Avançar para o conteúdo principal

Claras

Hoje trago-vos uma forma perfeita de aproveitar claras. Cá por casa congelam-se! Sim pode congelar claras e utilizá-las posteriormente em bolos, omeletes, enfim, no que quiser. A melhor forma de as utilizar é tirá-las do congelador e deixá-las descongelar no frigorífico. No entanto, se as quiser utilizar no momento, por exemplo, num bolo, basta tirar do congelador e picá-las num robot de cozinha (na Bimby, carrego no turbo algumas vezes, até ficarem picadinhas). A partir desse momento pode levantar as claras normalmente. Simples, certo?

Como tinha dito AQUI, a passagem do ano não foi a desejável… E numa emergência, foi esta a sobremesa escolhida. Pela facilidade, pela falta de paciência e inspiração, enfim, se eu consegui tão bom resultado em tão mau cenário, tenho a certeza que farão um brilharete.

Aproveito para agradecer todo o carinho e preocupação que têm demonstrado aqui no blog e na página de facebook para com a minha princesa. Felizmente ja regressou à vida normal. Os resquícios de tosse estão lá e a preocupação de mãe galinha provavelmente só será acalmada amanha com a ida ao pediatra. Mas muito obrigado, de coração!

_______________

Pavlova com doce de ovos, amêndoa e pinhão

[serve 10 pessoas]


Ingredientes:

- 9 claras de ovos L (usei congeladas)

- 400 gr de açúcar

- 1 colher de sopa de amido de milho (Mayzena)

- 1 colher de chá de vinagre (usei de Cidra)

- 1 pitada de sal fino

- doce de ovos qb

- amêndoa laminada a gosto

- pinhões a gosto


Preparação:

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque as claras num recipiente limpo e seco e junte uma pitada de sal. Bata até obter picos firmes. Nesse momento, continuando a bater, vá juntando colheradas de açúcar. No final irá obter um resultado brilhante e fofo. Junte o vinagre e o amido e envolva com uma espátula.

Num tabuleiro de forno forrado com um tapete de silicone (ou papel vegetal) deite o merengue de maneira a formar um circulo. O objetivo não é fazer nada perfeitinho, mas antes algo bastante tosco. Ele vai crescer um pouco em altura e até convém porque a pavlova é suposto ficar com um exterior tipo merengue e um interior tipo molotof. É esta diferença de textura que faz deste doce uma delícia.

Leve ao forno e reduza de imediato a temperatura para 150º. Programe o forno para 1 hora e 15 minutos.

Findo o tempo, coloque o forno entreaberto e deixe a pavlova arrefecer lá dentro, evitando corrente de ar. Baixa um cadinho, mas não muito.

Já fria, coloque num prato de servir, espalhe doce de ovos por cima (usei de compra) e uma mão cheia de amêndoas e pinhões torrados numa frigideira antiaderente.

Delicie-se! Vai gostar! E é uma excelente forma de gastar claras.


Nota: caso pretenda fazer o doce de ovos, coloque num tachinho 9 colheres de sopa de açúcar com 9 colheres de sopa de água. Leve ao lume até obter ponto pérola (se tiver um termómetro, acredite que dão muito jeito, é até a água obter os 108º). Outra forma de saber, sem termómetro, é verificar se o fio que corre da colher é espesso e se fica uma gota suspensa na extremidade.

À parte, passe as gemas num passador de rede. Junte a calda de açúcar em fio às gemas e mexa bem. Se necessário, leve um pouco ao lume brando a engrossar. Mexa sempre, porque engrossa rapidamente.

___________________

 

Comentários

  1. Ainda bem que a princesa está melhor. A passagem de ano não foi a melhor mas o ano será de certeza ;)

    Relativamente à pavlova só tenho uma coisa a dizer : PERFEITA!
    Super crocante por fora e tão macia por dentro, que maravilha....

    ResponderEliminar
  2. Tantos crontrastes e tanto sabor! Deve ter ficado uma delicia :)

    _____________________
    aculpaedasbolachas.com

    ResponderEliminar
  3. Que bonita pavlova!! Cá em casa também congelamos sempre as claras :)
    Espero que a tua princesa já esteja bem e que o médico confirme isso!

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. Por cá também congelamos as claras, mas pavlova é que não sai nada bem:(
    Ficou muito linda e apetitosa esta que tentação.
    Amanhã vai correr tudo bem com a pequena de certeza.



    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Já fiz duas e das vezes saiu mal.
    Nem sei se tente a terceira.
    A tua ficou linda e tem um interior delicioso
    Desejo tudo de bom para a ti menina.
    bj

    ResponderEliminar
  6. Ainda bem que a tua nina ta melhor :)
    também me estreei numa pavlova e por acaso também com doce de ovos a pedido da minha irmã.
    A tua ficou linda!!!! Bem apetitosa :)
    Beijinho doce !

    ResponderEliminar
  7. Que pavlova linda e deliciosa e com esse doce de ovos, só pode ter ficado uma delícia mesmo!
    Beijinhos e bom fim de semana,
    Lia.

    ResponderEliminar
  8. hummmmm que maravilha de Pavlova.. também congelo as claras e acho que tenho lá suficientes para 100 Pavlovas...hehehehe... tenho que começar a gasta-las que também não duram para sempre e vou começar por esta receitinha.. :)

    beijinhos e bom fim de semana

    Mafalda
    http://masterchefdealgibeira.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Que pavlova tão gulosa! Eu há muito que não me aventuro a fazer uma mas acho que um dia destes lá vou ter de fazer de novo.

    Beijinhos e bom domingo!

    ResponderEliminar
  10. Nem todas as pavlovas que fiz me saíram bem... Percebi, ao longo dos falhanços, que é importante juntar o vinagre e o amido de milho muito lentamente, sem bater. Percebi tambem que é importante arrefecer totalmente no forno. Percebi tambem que tem tendência para colar no papel vegetal, por isso passei a usar tapete de silicone... Isto para dizer, que se tivesse desistido à 1ª pavlova que correu mal, nunca teria provado esta delicia... Nao deixem de experimentar porque vale a pena.

    Aproveito para agradecer uma vez mais, na so todas as visitas que me continuam a fazer, mas tambem todo o carinho e preocupação pela minha pipoca. Obrigado de coração. Felizmente ela esta bem. Recupera bem. Isso deixa-me tranquila e em paz. Obrigado.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Sobras de salmão

E quando a vida nos dá sobras de salmão o que fazer? Bom, desfiá-lo e fazer um salada fria? Sim é uma hipótese. Desfiá-lo e fazer uma quiche? Porque não? Fazer umas pataniscas de salmão, ou um paté de salmão? Ora… Uns rissóis? Hum… Não! Apetecia-me algo diferente…Mistura de um lado, mistura do outro e assim nasceram estes hambúrgueres. Muito simples mas que permitiram que 200 gr de salmão, que não davam para uma refeição para dois, fizessem duas refeições para dois!!! Sim porque se à noite fui comedida e acompanhei com salada, no dia seguinte foi uma excelente opção para a marmita, entre duas fatias de pão de hambúrguer, tomate e alface. Nham!!!______________________ Hamburgueres de Salmão com mayonese de caril e cebolinho[fez 9 hamburgueres]
Ingredientes:
Para os hambúrgueres:- 200 gr de salmão cozinhado- 1 cebola pequena picada- 2 batatas médias- 1 cenoura pequena- 3 colheres de sopa de coentros picados- 10 azeitonas- 1 colher de chá de açafrão- sal e pimenta qb- pão ralado qb- azeite …