Avançar para o conteúdo principal

Bolachinhas assustadoras

A tradição de Halloween cá por casa é tão antiga quanto a minha filha (7 anos). É uma data muito aguardada e desejada não se tratasse de uma noite em que os pais dão carta branca aos filhos para baterem de porta em porta a pedir doces!

De tal forma que rapidamente a tradição se tornou numa tradição do condomínio onde moro. E se antes tínhamos meia dúzia de miúdos a bater de porta em porta, agora temos uma imensidão deles a que somam todos os primos e amigos que cada um acaba por trazer. Não fosse um condomínio murado com muitas casas, embebido do espírito de halloween, o local perfeito para se passar esta data.

E enquanto os miúdos pregam pequenas partidas e devoram os doces que recolheram, os adultos convivem na sala de condomínios, decorada para o efeito, e petiscam o que cada um se comprometeu trazer, alusivo à data. 

No blog há inúmeras sugestões (AQUI), paleo e não paleo, e este ano a mesa contará com a habitual abóbora recheada de bacalhau, mas também com as bolachinhas paleo que a minha filha quis fazer e que deixo aqui a receita. 

Claro que num dia de excessos parecesse um contra-senso. Mas atendendo a que foi a minha filha que as quis fazer, para mim significa muito. Significa que parte do que lhe tento passar, fica. E afinal... Dias não são dias...

Bom Halloween!




Bolachinhas assustadoras

Ingredientes:
- 200 gr de aveia sem glúten (reduzida a farinha)
- 100 gr de farinha de amêndoa
- 50 gr de polvilho doce
- 50 gr de farinha de coco
- 3 ovos biológicos
- 25 gr de azeite extra virgem
- 4 colheres de sopa de mel
- 1 pitada de sal

Preparação:
Pré-aqueca o forno a 180º.

Misture os ingredientes secos. Junte os ingredientes líquidos e amasse bem até que a massa fique bem ligada, sem estar pegajosa. Pode colocar os miúdos a fazer esta parte suja. Eles adoram.

Tenda com o rolo da massa e molde as bolachinhas com os moldes de bolachas que tiver.

Leve ao forno por 12 a 15 minutos ou até que estejam douradas sem estarem muito escuras.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…