Avançar para o conteúdo principal

O melhor bolo de laranja

Sou gulosa assumida e fico deslumbrada quando vejo bolos vistosos, com cobertura ou várias camadas de recheio. Fico assim tipo de olhos esbugalhados, com a saliva a crescer na boca e a sonhar com o sabor delicioso que algo assim deve ter… O verdadeiro pecado da gula vem ao de cima perante tais pornografias gastronómicas, é inevitável, para além dos muitos quilos que engordo só de olhar.

Mas a verdade, verdadinha é que quando me apetece comer um bolo, apetece-me sempre algo de aspeto caseiro, despretensioso, simples de fazer, com poucos ingredientes e aromas clássicos.

Desta vez o mote veio de um doce de laranja que fiz e que ficou delicioso… Apetecia-me um simples bolo de laranja coberto por este doce, caindo em fio, tentando os menos gulosos.

O resultado final ficou muito além do esperado… Ficou soberbo, a lembrar que às vezes as coisas simples ainda são as melhores. São servidos de uma fatia?

_______________________

Bolo de laranja com calda de doce de laranja


Ingredientes:

- 150 gr de manteiga à temperatura ambiente

- 1 queijo fresco pequeno (se não tiver utilize 200 gr de manteiga)

- 200 gr de açúcar

- 4 ovos L

- raspa de 1 laranja

- sumo de 1 laranja (100 ml)

- 250 gr de farinha para bolos

- 1 colher de café de fermento em pó para bolos

- doce de laranja qb (usei Este)


Preparação:

Pré-aqueça o forno a 160º.

Bata a manteiga e o queijo fresco até estarem bem ligados. Junte o açúcar e bata mais um pouco até obter um creme esbranquiçado.

Junte os ovos, uma a um, batendo bem entre cada um deles.

Junte a raspa e o sumo da laranja e una bem.

Sem bater, junte a farinha e o fermento peneirados.

Untar uma forma retangular (tipo bolo inglês) e forrar com papel vegetal. Colocar a massa e levar ao forno por 1 hora.

Faça, no entanto, o teste do palito e caso necessário deixe mais algum tempo.

Desenforme ainda morno, retire o papel vegetal e termine com doce de laranja por cima a gosto.

___________________________

 

Comentários

  1. Tem um aspeto tão guloso, deve ser uma delicia.

    Bjs.
    Paula

    ResponderEliminar
  2. Eu aceito a fatia e levo a receita comigo! Também prefiro os bolos simples quando são para eu própria comer.
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Olá! Também gosto muito de bolo de laranja e este, com o doce por cima deve ter ficado delicioso!
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Com um aspecto destes, quem não é servido? Eu sou!!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  5. Eu adoro bolos de citrinos, não resisto a experimentar novas receitas!
    Ficou perfeito, que óptimo aspecto :)

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. que bolinho maravilhoso!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Adoro bolos de laranja adoro fazê-los e come-los :D O teu ficou lindo e com um aspecto delicioso Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
  8. Adoro laranja e este bolo tem um ar tão apetitoso.

    ______________________
    Ana Teles | Telita
    blog: Telita na Cozinha


    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…