Avançar para o conteúdo principal

Claras

Hoje trago-vos uma forma perfeita de aproveitar claras. Cá por casa congelam-se! Sim pode congelar claras e utilizá-las posteriormente em bolos, omeletes, enfim, no que quiser. A melhor forma de as utilizar é tirá-las do congelador e deixá-las descongelar no frigorífico. No entanto, se as quiser utilizar no momento, por exemplo, num bolo, basta tirar do congelador e picá-las num robot de cozinha (na Bimby, carrego no turbo algumas vezes, até ficarem picadinhas). A partir desse momento pode levantar as claras normalmente. Simples, certo?

Como tinha dito AQUI, a passagem do ano não foi a desejável… E numa emergência, foi esta a sobremesa escolhida. Pela facilidade, pela falta de paciência e inspiração, enfim, se eu consegui tão bom resultado em tão mau cenário, tenho a certeza que farão um brilharete.

Aproveito para agradecer todo o carinho e preocupação que têm demonstrado aqui no blog e na página de facebook para com a minha princesa. Felizmente ja regressou à vida normal. Os resquícios de tosse estão lá e a preocupação de mãe galinha provavelmente só será acalmada amanha com a ida ao pediatra. Mas muito obrigado, de coração!

_______________

Pavlova com doce de ovos, amêndoa e pinhão

[serve 10 pessoas]


Ingredientes:

- 9 claras de ovos L (usei congeladas)

- 400 gr de açúcar

- 1 colher de sopa de amido de milho (Mayzena)

- 1 colher de chá de vinagre (usei de Cidra)

- 1 pitada de sal fino

- doce de ovos qb

- amêndoa laminada a gosto

- pinhões a gosto


Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque as claras num recipiente limpo e seco e junte uma pitada de sal. Bata até obter picos firmes. Nesse momento, continuando a bater, vá juntando colheradas de açúcar. No final irá obter um resultado brilhante e fofo. Junte o vinagre e o amido e envolva com uma espátula.

Num tabuleiro de forno forrado com um tapete de silicone (ou papel vegetal) deite o merengue de maneira a formar um circulo. O objetivo não é fazer nada perfeitinho, mas antes algo bastante tosco. Ele vai crescer um pouco em altura e até convém porque a pavlova é suposto ficar com um exterior tipo merengue e um interior tipo molotof. É esta diferença de textura que faz deste doce uma delícia.

Leve ao forno e reduza de imediato a temperatura para 150º. Programe o forno para 1 hora e 15 minutos.

Findo o tempo, coloque o forno entreaberto e deixe a pavlova arrefecer lá dentro, evitando corrente de ar. Baixa um cadinho, mas não muito.

Já fria, coloque num prato de servir, espalhe doce de ovos por cima (usei de compra) e uma mão cheia de amêndoas e pinhões torrados numa frigideira antiaderente.

Delicie-se! Vai gostar! E é uma excelente forma de gastar claras.


Nota: caso pretenda fazer o doce de ovos, coloque num tachinho 9 colheres de sopa de açúcar com 9 colheres de sopa de água. Leve ao lume até obter ponto pérola (se tiver um termómetro, acredite que dão muito jeito, é até a água obter os 108º). Outra forma de saber, sem termómetro, é verificar se o fio que corre da colher é espesso e se fica uma gota suspensa na extremidade.

À parte, passe as gemas num passador de rede. Junte a calda de açúcar em fio às gemas e mexa bem. Se necessário, leve um pouco ao lume brando a engrossar. Mexa sempre, porque engrossa rapidamente.

___________________

 

Comentários

  1. Ainda bem que a princesa está melhor. A passagem de ano não foi a melhor mas o ano será de certeza ;)

    Relativamente à pavlova só tenho uma coisa a dizer : PERFEITA!
    Super crocante por fora e tão macia por dentro, que maravilha....

    ResponderEliminar
  2. Tantos crontrastes e tanto sabor! Deve ter ficado uma delicia :)

    _____________________
    aculpaedasbolachas.com

    ResponderEliminar
  3. Que bonita pavlova!! Cá em casa também congelamos sempre as claras :)
    Espero que a tua princesa já esteja bem e que o médico confirme isso!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. Por cá também congelamos as claras, mas pavlova é que não sai nada bem:(
    Ficou muito linda e apetitosa esta que tentação.
    Amanhã vai correr tudo bem com a pequena de certeza.



    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Já fiz duas e das vezes saiu mal.
    Nem sei se tente a terceira.
    A tua ficou linda e tem um interior delicioso
    Desejo tudo de bom para a ti menina.
    bj

    ResponderEliminar
  6. Ainda bem que a tua nina ta melhor :)
    também me estreei numa pavlova e por acaso também com doce de ovos a pedido da minha irmã.
    A tua ficou linda!!!! Bem apetitosa :)
    Beijinho doce !

    ResponderEliminar
  7. Que pavlova linda e deliciosa e com esse doce de ovos, só pode ter ficado uma delícia mesmo!
    Beijinhos e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderEliminar
  8. hummmmm que maravilha de Pavlova.. também congelo as claras e acho que tenho lá suficientes para 100 Pavlovas...hehehehe... tenho que começar a gasta-las que também não duram para sempre e vou começar por esta receitinha.. :)

    beijinhos e bom fim de semana

    Mafalda
    http://masterchefdealgibeira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Que pavlova tão gulosa! Eu há muito que não me aventuro a fazer uma mas acho que um dia destes lá vou ter de fazer de novo.

    Beijinhos e bom domingo!

    ResponderEliminar
  10. Nem todas as pavlovas que fiz me saíram bem... Percebi, ao longo dos falhanços, que é importante juntar o vinagre e o amido de milho muito lentamente, sem bater. Percebi tambem que é importante arrefecer totalmente no forno. Percebi tambem que tem tendência para colar no papel vegetal, por isso passei a usar tapete de silicone... Isto para dizer, que se tivesse desistido à 1ª pavlova que correu mal, nunca teria provado esta delicia... Nao deixem de experimentar porque vale a pena.

    Aproveito para agradecer uma vez mais, na so todas as visitas que me continuam a fazer, mas tambem todo o carinho e preocupação pela minha pipoca. Obrigado de coração. Felizmente ela esta bem. Recupera bem. Isso deixa-me tranquila e em paz. Obrigado.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…