Avançar para o conteúdo principal

Medronhos

Um dia destes tive uma surpresa aqui no trabalho... Às vezes as redes sociais têm destas coisas... Uma colega de trabalho, que nem sabia que visitava o meu blog, trouxe-me uma caixa de medronhos. O desafio era fazer algo com eles que não fosse licor ou doce. E como sabe que gosto de desafios, resolveu-me trazer uma caixinha para ver onde me levava a minha imaginação.

Pois as 500 gr de medronhos deram para um fim-de-semana e pêras de coisas boas no forno! Parecia uma criança a brincar com um brinquedo novo!

Na 2ª feira seguinte fiz questão de levar uma parte das minhas invenções para a Isabel P. provar. A outra parte levei para partilhar com a equipa de trabalho do meu marido, que já esta habituada a ser cobaia :-).

As criticas foram variadas, mas boas! Uns gostaram mais da tarte, outros da pavlova, mas sem dúvida que todos me deram os parabéns pela inovação. Eu gostei mais da pavlova e por isso escolhi para ser a primeira receita a publicar... Se fizerem, digam-me de vossa justiça!

Obrigado Isabel uma vez mais! Adorei!

________________________________

Pavlova de medronhos e romã


Ingredientes:

Para a pavlova:

- 8 claras (usei congeladas)

- 50 gr de avelãs

- 500 gr de açúcar (use em pó se fizer a alternativa de preparação)

- 2 colheres de chá de maizena

- 2 colheres de sopa de água de flor de laranjeira

- 1 colher de sopa de vinagre de vinho branco


Para o doce:

- 250 gr de medronhos

- 75 gr de açúcar mascavado (usei aromatizado com alfazema)

- 50 gr de mel multifloral*

- 100 gr de bagos de romã

* Mel de Portugal

 

Preparação:

Pré-aqueça o forno a 150º.

Comece por colocar as avelãs numa frigideira anti-aderente uns 2 minutinhos até que a pele saia facilmente. Coloque no copo da Bimby 30 gr e programe 5 segundos, velocidade 7. Retire e reserve.

Coloque o açúcar no copo e programe 15 segundos, velocidade 9. Retire e reserve.

Coloque as claras no copo da Bimby e dê alguns golpes de turbo até que as claras fiquem desfeitas (pode saltar este passo se utilizar claras não congeladas). Aplique a borboleta e programe 8 minutos, velocidade 3.

A meio do tempo vá juntando lentamente colheradas do açúcar reservado. No ultimo minuto, adicione as avelãs moídas e a água flor de laranjeira.

Em duas tarteiras de fundo amovível coloque uma folha de papel vegetal e distribua cerca de metade deste merengue por cada uma delas.

Reduza o forno para 120º e coza por 1 hora e 30 minutos (a meio do tempo troquei a posição das tarteiras no forno).

Deixe arrefecer totalmente dentro do forno.

Entretanto prepare o doce. Coloque todos os ingredientes num tacho e deixe ferver. Assim que comece a ferver conte cerca de 5 minutos em lume brando e desligue.

Depois de frio monte a pavlova. Cuidadosamente retire o papel vegetal e coloque uma base num prato de servir. Coloque 1/3 do doce e sobreponha a segunda base. Distribua o restante doce por cima. Distribua as restantes 20 gr de avelãs sem pele moídas grosseiramente por cima.

Alternativa de Preparação:

Pré-aqueça o forno a 150º.

Comece por colocar as avelãs numa frigideira anti-aderente uns 2 minutinhos até que a pele saia facilmente. Moa 30 gr com auxilio a um robot de cozinha ou esmagando num almofariz até reduzir a pó. Reserve.

Se utilizar claras congeladas, deixe descongelar à temperatura ambiente. Bata até formar picos fortes. Vá juntando lentamente colheradas de açúcar em pó. Adicione as avelãs moídas e a água flor de laranjeira mexendo com uma espátula para não perder o ar.

Em duas tarteiras de fundo amovível coloque uma folha de papel vegetal e distribua cerca de metade deste merengue por cada uma delas.

Reduza o forno para 120º e coza por 1 hora e 30 minutos (a meio do tempo troquei a posição das tarteiras no forno).

Deixe arrefecer totalmente dentro do forno.

Entretanto prepare o doce. Coloque todos os ingredientes num tacho e deixe ferver. Assim que comece a ferver conte cerca de 5 minutos em lume brando e desligue.

Depois de frio monte a pavlova. Cuidadosamente retire o papel vegetal e coloque uma base num prato de servir. Coloque 1/3 do doce e sobreponha a segunda base. Distribua o restante doce por cima. Distribua as restantes 20 gr de avelãs sem pele moídas grosseiramente por cima.

Nota: ainda que pareça algo complicado é realmente um doce muito simples, apesar de moroso pelo tempo que demora no forno e pelo processo de arrefecimento. É uma excelente receita para aproveitar claras.

_____________________________

 

Comentários

  1. Eu gostei da sugestão e fiquei com vontade de experimentar :) Beijocas

    ResponderEliminar
  2. Que bela sugestão, normalmente só de fala em aguardente e este fruto anda mal aproveitado. Vi pela net que em bolo também é bom, bjks e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. O que eu adoro medronhos! Faz-me lembrar a minha infância. ìa com os meus irmãos apanhar medronhos. Comia tantos!
    São uma delicia!
    Adorei a Pavlova! Ficou linda.

    Beijinhos

    Aurea Sá

    ResponderEliminar
  4. Não conhecia medronhos e fiquei curiosa!
    Adoro pavlova e a tua receita ficou com um aspecto delicioso:)
    Bjim
    Léia

    ResponderEliminar
  5. Hum... esperta essa tua colega hehe

    A pavlova ficou lindíssima parabéns!!

    ResponderEliminar
  6. Bom dia. Muito bom o seu blog. Podia-me dizer como se faz o licor de medronho? ja vi receitas muito diferentes. obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peco desculpa pela demora na resposta, mas reunir informação que respondesse a todas as perguntas que me têm feito sobre licores, demorou um pouco mais do que julgava. Pode encontrar na publicação de hoje a informação que pretende relativamente ao licor de medronho em especifico e em relação aos licores genericamente falando. Espero ajudar!

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…