Avançar para o conteúdo principal

Mais um pequeno almoço

Um dos grandes dilemas de quem quer começar a seguir um regime paleo é não saber o que comer ao pequeno almoço. A verdade é que o pão e leite com café está muito enraizado no pequeno almoço português... E é comum ficar-se perdido nos primeiros tempos... 

Para me facilitar a vida assumi que todos os dias como ovos, um dos produtos mais completos e que me dará a energia que preciso para uma manhã atarefada. Só varia a quantidade e a forma como os confecciono. E posso garantir que em 4 meses de alimentação paleo nunca repeti um pequeno almoço. 

O pequeno almoço sempre foi a minha refeição preferida. Mas quando o tempo está contado é sempre complicado ter inspiração a conta relógio. Sempre que posso preparo o máximo no dia anterior. Mas por vezes faço de improviso ao gosto do que tenho no frigorífico ou na fruteira. 

Num destes dias da semana fiz a sugestão que publico hoje. Descobri a técnica, que partilho hoje, na blogosfera e confesso que me facilita muito a vida. Não há tempo para fazer batata doce no forno demanha. Colocá-la na tosteira é muito pratico e acaba por tomar-me o tempo de estrelar o ovo e empratar.

 
 
 
Ovo estrelado com batata doce na tosteira
[serve 2]

Ingredientes:
- 2 ovos (ou mais)
- 1 batata doce
- 1 kiwi
- salada a gosto (usei alface e beterraba ralada)
- azeite e sal qb

Preparação:
Ligue a tosteira. Descasque a batata doce e corte longitudinalmente com cerca de 0,5 cm de espessura. Coloque na tosteira.

Coloque um pouco de azeite numa frigideira anti-aderente e estrele os ovos. Tempere com sal. Descasque o kiwi e corte às fatias.

Coloque no prato a salada, o ovo a batata doce já cozinhada e temperada de sal e o kiwi. Aprecie...


Não precisa de complicar demanha, simplifique. Imagine as mil e uma formas de cozinhar ovos e acompanhe-os de salada ou de legumes cozidos que tenha cozido a mais.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…