Avançar para o conteúdo principal

Uma experiência de pão

Cá por casa está mais que instituído o hábito de fazer pão. Semanalmente já faz parte das rotinas desde que temos Bimby, assim como fazer iogurtes.

Há quem ache que somos loucos... E ninguém percebe como tendo uma criança com dois anos e meio, tendo um trabalho de 7 horas por dia e ainda dando aulas e organizando alguns espectáculos de dança, conseguimos ter tempo e pachorra para fazer pão, quando seria mais fácil ir à padaria por trás da nossa casa e simplesmente... Comprá-lo.

Pois posso garantir que não só é uma questão de hábito, como também um verdadeiro prazer. E na verdade o processo de amassar demora muito pouco tempo e em nada depende de nós. E depois o processo de fermentação até pode ser moroso, mas não é preciso intervir. E por fim a parte da cozedura implica apenas que o coloquemos no forno e o tiremos. Simples? Sim na verdade é. E o prazer de comer pão quente é impagável, assim como os ganhos em termos de saúde são inúmeros - usamos a farinha que queremos assim como a quantidade de sal e gordura que queremos. E as possibilidades são infinitas. Com ou sem sementes, mais ou menos integral, com ervas, com azeitonas ou tomate seco, com passas, na verdade, com o que o nosso gosto pessoal quiser. Sem necessitarmos de assim tanto tempo despendido. Pode consultar outras vantagens de fazer pão em casa AQUI.

Cá por casa o pão que mais se faz é ESTE, com algumas variantes como adicionar tomilho, ou azeitonas. Mas há muito que pedia ao padeiro cá de casa (o Mário) um pãozinho de forma. E quando vi esta receita no blog Pecado da Gula não hesitei em experimentar e adaptar à Bimby, com algumas pequenas adaptações. Claro está que pedi autorização à simpática autora do blog para fazer este post. Porque o resultado final é tão bom, que seria um verdadeiro pecado não partilhá-la com todos. Espero que gostem.

_________________________________

Pão de forma francês


Ingredientes:

- 300 gr de farinha 65

- 190 gr de água morna

- 15 gr de manteiga sem sal

- 20 gr de fermento de padeiro fresco

- 5 gr de sal

- 15 gr de açúcar

- óleo e manteiga qb


Preparação:

Coloque todos os ingredientes no copo da Bimby e programe 10 minutos, velocidade espiga. A massa estará ainda pegajosa. Com as mãos untadas em óleo deveraá retirar a massa para um recipiente onde irá repousar e levedar durante cerca de 1 hora, ou até dobrar de volume.

Dê uns toques no topo da massa só para libertar o gás formado e divida a massa em três partes idênticas, sendo que uma delas deve conter um pouco mais de massa (cerca de 1 colher de sopa).

Disponha cada uma das porções numa forma de bolo inglês untada com manteiga, com a maior ao meio e deixe levedar por mais 1 hora. Pulverize com um pouco de água.

Pré-aqueça o forno a 200º. Coloque o pão a cozer por cerca de 35 minutos, mas vá vigiando e se necessário coloque papel de alumínio por cima.

Desenforme e deixe arrefecer em cima de uma rede.


Alternativa de preparação:

Numa tigela, coloque a farinha, o fermento, o açúcar e a água e com a batedeira (varas de amassar) bata por 10 minutos. Adicione a manteiga e bata por mais 5 minutos. A massa estará ainda pegajosa. Com as mãos untadas em óleo deveraáretirar a massa para um alguidar onde irá repousar e levedar durante cerca de 1 hora, ou até dobrar de volume.

Dê uns toques no topo da massa só para libertar o gás formado e divida a massa em três partes idênticas, sendo que uma delas deve conter um pouco mais de massa (cerca de 1 colher de sopa). Disponha cada uma das porções numa forma de bolo inglês untada com manteiga, com a maior ao meio e deixe levedar por mais 1 hora. Pulverize com um pouco de água.

Pré-aqueça o forno a 200º. Coloque o pão a cozer por cerca de 35 minutos, mas vá vigiando e se necessário coloque papel de alumínio por cima.

Desenforme e deixe arrefecer em cima de uma rede.

_________________________________

Receita adaptada da publicada no blog Pecado da Gula.

_________________________________

 

Comentários

  1. Concordo plenamente com todas as razões apontadas para fazer o nosso pãozinho. Sabe tão bem comer o pão quentinho, acabadinho de sair do forno, e nos tempos de espera pudemos fazer o que precisamos, sem qualquer problema.
    No Verão, só me incomoda o calor do forno, mas pronto também está a acabar, pelos menos no calendário, e mais paõzinho iremos fazer.

    Beijinho

    Paula

    ResponderEliminar
  2. Ficou com um aspecto magnífico!
    Beijinhos grandes e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderEliminar
  3. Vim correndo conferir seu pão e ficou super apetitoso, Pedra de Sal! Fiquei muito feliz em saber que aprovou o resultado! Assino embaixo de tudo o que vc falou acerca de pão caseiro! Só preparando em casa para sentir o aroma maravilhoso que toma conta da cozinha e comer uma fatia quentinha com a manteiga a derreter não tem preço!
    Obrigada pelos créditos e pelo elogio a minha pessoa! :)
    Bjss e um ótimo final de semana!

    ResponderEliminar
  4. Tb concordo ctg! Nada como iogurtes e pãosinho caseiro ;) aqui por casa é igual !
    Este teu pão ficou a sorrir para mim, vou trazer a receita cmg !

    Beijinho doce e bom fim de semana !

    ResponderEliminar
  5. eu, desde que tenho a minha Mycook, nunca mais comprei iogurtes líquidos e também há quem me chame parva, pois dizem-me que é uma tolice estar a fazer iogurtes líquidos para a semana toda... lol
    o pão também faço com frequência, bem como sumos naturais... se temos boas máquinas porque não aproveitá-las para poupar uns tostões?
    gostei da tua receita de pão!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…