Avançar para o conteúdo principal

Sesimbra...

Numa ida a Sesimbra não resisti a ir à praça e a comprar um belo de um tamboril. Peixinho a cheirar a mar, feio como só o tamboril sabe ser, mas apelativo e versátil. Pus-me logo a imaginar as mil e uma receitas fantásticas que podia fazer com 2 kg de peixe!

Bem que pedi ao senhor para me colocar no saco apenas o lombo... Mas nem imaginam a cara do homem, como se tivesse dito a coisa mais herege e chocante que alguma vez ouviu na vida... Nem fui capaz de argumentar... Lá aceitei, com humildade, o saco com o bicho bem limpinho e 'todinho para aproveitar' e vim para casa a mentalizar-me que tinha de ser uma dona de casa poupada e que talvez pudesse dar um fim digno para todas aquelas partes gelatinosas que sobram...

Mas cada coisa a seu tempo... E claro está, resolvi cozinhar o lombo primeiro! Ainda pensei em algo mais elaborado, mas a pressão do tempo e a Joana agarrada às minhas pernas a gritar com fome, orientou-me para algo rápido! E resolvi fazer uma bela moqueca (inspirada numas revistas brasileiras fantásticas que a minha amiga Anabela M. me trouxe da sua temporada pelas terras brasileiras).

Claro está que as receitas lá por casa raramente são seguidas... E desta vez não foi excepção. Adapta-se daqui, adapta-se dali e voilá sai algo que agrade a todos. E é bom ouvir no final da refeição o Mário dizer "adorei isto e não gosto de moqueca!". Há amigos que dizem que é o amor a falar. Mas eu acho que dois pratos vazios não se fingem...

________________________________________

Moqueca de tamboril

[serve 4 pessoas]




Ingredientes:

- 1 cebola

- 2 dentes de alho

- 2 colheres de sopa de óleo de palma

- 1 pimento vermelho

- 10 camarões

- 3 tomates

- 600 gr de tamboril (lombo)

- 300 ml de leite de coco

- sal e pimenta qb

- caju qb

- coentros qb




Preparação:

Tempere o peixe de sal e pimenta e reserve. Coloque no copo a cebola e os alhos e pique 5 segundos, velocidade 5. Adicione o óleo de palma e programe 5 minutos, varoma, velocidade 1. Adicione o tomate e pique 3 segundos, velocidade 5. Adicione o leite de coco e programe 5 minutos, varoma, velocidade 1. Adicione o tamboril e o camarão e programe 5 minutos, 100º, velocidade colher inversa.

Sirva quente com caju (neutro, sem sal) por cima e coentros picados.





Alternativa de preparação:



Tempere o peixe de sal e pimenta e reserve. Corte a cebola e o alho miudinhos e refogue com o óleo de palma. Adicione o pimento, o tomate cortado em pedaços pequenos, o camarão e o tamboril. Regue com o leite de coco e deixe cozinhar lentamente (cerca de 15 minutos e está pronto).

Sirva quente com caju (neutro, sem sal) por cima e coentros picados.




Nota: acompanhei com arroz branco, bem soltinho.

_______________________________________________




 

Comentários

  1. Que aspecto tão bom tem a tua refeição, bem colorida e de aspecto caseiro delicioso!

    ResponderEliminar
  2. O melhor de tudo luisa é que não é so aspecto :-) mas tambem sabor! Ficou delicioso!

    ResponderEliminar
  3. Ficou realmente com muito bom aspecto e imagino que o sabor tenha sido ainda melhor :)
    um beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…