Avançar para o conteúdo principal

Restaurantes...

Desde que a maldita ‘crise’ começou que são poucos os restaurantes a que vou… E quando vou, prefiro pagar um pouco mais, mas garantir que vou comer algo de qualidade, que não me faça arrepender de sair de casa.

Se antes já era um pouco exigente com o que comia, hoje mais do que nunca o sou… Sei que as exigências são mais que muitas e cada restaurante que hoje abre é quase um ato de suicídio… Que prefiro olhar como um ato de coragem.

Sei que o Estado rouba mais de 40% do que ganham… Sei que os preços dos bens aumentam de forma galopante… Sei que aumentar os preços, em muitos casos, significa perder os poucos clientes fiéis que vão aparecendo…

Se há algo chocante que soube à pouco tempo foi que os restaurantes têm de pagar anualmente uma coisa que se chama ‘Pagamento Especial por Conta’ que mais não é do que uma antecipação de um imposto, isto é, de uma forma simplista, um valor que é pago por lucros que venham a ter… Sim, leram bem VENHAM a ter… Sim, não interessa que tenham acabado de abrir… Não interessa que não tenham lucros, mas sim prejuízos… Sim não interessa que eventualmente, depois do investimento inicial, só consigam ter lucro, na melhor das hipóteses, 5 anos depois… Qualquer restaurante tem de pagar este imposto! Enfim… É este o pais que temos...

A verdade é que quanto mais a crise afunda mais estou certa de que os restaurantes que insistem em manter a qualidade vão sobreviver, e sair desta crise maldita, ainda mais fortes. Criatividade que passe pela baixa de qualidade leva a que os consumidores se sintam enganados, sintam que pagam gato por lebre. Percebo o outro lado, se percebo!!! Mas a verdade é que se os restaurantes forem bons, se a qualidade se mantiver, são esses que se manterão cheios e os restantes continuarão a sucumbir…

Por isso, quis partilhar convosco os meus restaurantes preferidos… E deixar aqui uma palavra de apreço pelo bom trabalho que mantém e que me faz voltar sempre…

- o primeiro é uma paixão recente… Um restaurante dominicano. Sim leram bem, um restaurante com um Chef da República Dominicana (o primeiro e único em Portugal) que faz comida de comer e chorar por mais. Agora imaginem isso aliado a uma chefe de sala (a Ana, que é a esposa) bem disposta, atenta e muito simpática e a uma música ambiente do melhor (bachata, merengue, salsa). Pela primeira vez encontrei um restaurante que une duas das minhas paixões – ritmos latinos (de que sou professora) e comida maravilhosa, daquelas que queremos todos os dias voltar a provar! Só me posso sentir em casa. Se não for o suficiente para convencer-vos, posso dizer-vos que a Timeout deu-lhes 4 estrelas em 5 possíveis e todas as críticas são mais que positivas (e acreditem que estão fartos de serem falados nas revistas e jornais). E eu tenho a sorte de os ter ao lado de casa. O restaurante chama-se ‘Recuerda Amor’ e aconselho vivamente, numa primeira ida, a experimentarem o Mufongo e as asinhas de frango com molho de manga ligeiramente picante. A Ana terá todo o prazer em explicar-vos como se faz o Mufongo! Ah! Já me esquecia… Em termos de preço é bastante na média, bastante acessível! Pode ver AQUI ou AQUI.

- o segundo é um restaurante que se vê que foi bem pensado… Serve uma cozinha de fusão de inspiração oriental, segundo dizem, mas para mim é paparoca da boa, verdadeiramente boa e sem preços megalómanos! Recomendo a provarem o arroz com frango e camarão e para sobremesa a atreverem-se a provar o gelado de limão com vodca preta. O restaurante chama-se ‘Mensa’, que traduzido, quer dizer Mesa e fica em Oeiras, bem no centro histórico. Não deixem de visitar, especialmente no Verão que tem uma esplanada fantástica, se bem que gosto mais do ambiente intimista à noite… Pode ver AQUI e AQUI.

- o terceiro restaurante já falei aqui, é um Italiano e provavelmente o melhor que já provei… Fica em Algés e é ‘Sublime’ de nome e de adjetivo. Não é tão moderado em termos de preço mas vale mesmo a pena lá ir para experimentar o Tagliatelle al nero de Sépia ou qualquer uma das pizzas. Havia muito para dizer sobre as pizzas, mas vou-me limitar a falar da base – é crocante e bastante fininha e o sabor é em tudo idêntico à bolacha de água e sal… Leve, muito leve e em pouco de nada foi toda… Para sobremesa recomendo vivamente os canelones de chocolate, recheados com chocolate… Hummmmm! Já me esquecia! Tem Take Away! Pode ver AQUI e AQUI e AQUI.

____________________

 

Comentários

  1. Tal como tu, actualmente pouco vou a restaurantes e quando vou prefiro que sejam de qualidade. Se tiveres curiosidade relativamente à comida do Nepal, existe um restaurante perto do Campo Pequeno chamado Real Nepal.
    Gostei da sugestão do restaurante dominicano :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei perfeitamente de que restaurante falas. Trabalho aí perto e vou lá com alguma frequência. Adoro! Adoro comida nepalesa, indiana e goesa. Obrigado pela sugestão. Fiquei a pensar que tenho de lá ir em breve!

      Eliminar
  2. O restaurante dominicano ficou-me debaixo de olho, e já guardei a sugestão :D

    Por acaso eu também adoro o Real Nepal, tal como a Marisa do comentário acima! :D É o melhor restaurante indiano/nepalês onde já comi em Portugal, e na minha opinião só perde mesmo para a comida nepalesa verdadeira :D

    Beijinhos e tem um bom resto de dia! :D

    ResponderEliminar
  3. Que boas sugestões! ando com vontade de experimentar um restaurante turco, mas dominicano nunca tinha ouvido falar.
    Bjos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…