Avançar para o conteúdo principal

Sabor a... África!

Adoro comida africana… Talvez o ADN tenha uma enorme influência naquilo que somos e talvez pelo facto de os meus pais e avós terem estado grande parte das suas vidas em Angola, tenha sido determinante nos meus gostos. E a minha paixão por Moamba deve ter a sua origem nas minhas raízes familiares. Só pode!

A primeira vez que provei foi no restaurante Moamba em Alcântara, para mim uma referência deste prato. Um restaurante muito simples, de dimensões reduzidas, mas cuja mão da cozinheira faz todos os clientes voltarem, mesmo em tempos de crise. Quase como uma romaria que rapidamente enche as salas exíguas todos os sábados a partir do meio-dia.

Claro está que sem grandes pretensiosismo fui tentando fazer em casa… As primeiras vezes não correram grande coisa, mas os paladares foram sendo aprimorados e a receita que hoje se faz cá por casa é uma mistura de experiências bem sucedidas e algumas dicas dadas por um amigo – o Paulo L. Ainda hoje me lembro da Moamba que comi na tua casa amigo!

Dizem as regras que é para comer com funge ou pirão (farinha de trigo ou mandioca). Cá por casa acompanhamos com arroz branco. Não que não goste, mas porque tive de ocidentalizar um pouco para agradar a gregos e troianos (leia-se ‘os restantes que se sentam à mesa lá por casa’).

________________________________

Moamba de Galinha

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:

- 1 frango do campo (cortado para estufar sem pele)

- 300 gr de quiabos

- 200 gr de courgete

- 300 gr de beringela

- 300 gr de abóbora

- 1 cebola média

- 2 dentes de alho

- 300 gr de tomate

- 1 cerveja

- 1 colher de sopa de óleo de palma

- 1 colher de sopa de óleo (usei de amendoim)

- 1 malagueta seca

- 100 ml de água

- sal qb


Preparação:

Corte as pontas aos quiabos e coloque de molho em água até perder a baba característica (cerca de duas horas).

Faça um refogado com a cebola e os alhos picadinhos, o óleo de amendoim e a malagueta. Junte o tomate picadinho e deixe apurar uns 5 minutos.

Junte o frango, a cerveja e a água e deixe estufar lentamente cerca de 15 minutos.

Adicione o óleo de palma, os legumes cortados em cubos (não muito pequenos para não desfazer) e os quiabos. Tempere de sal e deixe cozinhar até o frango e os legumes estarem tenros e o molho apurar.

_________________________________

 

Comentários

  1. Nunca provei comida com quiabo ... Mas dá-me imensa vontade ! Tenho ideia , possivelmente errada, que vai ficar muito picante....
    A tua moamba ficou de babar mesmo ... Que aspecto delícioso! A próxima vez que fizeres pões um pratinho a mais para mim??? :))

    Beijinho bem doce amiga :)

    ResponderEliminar
  2. Querida amiga, os quiabos são da familia das malvas (?? Diz a Wikipédia :-)). Seja como for, é so para te dizer que é um legume, não picante! Tem um sabor muito idêntico talvez ao da courgete, se tivesse de arranjar algo com que seja parecido. O meu marido adora! Também não conhecia. Mas seja como for, apesar de ser de origem africana, não é picante! Beijocas e experimenta! Vais adorar. Fica tipo jardineira, já que tem a carne e os legumes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente ... Bem me enganou !!! ( aqui para nós ... a sra. do mercado tb já me tinha dito ...:P ) vou experimentar!!! à pois vou !!! Sou menina para isso !!! :D

      Beijinhos grandes !

      Eliminar
  3. Que prato apetitoso!
    beijinhos,
    Addicted
    http://cookaddiction.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Uma refeição de aspecto bem reconfortante!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…