Avançar para o conteúdo principal

Simplicidade de um ovo.

Já referi inúmeras vezes que uma das maiores diferenças que encontro entre o que compro em Milfontes e o que compro em Lisboa são os ovos caseiros. Tenho por hábito, em ambos os sítios, comprar ovos caseiros, mas os ovos caseiros de Lisboa, não podem ser comparáveis aos de Milfontes. Amarelos, quase laranjas, com um sabor genuíno a campo, parece estranho, mas um sabor a ‘galinhas felizes’. Não consigo evitar rir-me do que acabei de escrever, mas é a mais pura das verdades.

Quando os ovos têm esta qualidade, é preciso que tenham um papel principal e resolvi fazer uma salada bem simples, que ajudasse a destacar o seu sabor. Aparentemente, dizem vocês, a mistura é simples e parece nem ligar… Mas é realmente uma combinação e peras! Acho que qualquer dia aventuro-me a escrever um livro sobre combinações chave de alimentos, algumas delas tão improváveis quanto esta… Experimentem, seja como refeição principal, seja como acompanhamento. Uma delicia…

Para escalfar os ovos, coloquei em prática uma técnica que tinha visto o Henrique Sá Pessoa utilizar num dos seus programas de culinária. Colocar um tacho com água a ferver com umas gotas de vinagre e provocar um remoinho com uma colher de pau e deitar o ovo dentro desse remoinho para que a clara ficasse perto da gema, compostinha. Gostei do resultado. Experimentem mas vão precisar de mais um par de mãos porque alguém tem de fazer o remoinho e alguém tem de partir o ovo, hehehe…

___________________

Beterraba assada com ovo escalfado

[serve 2 pessoas]


Ingredientes:

- 2 beterrabas pequenas

- 2 ovos caseiros

- sal e orégãos secos qb


Preparação:

Coloque as beterrabas, com casca, a assar em carvão ou no forno à temperatura máxima, até que estejam cozinhadas (pique com um garfo, devem estar tenras, mas resistentes).

Descasque, corte às rodelas e tempere com um pouco de sal e orégãos secos.

Coloque um tacho com água a ferver com um pouco de sal. Assim que levantar fervura, baixe o lume e adicione umas gotas de vinagre. Com uma colher de pau, mexa até obter um remoinho e parta o ovo para dentro desse remoinho e pare de mexer (até porque precisa das duas mãos!). Conte cerca de 2 minutos e com uma escumadeira, retire e coloque por cima da beterraba. Repita a operação com o outro ovo.

No momento de servir faça o teste: abrindo o ovo a gema deve escorrer. Hummmm uma delicia…

________________________

 

Comentários

  1. Agora até fiquei com água na boca, que delicia!
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Adorei o teu texto. Penso ser uma ideia muito interessante para um livro.
    A tua sugestão agradou-me. Muito diferente, mas original :)

    ResponderEliminar
  3. Eu tenho a sorte de ter os ovos das galinhas da minha avó! E as poucas vezes que tenho que comprar (raríssimas, mesmo), estranho imenso - mal habituada!
    Esta parece uma óptima sugestão, está mesmo a pedir aí pimentinha...

    ResponderEliminar
  4. Queres dizer com isso que as galinhas de Lisboa são tristes?? :)

    Mas essa refeição ficou um mimo :)

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Hummmm Sonia

    Esse ovo piscou-me o olho, ohhhh se piscou... que refeiçao maravilhosa!!!

    Beijocas

    MArgarida

    ResponderEliminar
  6. Eu tenho muitas vezes ovos caseiros e a diferença é de facto imensa!

    Ficou uma salada simples mas perfeita! Adorei a fotografia com o ovo aberto...que maravilha*

    ResponderEliminar
  7. uau mas esta divino demais menina aqui o davi e eu amamos beterraba ..amei a sua bjokas doces

    ResponderEliminar
  8. Que delicia, esse molho a escorrer delicioso.

    Beijinho

    Paula

    ResponderEliminar
  9. Simplesmente adorei, em especial porque foi uma combinação totalmente surpreendente. Mais uma vez os meus parabens á minha Chef, pois sou todos os dias surpreendido com loucuras destas e que me deixam babado. Amo-te

    Mário Marques, aceito ser cobaia todos os dias para estas experiências.

    ResponderEliminar
  10. Olá,
    Desde que vi o chef Sá fazer isso, também comecei a escalfar assim os ovos. Sei do que falas quando referes a cor dos ovos :) tenho a sorte de ter ovos caseiros e biológicos sempre que quero e em nada se comparam aos outros, no sabor e na cor.
    Um belo prato, ficou lindo o contraste de cores, apesar de não ser fã de beterraba.
    Bjns
    Isabel

    ResponderEliminar
  11. Uiiiii... que maravilha. Adorei o truque do avo.. vou experimentar.
    esse ovo a escorrer só dá vontade de ir buscar um bocadinho de pão e lambuzar-me com a gema..heheheh
    bjs

    ResponderEliminar
  12. Como é que uma coisa tão simples dá uma resultado tão bonito, adorei.
    Bom fim de semana
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/07/4-edicao-do-projeto-escolha-do.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…