Avançar para o conteúdo principal

Dia um... Na cozinha! - aniversário.

Adoro o intercâmbio culinário que acontece no local de trabalho e não só. Adoro partilhar receitas e que partilhem receitas comigo. Adoro. Foi assim que nasceu o blog. Comecei por trazer alguns bolinhos, foram pedindo as receitas e quando dei conta estavam a propor-me criar um blog. Não um blog com o intuito disto ou daquilo. Um blog para os amigos poderem consultar as receitas que resultam lá em casa. Um blog que me ajudasse a organizar as minhas próprias receitas e todas aquelas que experimento e gosto e tomo como minhas. Este blog é isso mesmo – o meu livro de receitas. E adoro consultá-lo quando tenho dúvidas de como fiz este ou aquele prato que resultaram tão bem. Serve o efeito para o qual foi criado, percebem? Faz-me feliz, o que é ótimo atendendo ao tempo que dispenso a este projeto tão simples, mas tão trabalhoso.

Isto para vos contar que num destes dias um colega de trabalho, pelo seu aniversário, trouxe-nos um bolo muito especial – um bolo de nozes com doce de ovos. Inicialmente achei que era um bolo de noz comum, apesar de me parecer um pouco mais baixo do que o normal. As caras de desconfiança eram mais que muitas, especialmente porque tinha sido feito por ele… Provei o bolo e não disse que não à segunda fatia. Estava delicioso. E o que antes eram caras de dúvida, abriram-se num enorme sorriso perante um bolo tão bommmmmmmmm.

Como é óbvio tive de pedir a receita! E a receita chegou por email no dia seguinte. "A receita que usei foi esta: http://paracozinhar.blogspot.pt/2007/03/bolo-de-noz-com-doce-de-ovos.html".

Fiquei estupefacta a olhar para o email. Não costumo pensar muito nas consequências de escrever num blog… Ainda acredito que quem me segue são pessoas que conheço pessoalmente. Aqueles amigos de trabalho, a família… Esqueço-me que talvez alguém já tenha partilhado uma receita minha de que gostou… Não tenho esta noção. Bom, mas também não sou uma Joana Roque, mesmo que a receita original também não seja dela, mas de outro bloghttp://172.16.82.116:15871/cgi-bin/blockpage.cgi?ws-session=3389255008... Realmente, as voltas que a vida dá…

Por tudo isto, porque cozinhar é também partilhar, porque o grupo "Dia um… na cozinha!" tem sido mais um veículo de partilha, porque este grupo é feito de blogs e os blogs também se inspiram uns nos outros, resolvi escolher este mesmíssimo bolo para cantar os parabéns a este grupo fantástico que nos desafia todos os meses a inovar e a criar. Esta será a primeira vez que participo com uma receita que não é minha, mas achei que a mensagem implícita teria mais força assim.

Espero que gostem desta receita tanto como eu. É uma forma deliciosa de gastar claras. Calórica, mas deliciosa! E enquanto cantam os parabéns vou ali buscar uma faca para cortar uma fatia para mim!

______________________________

Bolo de claras com noz e doce de ovos


Ingredientes:


Para o bolo:

- 6 claras

- 250 gr de açúcar amarelo

- 250 gr de miolo de noz


Para o doce de ovos:

- 6 gemas

- 250 gr de açúcar

- 1 dl de água


Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Unte uma forma de mola com fundo amovível com um pouco de manteiga e forre com papel vegetal também untado.

Coloque o miolo de noz na Bimby e o açúcar e processe 5 segundos, velocidade 7. Retire e reserve.

Com o copo limpo, aplique a borboleta e adicione as claras. Programe 7 minutos, velocidade 3 e ½.

Adicione, com movimentos de baixo para cima, a mistura de noz e açúcar às claras, sem bater.

Coloque a massa do bolo na forma e leve ao forno por 30 minutos.

Desenforme e deixe arrefecer.

Faça o doce de ovos. Coloque a água e o açúcar num tacho. Deixe ferver até atingir o ponto de espadana. Fora do lume adicione um pouco da calda aos ovos previamente batidos. Adicione em fio a mistura de ovos à restante calda levando ao lume a engrossar. Mexa energicamente para não pegar. Deixe arrefecer.

Depois de frio espalhe por cima do bolo e delicie-se.


Alternativa de preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Unte uma forma de mola com fundo amovível com um pouco de manteiga e forre com papel vegetal também untado.

Reduz o miolo de noz e o açúcar a pó usando um robot de cozinha. Reserve.

Bata as claras em castelo firme. Adicione, com movimentos de baixo para cima, a mistura de noz e açúcar às claras, sem bater.

Coloque a massa do bolo na forma e leve ao forno por 30 minutos.

Desenforme e deixe arrefecer.

Faça o doce de ovos. Coloque a água e o açúcar num tacho. Deixe ferver até atingir o ponto de espadana. Fora do lume adicione um pouco da calda aos ovos previamente batidos. Adicione em fio a mistura de ovos à restante calda levando ao lume a engrossar. Mexa energicamente para não pegar. Deixe arrefecer.

Depois de frio espalhe por cima do bolo e delicie-se.


Nota: Este bolo é muito doce. Numa segunda vez que o fiz, reduzi para 200 gr a quantidade de açúcar que utilizei no bolo.

_____________________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

  1. Adoro bolos de claras , coberto com doce de ovos ficou divino.
    Para mim pode ser uma fatia xxl
    Boa semana
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá....
    Que delicioso aspecto e excelente sugestão :D.... Adorei!

    beijocas

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Hum...adoro estes bolos! :D São uma verdadeira delícia!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. Olá,

    Gosto tanto de bolos com noz e o teu ficou com um aspecto divinal.

    Beijinhos,
    Clarinha

    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2014/09/dia-um-na-cozinha-e-um-bolo-de-maca-e.html

    ResponderEliminar
  5. Este bolo tem um aspecto fantástico! beijinhos
    http://nacozinhadasara.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…