Avançar para o conteúdo principal

Sublime...

Nos últimos tempos, penso que todos aprendemos a viver (n)uma nova realidade… A crise trouxe muitas coisas más, mas também ensinou-me o prazer de comer em casa uma refeição partilhada com a família e/ou amigos, o prazer de almoçar comida da marmita (em vez de me contentar com as refeições de má qualidade dos restaurantes que rodeiam o meu local de trabalho), o prazer de comer iogurtes, queijo fresco ou pão feitos por mim, enfim, uma enormidade de coisas a que nunca tinha dado valor, porque eram dados adquiridos…

Tornou-me também mais exigente no ‘onde gasto o meu dinheiro’, especialmente quando está em causa comer fora de casa. E a verdade é que muitos pensam como eu e os restaurante fecham um pouco por todo o lado e se não fecham, lutam contra a crise baixando a qualidade dos produtos ou servindo alguma comida menos fresca… Não está fácil para ninguém e acredito que o preço a pagar é cada vez mais elevado, para consumidores e serviços.

Por esta razão, quando como fora, prefiro pagar um pouco mais, mas garantir que vou ter prazer no que vou comer, ter a certeza de que a confecção é feita com os melhores produtos e não me vão servir comida retardada…

Há um restaurante, onde vou habitualmente, onde tenho essa garantia. Já lá vou desde que abriram e confesso que até hoje não conheço nenhum restaurante italiano que me encha as medidas da mesma forma. O ambiente é fantástico, a simpatia e atenção com a minha filhota não tem preço e a comida é Sublime, tal como o nome do restaurante! Está aberto 7 dias por semana e a qualidade do que é servido nunca é uma surpresa porque já me habituaram à melhor das qualidades.

A minha Joana, se passar na estrada que vai dar ao restaurante, mesmo que o destino não seja esse, começa logo a gritar ‘chicha com maxa’ [tradução: esparguete à bolonhesa]. É um restaurante onde vale a pena ir…

Lembrei-me do restaurante porque servem o melhor risotto que já comi até hoje – Risotto de camarão, açafrão e cogumelos… Tentei replicá-lo em casa, mas, apesar de estar divinal, não se compara ao que é servido no Sublime… Acho que tenho de lá ir em breve, já tenho saudades…

_____________________________________________

Risotto de camarão, cogumelos e açafrão

[serve 2]




Ingredientes:

- 1 colher de chá de açafrão

- 1 cebola pequena

- 1 dente de alho

- 100 ml de vinho branco de boa qualidade

- 250 gr de arroz arbóreo (próprio para risotto)

- 750 gr de água (quente)

- 15 camarões 80/100

- 300 gr de cogumelos (usei brancos)

- 6 colheres de chá de queijo parmesão ralado

- sal qb

- azeite qb (+ ou – 30 gr)

- rúcula (opcional!)




Preparação:

Coloque a cebola o alho e o azeite e programe 5 segundos, velocidade 5. Baixe os resíduos que ficarem agarrados ao copo, junte o açafrão e programe 5 minutos, varoma, velocidade 5.

Junte o vinho branco, a água e o arroz e programe 20 minutos, 100º, velocidade colher inversa.

A meio da cozedura junte os camarões descascados e os cogumelos e passe a espátula no fundo para não agarrar. Vá verificando se não será necessário mais líquido, já que a quantidade a utilizar é muito variável da qualidade do arroz utilizado e do gosto de cada um (se gostam do risotto mais ou menos molhadinho).

No fim do tempo incorpore o queijo parmesão ralado.

Sirva num prato fundo (para manter a temperatura) com rúcula.




Alternativa de preparação:

Pique a cebola e o alho bem fininhos. Coloque numa frigideira larga anti-aderente com um fio de azeite. Deixe refogar ligeiramente. Junte o açafrão e deixe libertar o aroma cerca de 1 minuto. Junte o arroz arbóreo e deixe absorver o azeite. Junte o vinho e deixe apurar.

Aqueça água. À medida que o risotto for bebendo líquido vá adicionando água. O risotto demora 20 minutos a cozinhar e à medida que for bebendo líquido vá juntando mais. Para um risotto soltinho não o mexa demasiado e sempre que o fizer deve fazê-lo com um garfo. A meio da cozedura junte o camarão descascado e os cogumelos. Continue a adicionar líquido (pode até ser uma quantidade superior ou inferior à que indico dependendo se gosta do risotto mais ou menos molhadinho ou mesmo da qualidade do arroz arbóreo). Tempere de sal.

Findo o tempo, já com o lume desligado, incorpore o queijo parmesão ralado. Sirva num prato fundo (para manter a temperatura) com rúcula.

_____________________________________________

Comentários

  1. Pode n ter ficado sublime... Mas ficou bem cremoso e certamente saboroso .
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. Cris ficou realmente muito saboroso... Mas não desisto! Vou continuar a tentar chegar à receita original! Isto é, será sublime :-)!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…