Avançar para o conteúdo principal

Salada sem folhas... Com massa!

Quando penso em comida de que gosto, a primeira coisa que me vem à cabeça são massas e a segunda pizzas... É mais forte do que eu... Um dia uns amigos aconselharam-me um restaurante - um rodízio de massas e pizzas! Uma espécie de templo, com uma qualidade e variedade fora do comum! Uma refeição perfeita para viciados em massas e pizzas como eu... Com o seu auge na sobremesa com a famosa pizza de chocolate, ou com a tão pedida pizza de banana e leite condensado, ou ainda,a minha preferida, de queijo catupiri com goiabada... Só de me lembrar fico com água na boca...

Nesse restaurante servia-se, em jeito de entrada, uma salada com massa - salada crocante. Apesar da sua simplicidade, era sem dúvida umas das minhas preferidas e por isso rapidamente reproduzi em casa e é hoje, muitas vezes, a refeição principal.

____________________________________________

Salada Crocante

[serve 3 pessoas]

Ingredientes:

- 200 gr de massa fusilli ou lacinhos

- 3 a 4 bifes de frango (ou sobras de frango assado)

- 100 gr de ervilhas congeladas

- 100 gr de milho congelado (ou uma lata pequena de milho)

- maionese de compra ou feita na Bimby

- um pacote pequeno de batata palha

- sal qb

- 2500 gr de água

- fio de azeite



Preparação:

Coloque os bifes de frango, temperados com um pouco de sal, na varoma e as ervilhas e o milho congelados no cesto da Bimby (se utilizar sobras de frango é só colocar o cesto com os vegetais). Coloque 1000 gr de água no copo com um pouco de sal, encaixe o cesto e coloque a varoma por cima. Programe 15 minutos, varoma, velocidade 1. Finalizado o tempo, deite a água fora, desfie o frango e deixe arrefecer as ervilhas e o milho (se fizer com milho de lata não precisa cozer).

Entretanto coza a massa. Coloque a restante água no copo com uma porção generosa de sal e um fio de azeite e programe 9 minutos, varoma, velocidade 1. Findo o tempo, coloque o cesto com a massa e programe 10 minutos, 100 graus, velocidade 2. Passe por água fria para parar a cozedura e ajudar a arrefecer.

Num tabuleiro disponha a massa, as ervilhas e o milho e o frango desfiado. Junte maionese a gosto e misture bem. Antes de servir coloque batata palha por cima, a gosto, e sirva.

Alternativa de preparação:

Num tacho coloque as ervilhas e o milho a cozer (se o milho for de lata não necessita cozer), bem como os bifes de frango (se fizer com sobras de frango não necessita cozer). Num outro tacho coza a massa com sal e um fio de azeite. Passe por água fria para parar a cozedura. Deixe arrefecer todos os ingredientes. Numa travessa misture todos os ingredientes cozidos com maionese, a gosto. Na hora de servir coloque batata palha por cima.

Nota: esta comida é ideal para levar para o trabalho, ou para um piquenique. A batata deve apenas ser adicionada antes de servir para não perder o crocante característico da salada.

 

____________________________________________

 

 

 

Comentários

  1. Experimentei e adorei! Se bem que é um desafio encontrar batata palha em Inglaterra, mas consegui! E é uma salada com um sabor tipicamente português, pelo menos aqui não há nada com um sabor semelhante (deve ser porque esta gente é doida por molhos e especiarias e gordura, esta receita para funcionar para este povo tinha de levar doses industriais de outras coisas, todas elas pouco saudáveis!) Gostei de ser simples de fazer, ter sabores simples e familiares e fantástico para restos (para os mais preguiçosos na cozinha). Um sucesso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que em Inglaterra não sobrevivia!... Fico contente que tenhas ficado fã. A ver se ensinas essa malta a comer. Como vês, nem sempre tem de ser algo complexo :-)

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…