Avançar para o conteúdo principal

Uma pausa

Há alguns sítios que têm o condão de nos fazer sentir em casa. Este ano, pelo aniversario do Mário, descobri a Quinta do Chocalhinho em Odemira. Na altura, inclusive, publiquei um texto sobre o espaço e as inspirações que me trouxe, texto que podem reler AQUI. Desde então, já lá fui mais duas vezes e confesso que não me canso... É lá que me sinto em casa. Representa tudo aquilo que me transmite paz e o estilo de vida que um dia desejava ter...
Aparentemente Odemira não teria muito para nos oferecer... Mas sempre que lá vou, trago a bagagem cheia e não apenas de recordações... Inexplicavelmente, uma argentina abriu uma fábrica (que também é loja) de chocolate artesanal - Chocolates de Beatriz. Devo confessar-vos que sou fã... E não há uma vez que não vá lá e não traga algumas caixinhas com a variedade de oferta que têm... Que é grande e cada chocolate mais fabuloso que o outro...

E agora um Italiano abriu uma loja de queijo artesanal... Uma queijaria gourmet em Odemira? Quem diria... Mas a verdade é que o queijo é mesmo incrivelmente bom e ainda deu para fazer umas iguarias únicas aqui por casa... Já soube que ele 'exporta' para Lisboa, para a mercearia ideal e delidelux, pelo menos. E, pelo que sei, restaurantes como Assinatura ou Pedro e o Lobo já utilizam esta maravilha nas suas inspirações... Não é incrível? Eu achei...
Para marcar a diferença, há ainda a queijaria tradicional - Queijaria do Mira - onde encomendo sempre leite e requeijão de cabra e queijos de ovelha e de cabra e que é, felizmente, a prova viva de que há muitas coisas boas no nosso país. Não há palavras... A senhora até já se ofereceu para me enviar para Lisboa! São magníficos... Mas infelizmente é a excepção à regra.
Tudo isto para dizer que ao ver estes exemplos sinto-me triste... Claro que estamos a falar de uma cidade interior, com população envelhecida, no meio do Alentejo, mas não consigo entender como os poucos a investir na diversidade são estrangeiros... Será apenas uma questão de não termos iniciativa? Será apenas a questão de não termos dinheiro para o investimento inicial? O que explica este fenómeno? Se os estrangeiros vêem nichos de mercado no meio desta crise, será que os nativos não? Será preferível combatermos a desertificação cruzando os braços, desisitindo ou emigrando?
Confesso que não tenho resposta para estas questões... Sei que vou voltar mais uma e outra vez a Odemira e de cada vez que voltar a casa vou trazer tudo o que posso na bagagem... Coisas diferentes que nos fazem sentir pequeninos. Porque vivemos em Lisboa, capital do país, onde achamos que temos tudo, mas na verdade a simplicidade destes locais mostram-nos que nos falta tudo o que é essencial - paz e tempo para viver.
Um bem haja à Dona Margarida e ao Sr. Luís por terem tido coragem para se fixar em Odemira e criarem o espaço maravilhoso que é a Quinta do Chocalhinho e nos terem feito apaixonar por esta região. Um grande obrigado à senhora da Queijaria do Mira que tem um sorriso tão aberto e uma disponibilidade sempre tão grande!
Partilho convosco a simplicidade da refeição que fizemos com alguns dos produtos que trouxemos... O doce de amoras foi feito com muito amor por mim no dia em que chegamos... Com amoras apanhadas na Quinta do Chocalhinho. As melhores que já comi.

_________________________________

Tábua de queijos com oregãos e doce de amora


Ingredientes:

- queijo de cabra qb

- doce de amora qb

- oregãos qb

- tostas com sésamo para acompanhar


Preparação:

Disponha os queijos na tábua e coloque um recipiente à parte com oregãos e outro com doce de amora. Acompanhe com tostas com sésamo. Salpique o queijo com oregãos ou então com doce de amora.

________________________________

As fotos do texto inicial foram encontradas através de uma pesquisa no Google. As da comida são propriedade do blog.

________________________________



 

Comentários

  1. Fiquei com uma enorme vontade de conhecer !
    Beijinho doce :)

    ResponderEliminar
  2. Olá
    Adorei a ideia de combinar o queijo com o doce de amora

    Beijinhos,
    Marisa
    http://sweetmykitchen.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…