Avançar para o conteúdo principal

Marmelada

Nunca escondi o quanto adoro o outono... Em 7 anos de blog já publiquei inúmeras receitas com frutos e legumes do outono. Embora as castanhas sejam de longe a minha fruta preferida, o marmelo está quase a par.

E quando o marido vai apanhar figos da Índia e nos traz 5 kg de marmelos a que se juntaram mais 5kg oferecidos pelo Pedro e pela Claudia (obrigado de coração), há que tomar medidas. Sendo totalmente biológicos, os bichinhos que trazem dentro começam a passear pela cozinha e é necessário processar rapidamente.

Lembrei-me da minha querida Cila que há dois anos partilhou comigo a receita da única marmelada de que tinha gostado... E resolvi adaptar a receita dela ao nosso estilo de vida, isto é, aventurar-me a fazer marmelada sem açúcar refinado. E não é que resultou lindamente! 

Claro que não se trata daquelas marmelada de cortar à faca. Claro que não é tão doce como a marmelada comum. Claro que não dura meio ano em cima dos armários, porque não tem ponto de açúcar! Mas sabe a marmelo e é uma delicia e não precisamos de nos preocupar com a sua curta duração, porque antes de se estragar já se comeu...

Uma das vantagens desta receita é que se pode fazer a qualquer altura do ano. Pode-se cozer o marmelo, congelar a polpa já passada e depois de descongelar fazer a marmelada quando se quiser. Fica exatamente igual.

Claro que não fiz 10 kg de marmelada, mas outra das soluções que costumo ter é sempre gomos de marmelo congelados que costumo juntar nos assados de carne, em especial quando asso Peru. Liga lindamente com batata doce ou castanhas assadas. 








Marmelada Paleo

Ingredientes:
- peso da polpa de marmelo cozido (880 gr)
- metade do peso da polpa de marmelo de água de cozer o marmelo (440 gr)
- um quarto do peso da polpa em tâmaras descaroçadas ou pasta de tâmara (220 gr)
- 1 casca de laranja
- 1 casca de limão
- 1 pau canela

Preparação:
Descasque os marmelos, retire os caroços e corte em gomos e coloque num tacho com água a cozer. Quando estiverem cozidos, no meu caso demoraram cerca de 15 minutos, escorra a água (que deve reservar) e reduza o marmelo a puré. Pese e reserve.

Coloque num tacho água de cozer o marmelo (ou simplesmente água) na proporção de metade do peso da polpa. No meu caso, tinha 880 gr de polpa e coloquei 440 gr de água da cozedura.

Adicione à água um quarto do peso da polpa de marmelo em tâmaras (usei 200 gr) ou pasta de tâmaras (encontra-se no celeiro ou na myosotis para quem vive em Lisboa), o pau de canela e as cascas dos citrinos. Quem utilizar tâmaras, o peso é sem caroço.

Leve ao lume até levantar fervura. Reduza o lume e conte 5 minutos. Findo o tempo, é suposto ter uma "calda". Caso ainda tenha pedaços de tâmara que não se desfizeram, passe com a varinha mágica ou com outro robot de cozinha (retire a casca da laranja, do limão e o pau de canela antes). Junte a polpa de marmelo reservada e mexa bem uns 5 minutos. Está feita. Basta só deixar distribuir em frascos ou tigelas e depois de fria conservar no frigorífico cerca de 2 a 3 semanas.

Caso utilize polpa de marmelo congelada, faça apenas a receita da calda e junte a polpa (descongelada).

Adoramos a combinação da marmelada com queijo de cabra... Bom apetite!

Comentários

  1. Que rica marmelada.
    Não sabia que dava para fazer assim com tâmaras em vez de açúcar.

    Beijinhos,
    Clarinha
    https://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.com/2018/10/world-bread-day-e-um-pao-pizza-de.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…