Avançar para o conteúdo principal

Porque não?

Quando decidimos que íamos seguir um regime paleo, na primeira semana andamos perdidos... Quando dávamos conta já estávamos atrasados de manhã, porque tínhamos demorado demasiado tempo a preparar o pequeno almoço ou os lanches para o dia inteiro. 

Na segunda semana começamos a fazer um plano na tentativa de sermos mais objetivos quanto aos pequenos almoços e pouparmos tempos demanha, fazendo um esforço para preparar o máximo no dia anterior. 

Claro está que se vão comer ovos estrelados ou mexidos, talvez não seja boa ideia preparar à noite e aquecer de manhã. No dia seguinte basta só colocar uma frigideira ao lume e fazê-los. Demora tanto quanto abrir um papo seco e colocá-lo na torradeira para fazer uma torrada.

Mas às vezes gostamos de comer cogumelos salteados com ovos escalfados! Sim nós comemos cogumelos com ovos escalfados logo demanha... Porque não? Estivemos algumas horas em jejum, desde o jantar do dia anterior e é demanha que se começa o dia! Garanto que os níveis de energia são incomparáveis! Já não consigo viver sem comer ovos de manhã....

Pois claro que não vamos estar a lavar e cortar cogumelos logo de manhã. Ou a salteá-los... Então o que fazemos é fazer toda essa parte no dia anterior e no dia seguinte só aquecemos no microondas. Metemos um tacho ao lume com água a ferver e escalfamos os ovos enquanto o Diabo esfrega um olho, ou melhor, enquanto preparamos o pequeno almoço da pequenina que ainda não se rendeu a este estilo de vida...

Neste pequeno almoço não demorei mais do que 15 minutos. E enquanto a água ferveu e sentei a Joana, ainda cortei um kiwi para partilhar com a cara metade e um queijo fresco de cabra. E que bem que soube este pequeno almoço... 

 
 

 
Cogumelos salteados com ovos escalfados
[serve 2 pessoas]

Ingredientes:
- 2 ovos (ou + caso apeteça mais do que 1 por pessoas)
- mistura de cogumelos a gosto
- 1 dente de alho
- sal e tomilho seco qb
- azeite qb

Preparação:
Lave bem os cogumelos e seque-os bem. Corte em lâminas.
Pique o dente de alho e coloque numa frigideira com um fio de azeite.
Coloque ao lume e quando os alhos começarem a alourar junte os cogumelos e deixe saltear.  
Tempere de sal e com um pouco de tomilho seco se apreciar.

Num tacho com água abundante e um fio de vinagre deixe levantar fervura. Assim que a água comece a ferver, com uma colher mexa para formar um remoinho e deite no interior do mesmo o ovo.  Deixe cozinhar em lume brando até estar a seu gosto. Retire com uma escumadeira e coloque por cima dos cogumelos. Tempere de sal e pimenta no momento de servir.

 
(Imagem retirada da net)

Antes não acertava com os ovos escalfados. Tentei todos os truques mas nunca saiam bem. Um dia, por acaso, usei ovos biológicos e saíram bem à primeira. E à segunda e à terceira. Não voltei a usar outros.
Tenha atenção quando comprar ovos biológicos no supermercado porque a embalagem nem sempre é clara. Consulte o carimbo do ovo que deverá ser "0 PT". Caso preferira uma solução mais económica, os ovos de galinhas criadas ao ar livre são igualmente bons "1 PT".

Para facilitar os pequenos almoços, faça mais quantidade para dar para mais do que um pequeno almoço. Outra opção é planear as suas refeições e no jantar em que fizer bifes com cogumelos, por exemplo, guarda já alguns cogumelos para o pequeno almoço do dia seguinte.

Não existe apenas uma alimentação paleo e poderão encontrar inúmeras versões mais e menos restritivas quanto aos produtos que podemos comer. Ainda que a base seja a carne, o peixe, os legumes e a fruta, as teorias menos restritivas permitem o consumo de laticínios. Cá por casa não os retiramos por completo, com exceção do leite que há muito que não consumíamos. Além disso, preferimos o consumo de laticínios de cabra ou de ovelha. Claro que deveríamos previlegiar queijos mais curados, em que a lactose tivesse menos presente, mas por vezes descomplicamos e comemos estes queijos frescos de cabra, que compramos diretamente ao produtos no dia em que são feitos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…