Avançar para o conteúdo principal

A pizza preferida

Como tive oportunidade de dizer AQUI, para tentar ultrapassar a questão de ter cada vez menos tempo de comentar os blogs que sigo periodicamente, mas ao mesmo tempo dar o devido mérito a cada um deles, resolvi começar a fazer as receitas que há muito recolho e ficam para mais tarde experimentar. São aquelas receitas que me deixam a salivar, por uma razão ou por outra. E esta foi a forma que encontrei de partilhar estas delícias convosco e ao mesmo tempo destacar/elogiar o trabalho de quem as criou e publicou.

A receita que trago hoje vem de um blog ao qual me rendi totalmente - mesa corrida!. Sabem quando encontramos alguém que faz o tipo de comida de que gostamos? Foi essa a sensação que tive quando visitei este blog pela primeira vez. Se a autora deste blog tivesse um restaurante, acho que diariamente estaria sentada à sua mesa para almoçar. Um verdadeiro rombo no orçamento!

Pois bem, de todas as receitas que imprimi para mais tarde experimentar, esta que vos trago hoje foi aquela que tive de fazer no próprio dia. Porque só de olhar para ela sabia que ia ser boa. Porque só de olhar para ela, sabia exatamente a que sabia. E as expetativas não foram goradas. E só posso aplaudir de pé a autora (da mesma forma que fui aplaudida quando o meu marido a provou) porque de repente se tornou a pizza preferida da gente cá de casa. Já repetida 3 vezes até conseguirmos tirar estas humildes fotografias. OBRIGADO!

Claro está que cozinhar é como contar uma história (quem conta um conto acrescenta um ponto). Eu adaptei um pouco a receita, mas a sua essência está totalmente lá.

________________________

Pizza de queijo azul e pêra

[serve 4 pessoas]


Ingredientes:


Para a massa (receita do Paul Hollywood):

- 250 gr de farinha 00 ou T65

- ½ saqueta de fermento seco (fermipan)

- 5 gr de sal

- 2 colheres de sopa de azeite

- 150 ml de água


Para a cobertura:

- queijo mozarela qb

- 1 pêra grande

- nozes qb

- tiras pequenas de bacon qb

- mel qb

- queijo azul qb (usei roquefort)


Preparação:

Amasse bem os ingredientes da massa de pizza até obter uma massa elástica. Coloque num recipiente untado com azeite e deixe descansar pelo menos 1 hora até dobrar de volume.

Findo o tempo, pré-aqueça o forno a 250º.

Divida a massa em 4 bolas e tenda 4 discos de pizza numa superfície enfarinhada. Coloque em tabuleiros forrados com papel vegetal. Reserve.

Numa frigideira antiaderente alouro as tiras de bacon ligeiramente e reserve.

Cubra as bases de pizza com um pouco de queijo mozarela ralada. Distribua pedacinhos de bacon a gosto. Espalhe miolo de noz grosseiramente partido e pedaços de queijo azul. Fatie a pêra fininha (usei com casca) e espalhe por cima. Finalize com um pouco de mozarela e um fio de mel por cima.

Leve ao forno cada uma das pizzas até estarem douradas. No meu caso demorou cerca de 7 minutos porque deixei as bases bem fininhas e não as queria muito queimadas.


Nota: Este é do tipo de massas de pizza de ficam com buraquinhos crocantes na massa. Mas só despontam em temperaturas de forno de 250º ou mais.

_________________________

Comentários

  1. Que bom aspeto! É uma pizza que nunca provei! Também gosto muito da Mesa Corrida, descobri recentemente e fiquei apaixonada! Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Olá Sónia. Muito obrigada pelos comentários, que só peçam por exagerados :-) fico feliz por uma blogger que admiro ter experimentado e gostado desta pizza. Também passou a ser uma das minhas preferidas.
    Beijinhos, Paula

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Tarte de maçã

Quando percebemos que este é o tipo de alimentação em que nos revemos uma das preocupações surgiu com as visitas para jantar. O que servir? 
Na verdade os amigos já mostram curiosidade assim que percebem que mudamos a forma de comer, embora achem que é uma moda passageira. Ainda assim, quando nos convidaram a primeira vez para almoçar ficaram apreensivos e ligaram a perguntar o que nos podiam servir ao almoço. Estavam verdadeiramente preocupados...
Claro que lhes explicamos que podiam fazer uma carne ou um peixe porque a única coisa que mudava era o acompanhamento. Aproveitei e ofereci-me para levar uma salada, que por sinal foi do agrado de todos, e ajudou a derrubar barreiras.
Num destes dias surgiu um jantar improvisado cá por casa com uns amigos de que gostamos muito. Para finalizar uma refeição soberba, que acho que foi do agrado de todos, fizemos uma tarte de maçã. Dizia-me a minha amiga "não sei como tens tantas ideias, eu nem sei por onde começar". Eu partilhei o meu se…