Avançar para o conteúdo principal

Tarte para um piquenique

As minhas primeiras aventuras gastronómicas remontam aos meus 14 anos... Muito timidamente, tentei colmatar uma lacuna da grande cozinheira que é a minha mãe - os doces... Ela nunca foi muito de fazer doces e para além das gelatinas ou dos pudins mandarins, pouco ou nada aparecia lá por casa ou, se aparecesse, era da casa da minha avó (essa sim uma grande doceira, apesar de não saber ler ou escrever, tem uma base de dados mental infindável).
Uma das sobremesas mais apreciadas era a minha tarte de maçã escondida. Não havia festa em que não fosse pedida. Esta receita foi-me dada já nem eu sei bem por quem, mas vim a encontrá-la mais tarde num livro bem antigo - 'O livro Doce da Nestlé'.
Claro está que fui fazendo algumas adaptações ao longo do tempo, mas confesso que é daquelas tartes que sai sempre bem.
E apesar de já não a fazer há muito tempo (tal foi o 'enjoo' de tantas vezes a fazer no passado) lembrei-me dela por ocasião do piquenique na minha amiga Joana M. Ficou maravilhosa de aspecto e sabor, pena foi ter-se desmanchado um pouco na viagem. Outro aspecto contra foi a falta de frio. É uma tarte de frio sem dúvida...
________________________________________



Tarte de maçã escondida

Ingredientes:
Para a base:
- 200 gr de bolachas digestivas/maria
- 200 gr de manteiga

Para o recheio:
- 3 maçãs
- 6 colheres de sopa de doce
- 2 colheres de chá de canela
- 3 colheres de sopa de açúcar
Para a cobertura:
- 1 lata de leite condensado
- 4 gemas
- 2 dl de natas
- raspa de 1 lima (na receita original 1/2 limão)
- canela qb


Preparação:

Coloque a bolacha e a manteiga no copo da Bimby e programe 8 segundos, velocidade 5. Faça uma bola e deixe no frigorífico um pouco para solidificar um pouco.
Descasque e descaroce as maçãs e coloque no copo da Bimby cortada em gomos (não necessita lavar). Junte o açúcar e programe 4 minutos, 100º, velocidade 1.
Junte a canela e o doce (usei doce de pêra e nêspera, mas na receita original sugere doce de gila, eu gosto das duas maneiras) e programe 10 segundos, velocidade 3. Retire e reserve até arrefecer por completo.
Prepare a cobertura. Sem necessitar lavar o copo da Bimby, adicione uma lata de leite condensado e 4 gemas e programe 8 minutos, varoma, velocidade 2.
Adicione a raspa da lima e as natas e programe 6 minutos, 100º, velocidade 3 e 1/2. Retire e reserve até arrefecer por completo.
Forre uma tarteira de fundo amovível com a base de bolacha. Sobreponha o recheio de maçã e termine com a cobertura de leite condensado. Para terminar polvilhe com canela a gosto e leve ao frio até ao momento de servir (convém que esteja cerca de 3 horas).

Alternativa de Preparação:
Aqueça a manteiga e quando derreter junte as bolachas moídas (pode usar um robot de cozinha ou coloque-as num saco e dê algumas pancadas até desfazer). Misture bem até formar uma massa homogénea. coloque um pouco no frio para ser mais fácil de trabalhar.
Descasque e descaroce as maçãs e coloque num tachinho cortada em gomos. Junte o açúcar e leve a lume brando mexendo sempre e cozinhe até obter um puré. Adicione a canela e o doce (usei doce de pêra e nêspera, mas na receita original sugere doce de gila, eu gosto das duas maneiras) e misture bem. Retire e reserve até arrefecer por completo.
Prepare a cobertura. Leve ao lume o leite condensado e as gemas, mexendo até ficar consistente. Retire do lume, junte a raspa de lima e as natas e misture bem. Retire e reserve até arrefecer por completo.
Forre uma tarteira de fundo amovível com a base de bolacha. Sobreponha o recheio de maçã e termine com a cobertura de leite condensado. Para terminar polvilhe com canela a gosto e leve ao frio até ao momento de servir (convém que esteja cerca de 3 horas).
________________________________________

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Claras

Hoje trago-vos uma forma perfeita de aproveitar claras. Cá por casa congelam-se! Sim pode congelar claras e utilizá-las posteriormente em bolos, omeletes, enfim, no que quiser. A melhor forma de as utilizar é tirá-las do congelador e deixá-las descongelar no frigorífico. No entanto, se as quiser utilizar no momento, por exemplo, num bolo, basta tirar do congelador e picá-las num robot de cozinha (na Bimby, carrego no turbo algumas vezes, até ficarem picadinhas). A partir desse momento pode levantar as claras normalmente. Simples, certo? Como tinha dito AQUI , a passagem do ano não foi a desejável… E numa emergência, foi esta a sobremesa escolhida. Pela facilidade, pela falta de paciência e inspiração, enfim, se eu consegui tão bom resultado em tão mau cenário, tenho a certeza que farão um brilharete. Aproveito para agradecer todo o carinho e preocupação que têm demonstrado aqui no blog e na página de facebook para com a minha princesa. Felizmente ja regressou à vida normal. Os res

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final. Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte: O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mes

Dia um... Na cozinha! - aniversário.

Adoro o intercâmbio culinário que acontece no local de trabalho e não só. Adoro partilhar receitas e que partilhem receitas comigo. Adoro. Foi assim que nasceu o blog. Comecei por trazer alguns bolinhos, foram pedindo as receitas e quando dei conta estavam a propor-me criar um blog. Não um blog com o intuito disto ou daquilo. Um blog para os amigos poderem consultar as receitas que resultam lá em casa. Um blog que me ajudasse a organizar as minhas próprias receitas e todas aquelas que experimento e gosto e tomo como minhas. Este blog é isso mesmo – o meu livro de receitas. E adoro consultá-lo quando tenho dúvidas de como fiz este ou aquele prato que resultaram tão bem. Serve o efeito para o qual foi criado, percebem? Faz-me feliz, o que é ótimo atendendo ao tempo que dispenso a este projeto tão simples, mas tão trabalhoso. Isto para vos contar que num destes dias um colega de trabalho, pelo seu aniversário, trouxe-nos um bolo muito especial – um bolo de nozes com doce de ovos. Inic