Avançar para o conteúdo principal

Olé!

O jantar de um dia destes foi, para mim, um verdadeiro festim. Carapaus assados com molho à espanhola. É de uma simplicidade confrangedora e um daqueles pratos que nem devia constar de um blog de culinária J. Mas é um dos meus pratos preferidos e a verdade é que sugestões para variar as refeições diárias são sempre bem vindas!
Este nunca foi um prato que se fizesse na casa dos meus pais. Por lá comia-se muito à base de estufados, guisados e afins… Cozidos e grelhados sujavam muito (?) e sempre se fugiu um pouco disso. Mas um dia provei em casa da minha avó e fiquei fã!
Estranho porque naqueles tempos não apreciava cebola crua, ou salsa, ou temperos como azeite e vinagre (no fundo, a base do molho à espanhola), mas aquela refeição soube-me pela vida!
É engraçado, a propósito do que escrevi, a forma como os nossos gostos vão mudando ao longo da vida… Ainda que me considere uma pessoa ‘esquisita’, porque não gosto de inúmeras coisas, a verdade é que desde que cozinho muita coisa mudou… Uma delas, o gosto recente pelas ervas aromáticas, das quais nem podia ouvir falar, muito menos no prato. Mas também os pimentos, os cogumelos, as cebolas e alhos que dizia não gostar quando vivia em casa dos meus pais. Sem dúvida que o nosso palato vai mudando, e ainda bem! E sem dúvida que o contacto com a execução das refeições também ajuda muito a desmistificar aquele sentimento de ‘não gosto disto’ sem nunca ter provado.
_______________________________________

Carapaus assados com molho à espanhola


Ingredientes:
- carapaus
- 1 cebola pequena
- pimentão-doce (usei ca. de 2 colheres de chá)
- azeite qb
- vinagre qb
- salsa qb
- sal e pimenta qb


Preparação:
Salgue os carapaus com sal grosso e grelhe (grelhei num grelhador de fogão, mas poderá ser num eléctrico, no grill do forno ou sobre brasas). [Os carapaus devem manter a tripa enquanto são grelhados, ainda que na casa dos meus avós fosse tirada e aprecie mais dessa forma.]
Enquanto os carapaus grelham, prepare o molho à espanhola. Pique bem a cebola e a salsa e num recipiente junte com azeite abundante e vinagre. Tempere de sal e pimenta e adicione o pimentão-doce. A quantidade de azeite e vinagre depende um pouco do gosto de cada um. Eu gosto apenas de um toque ligeiro a vinagre, mas há quem goste mais envinagrado. Vá adicionando e provando até ficar ao seu gosto.

Nota: servi os carapaus com batatas cozidas.
_______________________________________

Comentários

  1. Aiiii o quanto eu gosto de molhinho à espanhola nos carapaus... A minha avó faz tão bemmmm!!!

    O teu tem uma cor fantástica! Só pode ter ficado delicioso!
    Beijinho doce :))

    ResponderEliminar
  2. olá=)
    obrigada pela visita ao meu cantinho: http://entrecostosnaosediscutem.blogspot.pt/ e pelo simpático comentário. volta sempre que quiseres=) vim ver o teu e gostei muito das tuas receitinhas e das tuas fotografias=) continuação de bosn cozinhados

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…