Avançar para o conteúdo principal

Doce de morango e framboesas

Numa ida a Odemira fiz uma paragem obrigatória na Queijaria do Mira. Uma queijaria artesanal, que ainda faz queijos à moda antiga, é algo que não se vê muito. Sempre que passo por aquelas bandas é ponto assente que trago de lá queijos. Em especial o belo do requeijão de cabra que raramente chega para as encomendas e que só há quando as cabras têm leite. Um luxo.

Embora a consumo de laticínios não seja defendido numa alimentação paleo, há quem mantenha o consumo de iogurtes e queijos o que é o caso dos adultos cá de casa. A preferência deve ser dada a queijos mais curados, e normalmente seguimos esta norma, exceção feita a este requeijão delicioso.

Como este passeio por aquelas bandas me levou também a um produtor de framboesas, a cabeça começou logo a funcionar... A ideia original era fazer um cheesecake. Mas o tempo não deu para tudo, a semana de trabalho começou a alta velocidade, e as framboesas e o requeijão, sendo perecíveis, não davam para esperar pelo fim de semana seguinte.

Assim nasceu este "doce", que ligou lindamente com o maravilhoso requeijão e serviram de mote a um pequeno almoço de segunda feira de rei! Como não tem ponto de açúcar só aguenta cerca de 1 semana no frigorífico. Mas tenho a certeza que a validade não será um problema com a rapidez com que se faz e se come. 

 
 
 
 
 
 
Doce de morango e framboesas com chia
[faz um frasco de 250 ml]

Ingredientes:
- 140 gr de morangos
- 60 gr de framboesas
- 60 gr de mel
- 2 colheres de sopa de sementes de chia (15 gr)

Preparação:
Leve ao lume os morangos lavados, sem o pé e cortados em pedaços mais pequenos, as framboesas e o mel. Assim que levantar fervura, reduza o lume e deixe cozinhar até que veja que a fruta começa a ficar mole (5 minutos).

Desligue e adicione as sementes de chia. Deixe repousar uns minutos e desfaça tudo com uma varinha mágica ou num robot de cozinha. 

Coloque num frasco esterilizado e deixe arrefecer. Coloque no frio.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…