*

    ResponderEliminar
  8. Bem diferente e bonito. Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. Que maravilha de pão! Muito original.
    Beijinhos e boa 6.ª feira!

    ResponderEliminar
  10. Fiquei fascinada!
    Quanto a mim, até costumo ser bastante atraída por receitas estranhas...eu tenho uma curiosidade ávida por experimentar coisas novas e diferentes!
    O único problema que me leva a não experimentar as receitas com ingredientes diferentes é mesmo a disponibilidade dos ingredientes: se forem coisas que não tenho em casa e não costumo comprar, esqueço e passo à frente!
    Mas neste caso os ingredientes até são bastante acessíveis, ainda por cima numa altura destas, em que as favas estão em alta!!!
    Se tiver tempo, gostava de experimentar!!!

    ResponderEliminar
  11. Pois olha que eu gostei bastante da sugestão!

    ResponderEliminar
  12. Acho que acontece com todas nós...mas essa lição/mandamento já a aprendi há muito quando me deu para experimentar um bolo de tomate e chocolate ou o de chocolate e vinho tinto. Ahhh e lembras te do arroz da Isabel???Outra sugestão que nos espantou....
    Gostei do pãozinho e as favas também devem casar bem uma vez que são menos doces que as ervilhas...
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  13. sabe minha linda vc esta certissima ..amei seu pão bem diferente e com uma ncarinha que esta ótima ..parabens bjãop grandes

    ResponderEliminar
  14. Olá Sónia!
    Fiquei tão curiosa com o teu pão diferente que tenho de experimentar. À vista é lindo, a textura parece perfeita e fico aqui a imaginar o sabor....
    Muito obrigada por participares e por partilhares esta original receita.
    Bjnhos,

    Manuela

    ResponderEliminar
  15. É mesmo uma receita muito diferente mas tem mesmo mt bom ar!
    Temos que inovar!

    ResponderEliminar
  16. Que boa sugestão, deve ser uma verdadeira delicia!
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Oh, que pãozinho diferente mas, como eu adoro ervilhas, de certeza que ia amar e, além disso gosto de coisas diferentes.
    Bom fim de semana
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/05/2-edicao-do-projeto-escolha-do.html

    ResponderEliminar
  18. Olha quando vi paozinho, pensei, la vem mais um pra maquina! Mas afinal nao!!!
    E de facto, comemos muito pelo olhos e pelo nome!
    Ainda bem que mudaste as favas por ervilhas! E digo-te que é diferente daquilo que estou acostumada a ver!
    E depois tu tens o dom de descrever ao mais infimo pormenor... Já estou a imaginar a dita textura!!
    Um beijinho grande!!!

    ResponderEliminar
  19. Tenho esse fantástico livro e já fiz muitas de receitas e saem sempre todas muito bem.
    Esse por caso não fiz talvez por ser de favas .
    Gostei muito do teu ficou lindo e bem tentador.
    bj

    ResponderEliminar
  20. Amiga,

    Já tinha passado os olhos por esse pãozinho no livro que referes e, sinceramente, coloquei de lado... tenhoa certeza que a filhota não gosta e receei que o marido também engelhasse o nariz...
    Às vezes é preciso ver para crer.
    E ao ver o teu eu creio !
    Creio que iria gostar se experimentasse, pois o teu está de facto com uma textura fabulosa... ficou lindo, lindo !

    Beijinhos*

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…