Avançar para o conteúdo principal

Cereais e afins

Desde que tenho o blog tenho tentado ter mente aberta relativamente a um conjunto de produtos que não fazem parte, historicamente, do percurso alimentar da minha família.

Como curiosa que sou, tenho experimentado, aos poucos e poucos e confesso que depois de ter utilizado a quinoa, com tão boa aprovação cá por casa, um novo conjunto de experiências se seguiram e vão continuar a seguir. Não só porque estou a tentar criar refeições mais saudáveis, como nos dias que correm há um sem número de intolerâncias que obrigam a optar por alguns dos nomes que vos trago hoje. Tento, com isso e sendo o blog um veículo de partilha, chegar a um maior número de pessoas. Não se trata de agradar a gregos e troianos, mas sim levar-vos a experimentar coisas novas, mostrar-vos a variedade imensa de produtos à nossa disposição e que permitem que se possa ter uma alimentação saudável e variada, sem que tenhamos de comer o mesmo todos os dias.

Quando comecei a pesquisar um pouco sobre a temática, confesso que me senti uma verdadeira naba… Achei que eram tudo tipos de cereais! E nenhuma referência na internet conseguiu na totalidade tirar algumas das dúvidas. Sabem quando tentamos perceber o que é uma coisa, mas a própria explicação tem termos que desconhecemos e que por sua vez temos de pesquisar sobre os mesmos??? Foi assim que começou este post, que mais não é do que uma tentativa de resumir tudo o que li, em português, italiano, inglês, linguagem técnica e amadora… E simultaneamente tirar-vos algumas dúvidas sobre alguns produtos ‘diferentes’.


Quinoa > a quinoa é a semente de uma planta originária da América do Sul. É considerada um dos alimentos mais completos do mundo. Não contém glúten. Pode ser utilizada em saladas, mas também pode ser transformada em farinha e utilizada na panificação e pastelaria em substituição da farinha de trigo.

Espelta > é um primo afastado do trigo, originária do Irão e que pode ser utilizada da mesmíssima forma que o trigo – panificação e pastelaria, por exemplo. Mas a espelta pode, não só encontrar-se à venda sobre a forma de farinha, mas também em forma de grão e depois de cozido pode ser utilizado como se fosse arroz, ou mesmo em saladas, tal como na quinoa. Contém glúten.

Bulgur > a forma mais comum de utilização do bulgur é no tabulé ou no pilaf. É muito utilizado na cozinha Síria e Libanesa, bem como na cozinha mediterrânea. Na verdade, é o resultado de uma preparação feita com trigo duro que previamente é cozido, depois seco ao sol e depois partido e separado de acordo com o tamanho do grão que resulta. É considerado um grão integral pois a pele e o gérmen são deixados intactos durante o processo. É um excelente substituto do arroz e do couscous. Contém glúten.

Couscous > é típico dos países do Norte de África de tradição árabe e é obtido através da farinha de trigo amassada até formar pequenos grãos que são cozidos (processo hoje já amplamente industrializado). Durante o processo de moagem do trigo há duas substâncias que se destacam: a sêmola (que se obtém pela rutura do grão de trigo na 1ª passagem no processo de moagem) e a semolina (que tem o tamanho intermédio entre a sêmola e a farinha e que resulta de diversas passagens no processo de moagem). O couscous é feito de semolina e por isso contém glúten (já encontrei sem glúten, mas isso é um processo posterior ao processo do couscous propriamente dito).

Espero ter ajudado a tirar algumas dúvidas. Em breve vão começar a aparecer alguns destes produtos, aqui pelo blog, sobre as mais variadas formas!

___________________

 

Comentários

  1. Eu também tenho tentado diversificar, e com o pretexto do blog ganhámos melhores hábitos cá em casa, sem andar sempre com os mesmos alimentos ;)

    bjo
    ana
    http://amarmitalisboeta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. É tão aborrecido comermos sempre o mesmo!

      Eliminar
  2. Fico a aguardar receitas com esses ingredientes. Agora com a primavera queria uns pratos mais leves e saudáveis. Mas tenho um guloso supremo cá em casa, tarefa árdua. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vao aparecer Filipa. Ate porque cá por casa estamos a precisar de comidas mais leves, em modo de dieta :-). Claro esta, sem sacrificar sabor :-)

      Eliminar
  3. hoje já aprendi alguma coisa!
    obrigada pela partilha :))

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do post, aprendi alguma coisa. Obrigada pela partilha.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Há tanta diversidade e informação que por vezes em vez de conseguirmos aprender baralhamos nos mais...
    Esta informação que dás é simples e mesmo os mais leigos no assunto ficam um pouco mais elucidados com estes alimentos. Aqui em casa só os adultos experimentam e consomem qualquer um deles e até hoje fazem parte da nossa alimentação.Apesar de ainda não ter receitas com eles no blog (por enquanto) são para mim um Mundo ainda com muito para explorar e com muitas receitas testadas e aprovadas....
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  6. Também já inseri o bulgur e a quinoa cá em casa :)

    Beijinhos e tem uma óptima semana! :D

    ResponderEliminar
  7. Uma das vantagens de ter um blogue é que nos dá mais motivação para experimentar coisas novas e diferentes! Também tem acontecido comigo e é fantástico.

    ResponderEliminar
  8. Já comi quinoa e gostei muito mas ainda não me atrevi a fazer em casa, bjks

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É relativamente simples.basta cozer como se fosse arroz. Em caso de duvida ate a própria embalagem explica! Vale a pena fazer em casa!

      Eliminar
  9. Olá!
    Gostei muito do post!
    Confesso que não são habitués Da Nossa Cozinha, mas vou gostar de juntar-me a ti nesta aventura gastronómica. Aviso já que parto do nível 1 nesta matéria...
    Um beijinho,
    A Cozinheira

    http://danossacozinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Olha amiga, muito elucidativa esta tua publicação, confesso que acabei por fazer algo que ADORO: aprender !
    E já aprendi contigo alguns aspectos que desconhecia acerca desses ingredientes.

    Confesso que até há pouco tempo, tínhamos por aqui uma alimentação muito tradicional, aos poucos tenho tentado alterar rotinas e sabores mas não é fácil, pois por aqui reinam pessoas com gostos muito especificos e enraizados em hábitos antigos...
    Mas penso que aos poucos e com sabedoria conseguirei ganhar alguns pontos ! :)

    Beijinho grande querida e obrigada por estes tão úteis esclarecimentos !:)

    Isabel

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…