Avançar para o conteúdo principal

Cereais e afins

Desde que tenho o blog tenho tentado ter mente aberta relativamente a um conjunto de produtos que não fazem parte, historicamente, do percurso alimentar da minha família.

Como curiosa que sou, tenho experimentado, aos poucos e poucos e confesso que depois de ter utilizado a quinoa, com tão boa aprovação cá por casa, um novo conjunto de experiências se seguiram e vão continuar a seguir. Não só porque estou a tentar criar refeições mais saudáveis, como nos dias que correm há um sem número de intolerâncias que obrigam a optar por alguns dos nomes que vos trago hoje. Tento, com isso e sendo o blog um veículo de partilha, chegar a um maior número de pessoas. Não se trata de agradar a gregos e troianos, mas sim levar-vos a experimentar coisas novas, mostrar-vos a variedade imensa de produtos à nossa disposição e que permitem que se possa ter uma alimentação saudável e variada, sem que tenhamos de comer o mesmo todos os dias.

Quando comecei a pesquisar um pouco sobre a temática, confesso que me senti uma verdadeira naba… Achei que eram tudo tipos de cereais! E nenhuma referência na internet conseguiu na totalidade tirar algumas das dúvidas. Sabem quando tentamos perceber o que é uma coisa, mas a própria explicação tem termos que desconhecemos e que por sua vez temos de pesquisar sobre os mesmos??? Foi assim que começou este post, que mais não é do que uma tentativa de resumir tudo o que li, em português, italiano, inglês, linguagem técnica e amadora… E simultaneamente tirar-vos algumas dúvidas sobre alguns produtos ‘diferentes’.


Quinoa > a quinoa é a semente de uma planta originária da América do Sul. É considerada um dos alimentos mais completos do mundo. Não contém glúten. Pode ser utilizada em saladas, mas também pode ser transformada em farinha e utilizada na panificação e pastelaria em substituição da farinha de trigo.

Espelta > é um primo afastado do trigo, originária do Irão e que pode ser utilizada da mesmíssima forma que o trigo – panificação e pastelaria, por exemplo. Mas a espelta pode, não só encontrar-se à venda sobre a forma de farinha, mas também em forma de grão e depois de cozido pode ser utilizado como se fosse arroz, ou mesmo em saladas, tal como na quinoa. Contém glúten.

Bulgur > a forma mais comum de utilização do bulgur é no tabulé ou no pilaf. É muito utilizado na cozinha Síria e Libanesa, bem como na cozinha mediterrânea. Na verdade, é o resultado de uma preparação feita com trigo duro que previamente é cozido, depois seco ao sol e depois partido e separado de acordo com o tamanho do grão que resulta. É considerado um grão integral pois a pele e o gérmen são deixados intactos durante o processo. É um excelente substituto do arroz e do couscous. Contém glúten.

Couscous > é típico dos países do Norte de África de tradição árabe e é obtido através da farinha de trigo amassada até formar pequenos grãos que são cozidos (processo hoje já amplamente industrializado). Durante o processo de moagem do trigo há duas substâncias que se destacam: a sêmola (que se obtém pela rutura do grão de trigo na 1ª passagem no processo de moagem) e a semolina (que tem o tamanho intermédio entre a sêmola e a farinha e que resulta de diversas passagens no processo de moagem). O couscous é feito de semolina e por isso contém glúten (já encontrei sem glúten, mas isso é um processo posterior ao processo do couscous propriamente dito).

Espero ter ajudado a tirar algumas dúvidas. Em breve vão começar a aparecer alguns destes produtos, aqui pelo blog, sobre as mais variadas formas!

___________________

 

Comentários

  1. Eu também tenho tentado diversificar, e com o pretexto do blog ganhámos melhores hábitos cá em casa, sem andar sempre com os mesmos alimentos ;)

    bjo
    ana
    http://amarmitalisboeta.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. É tão aborrecido comermos sempre o mesmo!

      Eliminar
  2. Fico a aguardar receitas com esses ingredientes. Agora com a primavera queria uns pratos mais leves e saudáveis. Mas tenho um guloso supremo cá em casa, tarefa árdua. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vao aparecer Filipa. Ate porque cá por casa estamos a precisar de comidas mais leves, em modo de dieta :-). Claro esta, sem sacrificar sabor :-)

      Eliminar
  3. hoje já aprendi alguma coisa!
    obrigada pela partilha :))

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito do post, aprendi alguma coisa. Obrigada pela partilha.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Há tanta diversidade e informação que por vezes em vez de conseguirmos aprender baralhamos nos mais...
    Esta informação que dás é simples e mesmo os mais leigos no assunto ficam um pouco mais elucidados com estes alimentos. Aqui em casa só os adultos experimentam e consomem qualquer um deles e até hoje fazem parte da nossa alimentação.Apesar de ainda não ter receitas com eles no blog (por enquanto) são para mim um Mundo ainda com muito para explorar e com muitas receitas testadas e aprovadas....
    Bjoka
    Rita

    ResponderEliminar
  6. Também já inseri o bulgur e a quinoa cá em casa :)

    Beijinhos e tem uma óptima semana! :D

    ResponderEliminar
  7. Uma das vantagens de ter um blogue é que nos dá mais motivação para experimentar coisas novas e diferentes! Também tem acontecido comigo e é fantástico.

    ResponderEliminar
  8. Já comi quinoa e gostei muito mas ainda não me atrevi a fazer em casa, bjks

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É relativamente simples.basta cozer como se fosse arroz. Em caso de duvida ate a própria embalagem explica! Vale a pena fazer em casa!

      Eliminar
  9. Olá!
    Gostei muito do post!
    Confesso que não são habitués Da Nossa Cozinha, mas vou gostar de juntar-me a ti nesta aventura gastronómica. Aviso já que parto do nível 1 nesta matéria...
    Um beijinho,
    A Cozinheira

    http://danossacozinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Olha amiga, muito elucidativa esta tua publicação, confesso que acabei por fazer algo que ADORO: aprender !
    E já aprendi contigo alguns aspectos que desconhecia acerca desses ingredientes.

    Confesso que até há pouco tempo, tínhamos por aqui uma alimentação muito tradicional, aos poucos tenho tentado alterar rotinas e sabores mas não é fácil, pois por aqui reinam pessoas com gostos muito especificos e enraizados em hábitos antigos...
    Mas penso que aos poucos e com sabedoria conseguirei ganhar alguns pontos ! :)

    Beijinho grande querida e obrigada por estes tão úteis esclarecimentos !:)

    Isabel

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…