Avançar para o conteúdo principal

Marmelos e frangipane

Adoro os ingredientes que o Outono traz. As batatas doces, os marmelos, as castanhas. Simplesmente adoro. O que é muito engraçado porque nasci em Novembro. Não sei se tem ou não influência, mas sem dúvida que é uma estação do ano que me enche as medidas.

A receita que partilho hoje é bastante simples e escolhi os marmelos da estação para brilharem. É um fruto ácido que se presta a pratos doces e salgados e até hoje a única combinação que não gosto MESMO é a marmelada… O que é caricato atendendo a que deve ser o destino mais comum para quem compra marmelos. Mas cá por casa, nenhum de nós gosta, por isso, só se estraga mesmo uma casa, como se costuma dizer.

Esta tarte que trago hoje faz-se inúmeras vezes cá por casa com figos e com peras. Mas quando me lembrei de usar marmelos estava longe de imaginar que se tornaria na nossa opção preferida. O doce do creme de amêndoa fica fantástico com o contrasto ácido do marmelo aromatizado com anis e erva doce.

Se têm por aí marmelos em casa não deixem de experimentar porque vão gostar com toda a certeza.

Parece impossível que haja que tenha marmeleiros com o único intuito de delimitar terras, sem nunca fazer uso dos frutos… E por aqui haja tanta gente em Lisboa a comprar este fruto quase ao preço do ouro.

_______________________________

Tarte frangipane de marmelo (ou tarte de amêndoa e marmelo)


Ingredientes:


Para a base:

- 125 gr de manteiga sem sal

- 1 ovo

- 125 gr de açúcar

- 300 gr de farinha T55

- 1 pitada de sal


Para o creme:

- 100 gr de amêndoas sem pele

- 2 ovos (100 gr)

- 100 gr de manteiga sem sal à temperatura ambiente

- 100 gr de açúcar


Para a cozedura dos marmelos:

- 5 marmelos pequenos

- 1 litro de água

- 500 gr de açúcar amarelo

- 2 flores de anis

- 1 colher de chá de sementes de erva doce


Preparação:

Comece pela base. Coloque todos os ingredientes no copo da Bimby e programe 15 segundos, velocidade 5. Envolva em pelicula aderente e coloque no frio enquanto faz os restantes passos.

Descasque e descaroce os marmelos e corte-os em quartos. Leve-os a cozer numa calda feita com a água, o açúcar, o anis e a erva doce. Quando os marmelos estiverem cozidos (mas não em demasia) retire-os e deixe arrefecer.

Pré-aqueça o forno a 180º.

Inicie o creme de amêndoa. Coloque a amêndoa no copo da bimby seco e limpo e programe 15 segundos, velocidade 7. Reserve.

Coloque a borboleta no copo e adicione os ovos, a manteiga à temperatura ambiente e o açúcar e programe 1 minuto, velocidade 2 e ½. Junte a amêndoa em pó e programe mais 30 segundos, velocidade 2.

Estenda a massa da tarte entre dois papeis vegetais. Forre uma tarteira de fundo amovível. Distribua o creme de amêndoa por cima e o marmelo cozido fatiado a gosto.

Leve ao forno por 40 minutos ou até a tarte estar cozida e lourinha.


Nota 1: Como sobrou massa da base da tarte, fiz bolachinhas. Com um cortador redondo cortei 26 bolachas que cozeram no forno a 180º durante 15 minutos. Fizeram sucesso cá em casa.

Nota 2: Se quiser facilitar, pode comprar massa areada de compra.

Nota 3: a calda que utilizou para cozer os marmelos, pode utilizar para adoçar bolos ou para cozer, por exemplo, maçãs reinetas no forno. Adoramos!

________________________

 

 

 

 

 

Comentários

  1. Bela tarte.

    Beijinhos e uma boa semana,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Que aspecto delicioso!
    Bjs
    http://www.receitasfaceisrapidasesaborosas.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…