Avançar para o conteúdo principal

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 


Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 


Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 


E é com esta receita que faço a minha primeira partilha no blog. Sim é o Mario que está a escrever, hehehe.


 


 

 

Pão Paleo básico


Ingredientes

- 300g Farinha de Trigo Serraceno

- 150g Flocos de Aveia sem Glutén

- 50g Polvilho Doce

- 1 Pacote de Fermento

- 40g de Azeite

- 10g de Sal

- 350g de Água

- Flocos de Aveia para decorar 


Preparação

Num robot de cozinha transforme os flocos de aveia integral em farinha. Num recipiente largo junte os elementos secos: o pacote de fermento, a farinha de trigo serraceno, a farinha de aveia integral que processou previamente, o povilho doce e o sal. Junte o azeite e com uma colher de pau, envolva todos os ingredientes. Aos poucos junte a água e continue a envolver até sentir que formou uma massa pegajosa e perfeitamente envolvida. Deixar levedar durante 45 minutos. Durante este tempo a massa deverá crescer um pouco. 


Aquecer o forno a 200º. Colocar a massa num tabuleiro, sobre um papel vegetal. Untar as mãos com azeite por forma que a massa não se cole às mãos. Fazer uma bola com a massa garantindo que a mesma fica ligada. Polvilhe a massa com os flocos de aveia que reservámos para decorar o pão. 


Coloque a massa no forno durante 60 minutos. Retirar do forno e deixar arrefecer em cima de uma grelha para poder ventilar o calor que o pão liberta após se retirado do forno. 


E depois delicie-se... Eu comi ainda quente com manteiga de cabra. Recomendo. 

Comentários

  1. Esse pão tem um aspeto fantabulástico! Eu adoro pão. Adoro mesmo! Costumo dizer que era feliz só a comer pão! E nunca daria para fartar pois há tantas variedades, desde os salgados aos doces, é um mundo. Eu cresci a ver a minha mãe fazer pão em forno de lenha. Pão de trigo, pão de milho, broa, massa sovada (biscoitos como lhes chamamos cá), folares, etc. Portanto sei o que é um bom pão (e sim, fazer pão é uma arte) e por isso a maior parte dos pães que há à venda não me satisfazem pois muitos nem pão a sério são. Desde que comecei a minha dieta reduzi significativamente o consumo de pão. É isso que mais me custa mas tem de ser. E também o faço em casa, gosto de fazer e é muito mais natural. Este vai já comigo para fazer em breve! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando começamos este estilo de vida achei que não há aguentar uma semana. Quando me perguntavam o que era o meu prato preferido desde sempre que dia que era torradas com leite com café... Era a minha comida de conforto. Já para não dizer o quanto adorava molhar o pão no molho da comida... Mas revelou-se mais simples do que acharia... E com um pãozinho destes tão saboroso, para dias de exceção, a verdade é que dá para matar saudades. Obrigada pela visita.

      Eliminar
  2. Adoro pão caseiro.
    Que bom aspeto.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2017/04/bolo-do-voluntario.html

    ResponderEliminar
  3. Adoro fazer pão mas ultimamente tenho andado muito preguiçosa.
    Este além de lindo deve ser delicioso.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida São, como está receita leva menos tempo de preparação e de fermentação, é uma séria candidata a levar-te arregaçar as mangas :-)

      Eliminar
  4. Olá bom dia,
    Um pacote de fermento diz respeito a quantas gramas?

    ResponderEliminar
  5. 11gr. Existe há venda caixas com fermento seco, fermipan mas há outras marcas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.
      Fiz o pão. Gostei do sabor e da crosta crocante, mas em termos de textura ficou pouco consistente, ou seja, esfarelava-se. Alguma dica?

      Eliminar
    2. Aqui no Brasil , usa-se uma colherzinha de café , de goma chantana , ou Agar- Agar , para dar liga . Use pouco ,depois vc vai acertando se quiser por mais !!! Abraço !!

      Eliminar
  6. Maria João infelizmente é o preço a pagar por não ter farinha de trigo. Se adicionar uma parte de polvilho (ou doce ou salgado) ajuda, mas o sabor altera assim como aumenta o índice calórico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum...mas eu coloquei as 50g de polvilho. Devo colocar mais polvilho?
      Na vossa foto parece mais consistente que o meu.

      Eliminar
  7. Maria João utilizamos as quantidades que publicamos e esfarela-se bastante. o que lhe sugeria é que aumentasse a quantidade de polvilho e reduzisse na quantidade de trigo sarraceno ou aveia para ver se consegue uma textura menos frágil. Embora isso acabe por influenciar o sabor. O pão paleo é necessariamente diferente do habitual pão. Especialmente por não ter o trigo que une tudo...

    ResponderEliminar
  8. Pode dizer se dá para substituir a farinha serraceno, e o Polvilho,por outra farinha, tipo amêndoa, ou Côco, é k aqui na Suíça não tenho :(

    ResponderEliminar
  9. Já fiz e ficou o máximo!!! Muito fácil de fazer e muito saboroso!!! Ficou bem a meu gosto😉. Muito obrigada

    ResponderEliminar
  10. Vou experimentar certamente. Cá em casa também adoramos pão e este tem muito bom aspecto. Obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  11. Eu adoro fazer pão e ultimamente é um dos meus vícios. Gostei imenso deste pão. beijinhos

    https://saboresdoninho.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…