Avançar para o conteúdo principal

Do Alentejo... Com Amori!

A família do meu marido é alentejana e confesso que desde que o conheço me tornei uma apaixonada pelo Alentejo…

Ouso dizer que se tivesse coragem, deixava tudo para trás e mudava-me de malas e bagagens para o Alentejo profundo… Sem duvida que me revejo em tudo o que é a cultura e costumes alentejanos.

A comida alentejana é uma comida rica, variada e que vai muito além das açordas e das migas… É uma comida que nasceu em tempos de fome, em tempos em que era necessário improvisar, de poucos recursos e talvez por isso seja tão saborosa e tão distinta de tudo o que já tinha comido… Não consigo deixar de sorrir sempre que o meu marido conta que o pai, fã dos programas da National Geographic, pergunta, sempre que vê um animal mais exótico na TV, ‘Será que é bom ‘pa comeri?’. Se isto não representa o espírito alentejano, não sei mais o que pode representar…

Cardos, catacuzes, beldroegas são só alguns dos ‘legumes’ que aprendi a comer e dos quais me tornei fã. Os poejos e os coentros são hoje presença assídua nos meus canteiros e na minha cozinha. E a carne de porco preto há muito que me conquistou. E ainda só falei dos salgados porque se entrarmos no reino da doçaria, arrisco dizer que os meus doces preferidos são mesmo os alentejanos…

Pois bem, sempre que vou a Évora não resisto a passar no “Fialho”. E foi o próprio Fialho que me transmitiu a receita tradicional da sopa de beldroegas que faço em casa e que hoje partilho convosco.

Quanto às beldroegas, encontram-se nas praças e se hoje são um legume que se encontra já cultivado (o que justifica o valor exorbitante que cobram por ele, comparativamente ao espinafre ou agrião – 2 € o molho!), antes era (e ainda o é no Alentejo profundo, mas não só) uma erva daninha que cresce por todo o lado.

Posso garantir que o sabor é idêntico ao do espinafre, mas em minha opinião, mais saboroso.

_________________________________________

Sopa de beldroegas

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:

- 200 gr de beldroegas

- 300 gr de batatas

- 1 cabeça de alhos

- 2 queijos de cabra duros (cada 50 gr)

- 4 ovos

- 1 litro e meio de água

- sal qb

- azeite qb


Preparação:

Escolha bem as beldroegas e escalde-as abundantemente em água quente (da torneira).

Coloque o azeite numa panela e adicione os dentes de alho com casca (lavados) e deixe alourar um pouco.

Adicione as beldroegas e deixe absorver um pouco o azeite. Corte as batatas às rodelas e adicione às beldroegas. Junte a água e tempere de sal. Adicione os queijinhos cortados em quartos (não vão derreter mas vão dar um sabor fantástico à sopa) e deixe cozer.

Assim que as batatas estiverem praticamente cozidas, adicione os ovos para escalfarem (pode, se preferir, escalfar à parte e adicionar no fim).

Coma bem quentinha com sopas de pão (eu não gosto e por isso como assim mesmo).

_________________________________________

A primeira foto foi retirada de uma pesquisa no Google. As restantes são minhas.

_________________________________________

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…