Avançar para o conteúdo principal

No carvão.

Acho que é unânime a opinião que o sucesso de um prato está grandemente dependente da qualidade dos produtos que utilizamos.

Sempre que estou em Milfontes tenho a prova claro e inequívoca desta “lei básica”. Produtos, que nem aparentemente, são parecidos com os que adquiro em Lisboa. Fico perplexa… Não percebo como, num país pequenino como o nosso, possam existir tantas diferenças entre dois sítios que distam apenas 200 km entre eles.

No outro dia via chegar ao talho de Milfontes os frangos que me são vendidos. Uma carrinha frigorífica normalíssima, com a inscrição ‘Avibom’. Vi os frangos saírem, serem colocados na banca, frango que comprei e trouxe comigo para casa. Não percebo porque no talho em que compro em Lisboa (para mim o melhor do distrito), os mesmos frangos Avibom são tão diferentes… Faz sentido a minha dúvida? Sendo uma empresa nacional, os frangos que produz não deveriam ser iguais? Estamos a falar da mesma tipologia de frango – frango do campo. Porquê que o frango do campo é um galo em Milfontes, daqueles de capoeira, duros, saborosos e em Lisboa, parecem uma versão melhorada dos frangos de aviário que demoram menos a cozer que uma batata??? Não entendo…

Bom. Reflexões à parte, estando em Milfontes não poderia deixar de fazer um frango no carvão, como a minha bebé tanto gosta. Honestamente podia nem ter posto qualquer tempero que teria ficado bom na mesma, porque a qualidade da carne é mesmo do melhor.

Não deixo quantidades porque foi mesmo a olho desta vez… Mas sejam generosos e digo-vos que seja feito no forno ou no carvão, este frango é bom de qualquer maneira.

E com esta receita bem simples participo no desafio da Tertulia da Susy cujo ingrediente deste mês é o frango e o blog anfitrião é Prazeres Saudaveis! Não deixem de participar e fazer uma visita!

_____________________

Frango no churrasco

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:

- 1 frango do campo cortado em pedaços com pele

- dentes de alho a gosto (usei uns 6)

- folhas de louro a gosto (usei 2)

- sal para grelhados da Casa da Figueira da Foz qb (sal, alho e alecrim)

- 2 colheres de sopa de pimentão doce

- 5 colheres de sopa de azeite

- 3 colheres de sopa de vinagre


Preparação:

Crie uma massa com os temperos do frango e barre-o bem, deixando ganhar gosto, de um dia para o outro, ou caso não tenha essa hipótese, cerca de 1 hora.

Grelhe, preferencialmente no carvão, ou utilize a função grill do forno. Se grelhar no carvão, vá com um pincel de silicone, pincelando com a marinada sobrante.

__________________

 

Comentários

  1. Olá querida, obrigada pela tua participação (=

    Apesar de humilde como dizes, está uma maravilha foi ontem o meu jantar adoro frango no churrasco (=

    Beijinho muito grande e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Eu adoro frango de churrasco!
    Usamos de preferência frangos do campo, e variamos temperos.
    Gosto desse sal da Casa do Sal, uso muitas vezes, é perfumado.
    Sendo da mesma empresa, é estranho, mas aproveita se são melhores!!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Não há nada como um franguinho no churrasco, cheira a verão!

    ResponderEliminar
  4. Eu estive a ler atentamente aquilo que disseste dos frangos e isso cheira-me a esturro! Acho que te andam a enganar em Lisboa! Ai andam andam!!
    O que interessa é que aproveites os bons produtos que tens em Milfontes! E olha estive de férias e a minha Mãe não me fez nenhum chhurrasco! Era o pratinho dos domingos!
    Fiquei cheia de saudades com este teu franguinho!! :)
    aproveita essas ferias minha linda!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Fui eu que grelhei... Nem sabia que era capaz...

    Mário Marques, o aprendiz... Eh eh eh

    ResponderEliminar
  6. Adoro frango grelhado, obrigada pela participação, kiss
    Susana

    ResponderEliminar
  7. Amiga,

    Que bom franguinho de churrasco ! :)
    Belíssimo aspecto, uma participação bem saborosa no desafio !
    Adorei ! :)
    E sim, concordo contigo, os produtos variam muito em qualidade de distrito para distrito !
    Até parece que o pessoal de Lisboa é para ser alimentado não importa com o quê !

    Beijocas **

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos muitos... E isso tem um preço em termos de qualidade dos produtos.... E depois ha todas aquelas medidas standard que tudo tem de ter.... Enfim, ficamos a perder...

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Sobras de salmão

E quando a vida nos dá sobras de salmão o que fazer? Bom, desfiá-lo e fazer um salada fria? Sim é uma hipótese. Desfiá-lo e fazer uma quiche? Porque não? Fazer umas pataniscas de salmão, ou um paté de salmão? Ora… Uns rissóis? Hum… Não! Apetecia-me algo diferente…Mistura de um lado, mistura do outro e assim nasceram estes hambúrgueres. Muito simples mas que permitiram que 200 gr de salmão, que não davam para uma refeição para dois, fizessem duas refeições para dois!!! Sim porque se à noite fui comedida e acompanhei com salada, no dia seguinte foi uma excelente opção para a marmita, entre duas fatias de pão de hambúrguer, tomate e alface. Nham!!!______________________ Hamburgueres de Salmão com mayonese de caril e cebolinho[fez 9 hamburgueres]
Ingredientes:
Para os hambúrgueres:- 200 gr de salmão cozinhado- 1 cebola pequena picada- 2 batatas médias- 1 cenoura pequena- 3 colheres de sopa de coentros picados- 10 azeitonas- 1 colher de chá de açafrão- sal e pimenta qb- pão ralado qb- azeite …