Avançar para o conteúdo principal

Do Alentejo... Com Amori!

A família do meu marido é alentejana e confesso que desde que o conheço me tornei uma apaixonada pelo Alentejo…

Ouso dizer que se tivesse coragem, deixava tudo para trás e mudava-me de malas e bagagens para o Alentejo profundo… Sem duvida que me revejo em tudo o que é a cultura e costumes alentejanos.

A comida alentejana é uma comida rica, variada e que vai muito além das açordas e das migas… É uma comida que nasceu em tempos de fome, em tempos em que era necessário improvisar, de poucos recursos e talvez por isso seja tão saborosa e tão distinta de tudo o que já tinha comido… Não consigo deixar de sorrir sempre que o meu marido conta que o pai, fã dos programas da National Geographic, pergunta, sempre que vê um animal mais exótico na TV, ‘Será que é bom ‘pa comeri?’. Se isto não representa o espírito alentejano, não sei mais o que pode representar…

Cardos, catacuzes, beldroegas são só alguns dos ‘legumes’ que aprendi a comer e dos quais me tornei fã. Os poejos e os coentros são hoje presença assídua nos meus canteiros e na minha cozinha. E a carne de porco preto há muito que me conquistou. E ainda só falei dos salgados porque se entrarmos no reino da doçaria, arrisco dizer que os meus doces preferidos são mesmo os alentejanos…

Pois bem, sempre que vou a Évora não resisto a passar no “Fialho”. E foi o próprio Fialho que me transmitiu a receita tradicional da sopa de beldroegas que faço em casa e que hoje partilho convosco.

Quanto às beldroegas, encontram-se nas praças e se hoje são um legume que se encontra já cultivado (o que justifica o valor exorbitante que cobram por ele, comparativamente ao espinafre ou agrião – 2 € o molho!), antes era (e ainda o é no Alentejo profundo, mas não só) uma erva daninha que cresce por todo o lado.

Posso garantir que o sabor é idêntico ao do espinafre, mas em minha opinião, mais saboroso.

_________________________________________

Sopa de beldroegas

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:

- 200 gr de beldroegas

- 300 gr de batatas

- 1 cabeça de alhos

- 2 queijos de cabra duros (cada 50 gr)

- 4 ovos

- 1 litro e meio de água

- sal qb

- azeite qb


Preparação:

Escolha bem as beldroegas e escalde-as abundantemente em água quente (da torneira).

Coloque o azeite numa panela e adicione os dentes de alho com casca (lavados) e deixe alourar um pouco.

Adicione as beldroegas e deixe absorver um pouco o azeite. Corte as batatas às rodelas e adicione às beldroegas. Junte a água e tempere de sal. Adicione os queijinhos cortados em quartos (não vão derreter mas vão dar um sabor fantástico à sopa) e deixe cozer.

Assim que as batatas estiverem praticamente cozidas, adicione os ovos para escalfarem (pode, se preferir, escalfar à parte e adicionar no fim).

Coma bem quentinha com sopas de pão (eu não gosto e por isso como assim mesmo).

_________________________________________

A primeira foto foi retirada de uma pesquisa no Google. As restantes são minhas.

_________________________________________

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…