Avançar para o conteúdo principal

Um bolo que virou bolachas

Hoje foi dia de passear... A minha pipoca queria andar de eléctrico e lá lhe fizemos a vontade. Delirou! Com a inocência e alegria que só uma criança de 3 anos consegue ter nos olhos!

Aos adultos soube bem passear, ver Lisboa junto ao rio, sem pressa, apesar do frio entorpecedor.

De volta a casa, fez-se o jantar e adiantou-se o almoço de domingo. E houve ainda tempo para fazer um miminho há muito pedido pela minha pipoca - umas bolachinhas.

A inspiração veio da embalagem de preparado para 'Bolo de Laranja' recebido da Espiga. Apeteceu-me fazer um uso diferente daquele para que foi criado... E o resultado final só mostra a versatilidade que os produtos Espiga têm e a razão porque continua a merecer hoje e sempre a minha confiança.

Depois de aprovadas e mais que aprovadas pela minha Joaninha, poucas ou nenhumas restavam para as fotos... Penso que será um excelente sinal!

_____________________

Bolachas de laranja e coco com sementes de papoila

[fez cerca de 70 bolachas]


Ingredientes:

- 1 embalagem de preparado para 'Bolo de Laranja' Branca de Neve

- 2 ovos L

- 65 gr de coco ralado

- 100 gr de manteiga

- 10 gr de sementes de papoila


Preparação:

Coloque a manteiga, à temperatura ambiente, no copo da Bimby, junto com os ovos e programe 2 minutos, velocidade 4.

Junte o coco, as sementes e o preparado para bolo e programe 3 minutos, velocidade Espiga.

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque num tabuleiro de forno um tapete de silicone e com o auxilio de uma colher de chá, coloque colheradas de massa. Uma colher de chá por cada bolacha.

Não precisa de ajeitar a massa porque com o calor vai achatar. Deixe algum espaço entre bolachas.

Leve ao forno cerca de 9 minutos cada fornada. Findo o tempo. Coloque as bolachas a secar em cima de uma rede. Quando as tirar do forno, com uma espátula, poderá parecer que estão muito moles, mas assim que arrefecerem vão ficar no ponto.


Alternativa de Preparação:

Bata a manteiga (à temperatura ambiente) com os ovos até ter uma mistura homogénea.

Junte o coco, as sementes e o preparado para bolo e misture bem. Vai obter uma massa húmida, mas grossa.

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque num tabuleiro de forno um tapete de silicone e com o auxilio de uma colher de chá, coloque colheradas de massa. Uma colher de chá por cada bolacha.

Não precisa de ajeitar a massa porque com o calor vai achatar. Deixe algum espaço entre bolachas.

Leve ao forno cerca de 9 minutos cada fornada. Findo o tempo. Coloque as bolachas a secar em cima de uma rede. Quando as tirar do forno, com uma espátula, poderá parecer que estão muito moles, mas assim que arrefecerem vão ficar no ponto.

_______________________

 

Comentários

  1. Sabe sempre tão bem um passeio em família e é tão bonito andar de eléctrico. Eu adoro andar de eléctrico em Lisboa.
    As bolachinhas estão lindas e devem estar uma delícia!!
    Beijinhos grandes,
    Lia.

    ResponderEliminar
  2. Também gostamos muito de andar de eléctrico ! De vez em quando fazemos o mesmo :)
    Essas bolachinhas ficaram super apetecíveis ;)
    Beijinhos doces e bom fim de semana:)

    ResponderEliminar
  3. Olá...
    Que belo aspecto :).... Nham Nham :).... Hoje foi a 1ª vez que vim aqui ao teu cantinho e adorei ;).... Bjokas...

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Belas bolachinhas, pintalgadas de papoila. Uma versão deliciosa.
    Bjns e bom domingo
    Isabel

    ResponderEliminar
  5. Belas bolachinhas pintalgadas de papoila, ficaram delicadas
    Bjns e bom domingo
    Isabel

    ResponderEliminar
  6. Ficaram um show!!! Os produtos Branca de Neve são mesmo óptimos e versáteis,mas a tua ideia também foi excelente.
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  7. Olá!

    Que óptimo aspecto, um dia faço, posso levar-te a receita? Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Olá!
    Gosto das tuas sugestões. Por isso este blogue está na minha lista de blogues para o selo da campanha incentivo à leitura.
    Dá uma espreitadela em http://cookingbooksblog.blogspot.pt/!
    Beijinhos e bom Domingo!

    ResponderEliminar
  9. Ficaram mesmo lindas, e feitas com esse preparado só podem ter ficado uma maravilha.
    bjs

    ResponderEliminar
  10. Adorei as bolachas!!! Ficaram mesmo bonitas. Tambem adoro andar de electrico :-) acho imensamente nostalgico...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Ficaram lindas, é uma excelente sugestão!
    Adorei o seu blog, já sou sua seguidora.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  12. Sonia querida,

    Adoro andar de eléctrico, há dois anos atrás (no meu aniversário) o meu dia foi passado em parte a andar no 28, viagem que adoro fazer embroa me traga alguma nostalgia...
    Lisboa, a minha Senhora quinhentista, é digna de se ver pelas janelinhas desajeitadas dos imponentes eléctricos... não me admiro pois que a tua filhotinha tenha querido ter essa experiência... para eles é uma perfeita alegria ! :)

    E as bolachinhas ficaram um encanto, às pintinhas, a fazer brilhar os olhinhos da pipoquinha decerto ! :)
    E acabaste de me dar uma bela idéia de utilização para esse preparado que também recebi da Espiga !

    Beijinho grande querida ! :)

    Isabel

    ResponderEliminar
  13. Oh pá, Sónia, assim nao vale!! Agora nem que queira experimentar nao posso!! Onde é que eu descubro este preparado na minha Sibéria?? Já estou a ver que da proxima que for a Portugal, as minhas malas vão vir carregadas destes bens de primeira necessidade!!!
    Estas sao optimas para encher a minha lata!
    Um beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…