Avançar para o conteúdo principal

Pão saudável

Desde 2009 que faço o nosso próprio pão. Primeiro com todos os ingredientes “normais” de um pão (falo em especial do trigo) e em todos os formatos que conhecemos... mas com a mudança de estilo de vida, em que os cereais e o açúcar deixaram de fazer parte da nossa lista de ingredientes, foi necessário ler outras receitas, testar outras técnicas e adaptar o pão ao novo estilo de vida. Embora a base da nossa alimentação seja carne, peixe, fruta e vegetais, ficaram para trás 50 anos de alimentação mediterrânea em que o pão tem presença obrigatória e mais ainda quando temos raízes alentejanas.

Não somos celíacos, nem diabéticos, nem temos doenças conhecidas, mas mudar faz parte da vida e foi o mudar que nos permitiu conhecer outros sabores e outras realidades. Não somos radicais ou fundamentalistas, embora hoje em dia, quebrar com o status quo, seja sempre considerado radicalismo ou seita ou dieta da moda... ou algo depreciativo, que a industria alimentar e farmacêutica vai incutindo em todos nós para poder continuar a vender...

Apesar de tudo há padrões alimentares que são parte da nossa cultura e comer pão é uma delas. Por isso tivemos de adaptar o “pão”... esta receita é adaptada de outras (em especial desta) mas já com um toque nosso, um toque de UmaPedraDeSal...




Pão sem glúten 

Ingredientes:
- 420g Polvilho doce
- 400g Farinhas de sementes (200g farinha de Trigo Serraceno, 150g farinha de sementes de linhaça e 50g Farinha de Aveia sem Glúten) - 4 colheres de sopa de azeite virgem extra
- 1 colher de sopa de sal marinho
- 1 pacote de fermento 
- 250 a 300 g de água 

Preparação:

Este pão não precisa de fermentação, a utilização do fermento de padeiro serve apenas para a criação de bolsas de ar por forma a torná-lo fofo e com aspecto de um pão alentejano... Contém hidratos de carbono, logo deve ser consumido com moderação.

Num recipiente juntar todos os ingredientes pela ordem indicada, com exceção da água. O polvilho doce é muito fino e deve ser envolvido com a restante farinha com cuidado. 

Após todos os ingredientes estarem envolvidos, passamos à água, vá adicionado até que a massa faça uma bola, embora pegajosa, mas que não seja liquida e se consiga moldar. 

Forre uma forma de bolo inglês com papel vegetal e espalhe ali a massa calcando de forma a que esta se molde a forma. 

Alise a parte superior da massa, para isso molhe a mão e depois alise a superfície da massa, não tem problema em ficar bem molhada. 

Aqueça o forno a 180°C, enquanto o forne aquece, deixe a massa repousar, só depois de o forno chegar aos 180°C e o ambiente estiver bem quente é que deve colocar no forno durante 60 minutos.

Findos os 60 minutos retire o pão da forma e coloque mais 10 minutos novamente no forno. Retire e coloque sobre uma grelha para arrefecer, a grelha permite a circulação do ar e evita a criação de humidade. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…