Avançar para o conteúdo principal

Tarte rústica de cereja e chocolate

Antes de ir para férias costumo fazer uma lista de receitas que quero fazer/experimentar. É em férias que tenho mais tempo para dedicar à cozinha, à criação de sabores novos com que mimo os meus. Há quem goste de ler, ouvir música, estar deitado na praia. Eu gosto de tudo isto, mas gosto muito de mais de cozinhar... 

Uma das receitas que levava para fazer era uma tarte rústica que tinha espreitado AQUI. O difícil não foi arranjar tempo, mas arranjar cerejas que não desaparecessem logo a seguir a serem compradas... E em duas semanas, foram algumas as vezes as que as comprei e muitas as vezes em que desapareceram. E mesmo no último dia, no domingo, já em compras para a semana de trabalho lá comprei as benditas cerejas, arregacei as mangas e fiz finalmente a tarte! Mesmo ao fechar do pano destas férias que me souberam tão bem. 

A receita guardada foi o mote, mas acabei por adaptar a receita de galette que sempre fiz cá em casa (ESTA), aos novos ingredientes que usamos. E assim fizemos uma tarte deliciosa, sem açúcares e farinhas refinadas, sem lactose, sem processados... E desta vez, sem ovos. E o melhor de tudo, ficou deliciosa... 

Aos que vão de férias, boas férias, aos que regressam como eu, respirem fundo, e enfrentem agosto de frente, neste, que é para mim, o melhor mês para se trabalhar :-).





Tarte rústica de cereja e chocolate negro

Ingredientes:

Para a base:
- 100 gr de farinha de amêndoa (usei com pele)
- 100 gr de farinha de mandioca (não se trata de polvilho)
- 100 gr de óleo de coco sólido
- 30 gr de açúcar de coco
- 1 colher chá de canela
- 1 pitada de sal
- água fria se necessário 

Para o recheio:
- 200 g de cerejas
- 100 gr de chocolate 70% cacau (quanto mais % de cacau melhor...) picado grosseiramente com uma faca
- 1 colher de sopa de polvilho doce

Preparação:
Pré-aqueça o forno a 180º. Descaroce as cerejas e abre-as ao meio. Coloque numa tigela e adicione o polvilho, envolvendo-as. Reserve.

Misture todos os ingredientes da base até obter uma massa areada, mas moldável. Caso a massa esteja densa, junte água fri, colher a colher, até obter a consistência que deseja. Por fim, leve ao frio uns 15/20 minutos. 

Num tabuleiro de forno disponha uma folha de papel vegetal e coloque por cima a massa da base. Coloque uma segunda folha de papel vegetal por cima e com o rolo da massa tenda até obter uma circunferência não demasiado fina. Se não conseguir uma forma circular não se preocupe que foi por isso que a batizei de tarte rústica.

Deixe a toda a volta cerca de 1,5 a 2 cm, distribua o chocolate picado na restante área e por cima as cerejas reservadas. Sem grande técnica, dobre o espaço que não recheou em volta. O objetivo não é cobrir o recheio, mas antes evitar que o líquido que se possa formar extravase a tarte, já que esta não é feita numa tarteira mas num tabuleiro.

Leve ao forno por 45 minutos ou até que a massa esteja crocante. 

Delicie-se com esta tarte divinal ainda morna... Com o chocolate ainda meio derretido. Nham!




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…