Avançar para o conteúdo principal

Um risotto daqui...

No meu ultimo post falei em inspirações. Mas esqueci-me de referir uma outra fonte de inspiração - as bancadas das praças ou, em falta destas, as prateleiras dos supermercados. Há quem goste de comprar roupa, sapatos ou malas, eu gosto de comprar comida!!! E processá-la!

Adoro utilizar os legumes e frutas da estação, quando estão no seu ponto ótimo. Nesta altura começam a aparecer os primeiros morangos e as primeiras favas. E por menos que aprecie favas, é impossível olhar para elas, bem tenras, e não trazer.

Para mim, favas só em sopa com um enorme molho de coentros à mistura. Achava eu! Pois bem, as que trouxe comigo desta vez fizeram delicias cá por casa, até mesmo dos sépticos como eu. Para além da tradicional sopa, fizeram parte de uma salada e tiveram o papel principal na receita que vos trago hoje: um delicioso risotto primaveril, não estivesse por aí a Primavera a rebentar.

_______________________________

Risotto Primavera com favas e camarão

[serve 3 pessoas]


Ingredientes:

- 12 camarões.

- 50 gr de espinafres

- 2 colheres de sopa de manteiga

- 125 gr de favas cozidas

- 15 folhas de hortelã menta

- 3 hastes de coentros

- 4 colheres de sopa de queijo mascarpone (em alternativa pode utilizar natas ou natas de soja)

- 1 cebola pequena

- 2 dentes de alho

- 75 ml de um bom vinho branco

- 250 gr de arroz para risotto Oriente Rice

- 900 ml de água

- 75 gr de queijo parmesão ralado

- sal e alho em pó qb


Preparação:

Descasque o camarão e com a ponta de uma faca, abra um rasgo nas costas e elimine a tripa. Tempere com um pouco de sal e alho em pó e salteie numa frigideira anti-aderente até que esteja cozinhado (o suficiente para ficarem riginhos, mas deixarem de ser translúcidos). Retire e reserve.

Coloque na frigideira uma colher de sopa de manteiga e salteie os espinafres, os coentros, a hortelã e 50 gr de favas. Quando as ervas tiverem murchado, junte o mascarpone e reduza a puré com uma varinha magica ou outro robot de cozinha (na Bimby programei 15 segundos, velocidade 5). Retire e reserve.

Na frigideira coloque a restante manteiga, a cebola e o alho bem picados. Aloure ligeiramente e junte o arroz arbóreo. Deixe cozinhar uns 2 minutinhos e junte o vinho. Vá juntando a água quente, 100 ml de cada vez e juntando apenas, quando a anterior porção evaporar.

Assim que coloca o vinho conte 20 minutos. A meio do tempo junte as restantes favas e findo o tempo junte o pure reservado e o queijo parmesão ralado. Guarde algum para empratar. Adicione o camarão reservado e polvilhe com parmesão ralado.

____________________________

 

Comentários

  1. Eu sou igual! :D

    Compro em primeiro lugar comida do que roupa...:)

    Têm muito bom aspecto o risotto!*

    ResponderEliminar
  2. Ficou com um aspecto delicioso, adorei a apresentação

    ResponderEliminar
  3. Entao eu tb me junto ao club... gosto mais de comprar comida... alias eu perco me nas prateleiras dos super... sap a minha perdiçao

    O teu risotto esta uma delicia

    Beijocas

    Margarida

    ResponderEliminar
  4. belíssimo risotto.. eu também perco muito tempo em frente às bancadas de legumes na praça ou no supermercado, parece que ando a ver as montras.
    ainda bem que não sou a única neste mundo! eh eh eh

    ResponderEliminar
  5. Fantástico! Também adoro ir ao mercado, sempre que posso. :-)

    ResponderEliminar
  6. Padeço do mesmo que tu...Comida enche o olho e a barriga, a roupa fica em segundo lugar!
    Adorei este arroz e mesmo não sendo louca por favas acho que comia e repetia!
    Bjoka
    RIta

    ResponderEliminar
  7. Não gosto de favas, mas nunca experimentei a comê-las em puré, ou algo assim do género!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filipa experimenta com ervilhas! Fica maravilhoso!

      Eliminar
  8. Adoro risotto! O teu tem um aspecto fantástici!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. :D até a mim me deu vontade de provar!!!
    Sabes que eu sou igual!! Adoro ver as prateleiras dos legumes, todos arranjadinhos, das frutas... o peixe :) Verdade! Dá vontade de trazer tudo e vir para casa preparar refeições :))
    Beijinhos grandes :)

    ResponderEliminar
  10. Provaria bem um pratinho desses, está tão lindo
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Hum!... que risotto maravilhoso! Ficou mesmo com bom aspecto!
    Bjs

    ResponderEliminar
  12. Querida,

    Eu gosto de comprar botas e malas e roupa e sapatos de salto alto, fininho, daqueles que quando me ponho em cima deles me estatelo logo no chão depois de entortá-los todos... lol

    Mas também gosto de comprar comida, ingredientes suculentos, com aromas que inalamos e sem mais pensar compramos... sim, também gosto ! :)
    E livros de culinária também... :))

    E também provaria o teu fantástico risotto e também não aprecio favas, a não ser em sopa com coentros, tal como tu !
    Vês ?
    Mas olha, eu provaria o teu risotto sim, porque me convenceste ao ler-te e ao ver as fotos ! :)

    Beijinhos grandes

    Isabel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aí Isabel... Parece que quanto mais falamos, mais semelhanças encontramos :-). Parece que a única diferença é mesmo na roupa, malas e sapatos... Talvez porque nunca encontre nada que goste para vestir, talvez porque calce o 40, talvez porque para mim uma mala é tipo um repositório onde tudo pode ser encontrado... Talvez por isso entre em depressão sempre que tenha de comprar sapatos (juro!) ou faça uma festa quando encontro algo que gosto para vestir... :-)
      Gostava de ter maior prazer nessas coisas, ser mais melhor, mas simplesmente nao consigo... :-)

      Eliminar
    2. Eh eh eh... tonta...
      Não estarás e exigir demais de Ti própria ?
      Ou talvez estejas a procurar em locais que vendem somente para "Barbies" ? :))

      Beijinhos,

      Isabel

      Eliminar
    3. Acredita minha linda que sempre fui assim... Sempre vesti o 36, depois da Joana 38/40... Mas nao gosto, simplesmente nao gosto...

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…