Avançar para o conteúdo principal

O irresistível cheiro a pão quente

Cá por casa a cozinha é dividida a meias com o marido que gosta quase tanto de cozinhar como de petiscar. Partilhamos o gosto por receber. Partilhamos o prazer de fazer tudo ou quase tudo com as nossas 'mãos'.

Desde que temos bimby não voltamos a comprar iogurtes, gelados, sumos, queijo fresco e pão... Tentámos, desde sempre, rentabilizá-la ao máximo, tirar o maior proveito e hoje, dois anos depois, está de tal forma paga que ponderamos a hipotese de adquirir a segunda.

Queijo fresco e Pão são sempre da responsabilidade do meu marido. Pode-se dizer que após tantas experiências se especializou neste dois itens e conhece todos (ou quase todos) os truques para o sucesso... Pelo caminho houve alguns insucessos, mas hoje é indescritível o sabor e textura fantásticas do pão que cá por casa se faz, o cheiro do pão quente acabado de fazer, ou o prazer de comer a melhor dupla de sempre - pão quente com manteiga!

Porque o fim-de-semana chuvoso propícia a lanche em casa, deixo-vos os segredos do pão do Mário.

____________________________________________

Receita para Pão do Bom

Ingredientes:

- 1 Kg de Farinha de Trigo (tipo 65)

- 50 g de Fermento de Padeiro Fresco

- 550 g de Água

- Uma colher de sopa de Sal Grosso


Preparação:


Coloca-se no copo da Bimby 150g de água e o fermento. Dá-se 3 toques de turbo para dissolver o fermento (compramos uma barra de 500 gr e congelamos em unidoses de 50 gr cada). De seguida coloca-se a farinha, o sal e a restante água (350g). Programa-se 5 minutos velocidade espiga. Com as restantes 50g de água, ir adicionando durante o tempo em que estiver a amassar, de forma a garantir que a massa não fica pegajosa.

Retira-se da Bimby e coloca-se num recipiente (alguidar) largo para deixar levedar. Tapa-se com um pano e coloca-se num local abrigado, pelo menos 12 horas (fazemos este processo enquanto fazemos o jantar para cozer o pão pela manhã).

Findas as 12 horas, a massa deve ter levedado até 4 vezes o seu tamanho. Pré-aquece-se o forno a 180º. Quando retirar a massa do alguidar, não voltar a amassar e apenas retirar a massa para cima de um tabuleiro de ir ao forno, dando o formato ao pão que se deseja (deve fazer-se uma bola sem grandes perfeccionismos e sem voltar a amassar o pão, pegando em cada canto e puxando para cima caso a massa quando caia fique demasiado achatada) e deixa-se cozer pelo menos 40 minutos. No fim aumentar o forno para o máximo e deixar mais 5 minutos para ganhar cor. Deverá ter um pão de 1,5 Kg no final.


Para consultar o custo associado a fazer o pão em casa e poder compará-lo com o custo de compra aceda a economia doméstica.



Alternativa de preparação:


Dissolve-se o fermento num pouco de água. Numa superfície limpa ou num alguidar coloque a farinha e abra um buraco no meio. Nesse buraco coloque a água com o fermento e a restante água. Aos poucos vá fechando o buraco com a farinha e amasse bem. A massa terá de ficar bem ligada e não pode agarrar nos dedos. Deixe levedar em local abrigado por 12 horas (pode fazer à noite enquanto faz o jantar e por no forno de manhã).

Findo o tempo, a massa deverá ter aumentado 4 vezes o amanho original. Pré-aquece-se o forno a 180º. Quando retirar a massa do alguidar, não voltar a amassar e apenas retirar a massa para cima de um tabuleiro de ir ao forno, dando o formato ao pão que se deseja (deve fazer-se uma bola sem grandes perfeccionismos e sem voltar a amassar o pão, pegando em cada canto e puxando para cima caso a massa quando caia fique demasiado achatada) e deixa-se cozer pelo menos 40 minutos. No fim aumentar o forno para o máximo e deixar mais 5 minutos para ganhar cor. Deverá ter um pão de 1,5 Kg no final.






















Notas importantes:

1. Nunca cortar o pão logo que sair do forno, deixar arrefecer primeiro, embrulhar o pão em panos, ou deixá-lo sobre uma grelha para evitar que a transpiração do pão o molhe.

2. Fatie o pão com uma boa faca de serrilha e guarde no congelador. Evite utilizar o microondas para o descongelar. Deixe fora do congelador durante 30 minutos e já estará pronto para consumir.

3. A farinha mais barata do mercado é normalmente muito boa para este pão. Normalmente a farinha marca branca dos hípers, saem mais baratas e fazem um pão excelente (preço de farinha no Jumbo é € 0,33).

4. Os resultados com fermento seco não são iguais.

5. Se colocar um recipiente com água no forno durante a cozedura do pão a côdea ficará mais estaladiça.


1. Levedar

2. Massa dobra 4x
3. Colocar no tabuleiro sem amassar
4. Cortar as fatias e comer!
_______________________________________________

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

  1. Adorei, que aspecto óptimo! Da última vez que tentei um kilo de farinha na bimby bão resultou... :( o que será que fiz mal? :/
    O pão fica bom quantos dias? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diabólicas delicias este é o pão que melhor resulta cá por casa. Se seguir as instruções a Bimby não se queixa. A ideia é ir adicionando a agua aos poucos para ir soltando a massa. Eu congelo o pão e garanto que 30 minutos cá fora é o suficiente para parecer pão acabado de fazer. É o pão mais parecido com o alentejano que conheço. Se experimentar depois diga como correu :-)

      Eliminar
  2. Olá, fico feliz que tenha respondido. Ai correu lindamente! Fiz tudo direitinho e ficou tão bom :p
    Quando saiu do forno só me apeteceu por-lhe o dente mas embrulhei-o numa toalha e esperei uma hora +/- até lhe fincar (hihihi) ainda estava quente e nem foi preciso manteiga :) Obrigada

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…