Avançar para o conteúdo principal

Fazer doces

Perto do Natal fui convidada pela TVI 24 a participar numa reportagem do programa ‘Portugal Português’. Uma reportagem que falava de pessoas que faziam os seus próprios presentes de Natal. Esse programa já foi repetido umas duas vezes e uma das coisas que refiro na reportagem é que peço a familiares e amigos, ao longo do ano, que me guardem frascos que não usem para pôr os doces. Pois desde essa reportagem a quantidade de frascos que me têm chegado às mãos é quase industrial… Acho que este ano não terei de gastar dinheiro no Bazar da Marinha Grande. Adoro vê-los todos alinhadinhos à espera de serem enchidos. E em breve sei que estarão! O que me dará um prazer imenso!

Está a chegar a época dos morangos, das cerejas, do melão e da meloa, dos alperces, hummmmm. Já sinto no ar o cheiro a compotas!

Enquanto essas frutas não chegam, aproveitei as férias para fazer doce de abóbora. Não é dos meus doces preferidos, mas confesso que adoro a química perfeita com queijo fresco ou requeijão de cabra. E claro está, estando de férias em Milfontes, não pude deixar de dar um salto a Odemira para poder comprar diretamente ao produtor – A Queijaria do Mira, que também já tive oportunidade de referir AQUI.

________________________

Doce de abóbora e cenoura aromatizado


Ingredientes:

- 1,5 kg de abóbora

- 140 gr de cenoura cozida al dente

- 1,3 kg de açúcar

- 75 gr de sumo de tangerina

- 3 anis estrelados

- 1 pau de canela


Preparação:

Corte a cenoura cozida em cubinhos pequenos. Esta cenoura deve ser previamente cozida só o tempo suficiente para ficar cozida, mas rija.

Corte a abóbora em cubinhos do mesmo tamanho. Demora um pouco, mas o resultado final vale a pena.

Coloque tudo numa panela larga. Adicione o sumo de tangerina, o açúcar, o anis e a canela. Leve a lume brando cerca de 1 hora e 15 minutos. O tempo é referencial já que está dependente do ponto que se quer. Eu gosto de doces mais ‘aguados’, há quem goste mais deles ‘secos’. Mas para saber se tem o ponto certo basta colocar um pouco de doce num pires e deixá-lo arrefecer cerca de 10 a 15 segundos. Depois comece a rodá-lo. Se o doce prender, está pronto. Se rodar muito é porque precisa de um pouco mais de tempo ao lume.


Nota: Este doce é delicioso servido com requeijão/queijo fresco de cabra, hummmmmm.

_______________________

 

Comentários

  1. Que maravilha! Adorei mesmo :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pela presença na TV!
    Ficou perfeito esse docinho!

    Beijinhos e bom fim de semana;

    Aurea Sá

    ResponderEliminar
  3. Oh minha coisa linda, e onde está o link desse programa???? Tu ja sabes que eu por aqui nao vejo, mas gostava de ver!!! Depois dizes-me??
    Bem quanto à sobremesa.... Nem te digo nem te conto!! Simplesmente ADORO requeijao com doce de abóbora!! Se como num restaurante o primeiro que vejo, é se têm como sobremesa tamanha delicatessen!!!
    Isto é muita maldade aqui com a emigrante!! Agora vou sonhar com isto!!
    :)))
    Bom fim de semana!
    Beijinhos no sitio do costume!!!

    ResponderEliminar
  4. Que cor bonita tem esse doce, uma maravilha!

    ResponderEliminar
  5. Que doce tão apetitoso :D Por acaso eu adoro doce de abóbora, e este ficou-me debaixo de olho :D

    Beijinhos e tem um óptimo fim-de-semana! :D

    ResponderEliminar
  6. Não sei se vais ter 3 comentários meus iguais mas não estou a perceber porque é que isto não publica... devo estar com problemas na internet...

    Dizia eu no meu comentário que adoro doce de abobora com requeijão... :)
    Também dizia que já fiz a salada e publiquei... vai lá ver
    http://masterchefdealgibeira.blogspot.pt/2013/04/uma-receita-um-livro-uma-feira-e-uma.html

    Continuação de boas férias.
    bjs

    ResponderEliminar
  7. Adoro doce de abobora! Com cenoura nunca experimentei, mas qualquer dia faço!
    bjs

    ResponderEliminar
  8. Eu também junto todos os frascos vazios para doces e chutneys e adoro este teu doce de abóbora e com cenoura, deve ter ficado excepcional!!
    Beijinhos grandes e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderEliminar
  9. Eu também junto todos :)
    Esse doce ficou bem apetitoso ... :))
    Beijinho doce !

    ResponderEliminar
  10. Olá, tenho certeza de que você é uma ótima doceira, e o pouco de que eu vi já percebi que tem em mãos um futuro pela frente no ramo, bola para frente!

    Beijos
    Felipe
    http://www.mundogastronomic.com.br

    ResponderEliminar
  11. Olá minha querida, as minhas desculpas por não conseguir vir cá antes. Tenho visto as tuas publicações mas o tempo para depois comentar é reduzido. Espero que compreendas. Adorei saber que ganhaste o passatempo da Laranjinha e que tiveste talvez um dos melhores dias da tua vida como blogger :)
    mas esta receita eu não podia deixar passar pois ao contrário de ti, adoro compota de abóbora!! Sou capaz de comer às colheradas :) manda-me um bocadinho do teu!

    beijinhos e bom domingo

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…