Avançar para o conteúdo principal

Batata doce recheada

Adoro batata doce. Engraçado como até à pouco tempo era um tuberculo que raramente entrava cá em casa. Não fazia parte das minhas compras habituais, nem nunca fez das dos meus pais.

Hoje não a dispenso ao contrário da batata comum que radicalmente foi excluída da nossa alimentação. É claro que não deixa de ter hidratos de carbono, mas não me importo mesmo nada de trocar outros hidratos por este.

A sua versatilidade é incrível e cá por casa tanto a comemos cozida, como assada, como recheada, como em sobremesas. A imaginação é o limite.

As batatas doces que trago hoje serviram para acompanhar um prato de carne, mas podem perfeitamente ser uma refeição por si só. São deliciosas e adoro o contraste entre o quente da batata e o frio  do queijo feta, o doce da batata, o ácido do tomate e o salgado do queijo. 

Experimente que aposto que vai adorar!

 
 


Batata doce assada recheada

Ingredientes:
- 2 batatas doces
- 1 tomate
- 1/2 cebola roxa
- 6 azeitonas descaroçadas
- queijo feta qb
- sal, azeite, salsa e sumo de limão qb
 

Preparação:
Pré-aqueca o forno a 200º e asse as batatas até que estejam tenras (cerca de 30 minutos, depende do tamanho).

Corte o tomate e a cebola em cubinhos (tipo salsa mexicana). Tempere com sal, azeite e sumo de limão. Adicione salsa picada. Reserve.

Abra as batatas doces e em cima de cada abertura deite o tomate, metade das azeitonas e queijo feta a gosto esfarelado.

São um ótimo acompanhamento de um prato de carne (estas serviram para acompanhar uma bifana de porco preto) ou como prato principal. O doce e quente da batata contrasta lindamente com o ácido do tempero do tomate.

Comentários

  1. Eu adoro batata doce desde pequena em Angola que estou habituada a comer.
    Costumo comprar da de polpa laranja que é a minha preferida.
    Recheada nunca fiz, essa ficou um aspecto delicioso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…