Avançar para o conteúdo principal

Say Cheeeese... Cheesecake!

Com a abertura oficial da época das amoras, resolvi fazer uma sobremesa bem fresca com as que escaparam ao doce - um Cheesecake.

Não é a sobremesa mais original do mundo, tenho de dar a mão à palmatória, mas ao fazê-la com alguns dos produtos que trouxe de Odemira, fez toda a diferença... Sem duvida que a qualidade do produto de base influencia e muito o resultado final de um prato.

Na mesma semana fiz três cheesecakes: dois de amoras e um de maracujá. Os de amora, um foi feito com requeijão de cabra da Queijaria do Mira e o outro com queijo fresco de compra... A diferença foi abismal... Quem me dera ter este requeijão mais à mão...

Deixo-vos a receita. Espero que gostem.

____________________________________

Cheesecake de Amoras Silvestres


Ingredientes:

- 250 gr de açúcar

- 350 gr de bolachas digestivas (ou Maria)

- 100 gr de manteiga sem sal

- 400 gr de natas frescas

- 400 gr de queijo fresco (ou 250 gr de requeijão de cabra)

- 10 folhas de gelatina

- 300 gr de amoras


Preparação:

Coloque o açúcar no copo da Bimby e pulverize 15 segundos, velocidade 9. Retire e reserve.

Coloque as bolachas e programe 10 segundos, velocidade 4 (se utilizar bolacha Maria tem de processar um pouco mais de tempo). Adicione a manteiga e programe 20 segundos, velocidade 6.

Forre uma forma de fundo amovível (utilize as costas de uma colher de sopa para facilitar a tarefa) e coloque no congelador.

Limpe bem o copo e coloque a borboleta. Junte as natas e bata cerca de 2 minutos, velocidade 3 e 1/2 (este tempo é variável dependendo das natas que utilizar e tenha atenção para que não passem a manteiga). Adicione 75 gr de açúcar e bata 15 segundos, velocidade 3 e 1/2. Reserve.

Coloque no copo o queijo e 75 gr de açúcar e bata 20 segundos, velocidade 4. À parte, demolhe 8 folhas de gelatina em água fria cerca de 1 minuto. Numa tigela, coloque duas colheres de sopa de água e junte as folhas e leve ao micro-ondas até estarem bem derretidas (deve demorar cerca de 15/20 segundos).

Com a Bimby a trabalhar na velocidade 4, adicione ao queijo a gelatina dissolvida e deixe nesta velocidade 30 segundos. Com uma espátula e movimentos de baixo para cima, misture as natas com o queijo. Coloque esta mistura por cima da base de bolacha.

Prepare a cobertura de amoras: coloque no copo da Bimby (lavado) as amoras, o resto do açúcar e as duas folhas de gelatina que sobram (não precisa demolhar porque vai derreter com a temperatura) e programe 10 minutos, 100º, velocidade 1. Findo o tempo, deixe arrefecer. Depois de frio coloque por cima do queijo. Deixe no frio até solidificar (deve demorar cerca de 4 horas). Aconselho, no entanto, a manter uns minutos no congelador antes de servir para ser mais fácil de cortar.

Alternativa de Preparação:

Esmague as bolachas num almofariz ou com recurso a um robot de cozinha. Adicione a manteiga (ligeiramente derretida) e forme uma massa bem ligada.

Forre uma forma de fundo amovível (utilize as costas de uma colher de sopa para facilitar a tarefa) e coloque no congelador.

Bata as natas em chantilly com 75 gr de açúcar. Reserve.

Desfaça bem o queijo e junte com 75 gr de açúcar. Bata com uma batedeira (pode usar uma vara de arames apenas) até formar uma mistura homogénea. À parte, demolhe 8 folhas de gelatina em água fria cerca de 1 minuto. Numa tigela, coloque duas colheres de sopa de água e junte as folhas e leve ao micro-ondas até estarem bem derretidas (deve demorar cerca de 15/20 segundos).

Com a batedeira ligada (pode usar uma vara de arame), adicione ao queijo a gelatina dissolvida até que se misture bem. Com uma espátula e movimentos de baixo para cima, misture as natas com o queijo. Coloque esta mistura por cima da base de bolacha.

Prepare a cobertura de amoras: coloque num tacho as amoras, o resto do açúcar e as duas folhas de gelatina que sobram (não precisa demolhar porque vai derreter com a temperatura) e deixe ferver cerca de 5 minutos (vai fazer um doce com um ponto mais fraco, mas que irá engrossar no frio pelo efeito da gelatina). Depois de frio coloque por cima do queijo. Deixe no frio até solidificar (deve demorar cerca de 4 horas). Aconselho, no entanto, a manter uns minutos no congelador antes de servir para ser mais fácil de cortar.


Nota: o Cheesecake de maracujá fi-lo da mesma forma. Para a cobertura fiz uma redução: juntei 1 lata de concentrado de maracujá, com 200 ml de água e 100 ml de açúcar. Na Bimby desfiz tudo 10 segundos na velocidade 6 (porque não gosto de sentir as grainhas). E depois programei 25 minutos, varoma, velocidade 2. Sem Bimby, leve ao lume todos os ingredientes e deixo reduzir até ter uma consistência de xarope. No final, em ambas as versões, juntei duas folhas de gelatina e mexi bem (devido a temperatura elevada, escusa e demolhar porque vão dissolver sem problema). Depois de frio, deite por cima do Cheesecake e deixe solidificar bem antes de servir.

______________________________

Receita inspirada no livro da Bimby 'O melhor das nossas famílias'.

______________________________


Comentários

  1. Ficou fantástico :)
    Acho que foi uma óptima forma de "abrir" a época das amoras :)
    Essa fatia... uma maravilha!

    ResponderEliminar
  2. Que aspecto magnífico e convidativo!!
    Beijinhos grandes e boa semana,
    Lia.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…