Avançar para o conteúdo principal

Mais comida indiana

Adoro comida Indiana. Adoro caril, adoro especiarias. Como é lógico, assim que na academia Feed Me apareceu um curso de comida indiana, não hesitei em inscrever-me. Não me arrependi. Sem dúvida que o Paulo Morais é uma estrela em ascensão e a forma como explica consegue simplificar o mais complexo.

É inspirado neste curso que trago hoje um petisco, uma entrada, muito simples mas muiiiiiiiiiito boa. Mesmo para quem não é assim tão fã de comida indiana.

A verdade é que é uma excelente forma de iniciar uma refeição, ou simplesmente para petiscar numa boa conversa entre amigos. Experimentem e digam o que acharam, sim?

_____________________

Pão Naan com Raita de tomate e pepino

[serve 4 pessoas]


Ingredientes para o Pão Naan:

- 75 ml de leite

- 7 gr de Fermipan (um pouco mais de metade de uma saqueta)

- 1 colher de sopa rasa de fermento para bolos (pó Royal)

- 1 colher de sopa rasa de açúcar

- 250 gr de farinha T65

- 1 colher de sobremesa de sal fino

- meia embalagem de iogurte natural

- 1 colher de chá de óleo ou Ghee (+ qb)


Ingredientes para a Raita de tomate e pepino:

- 35 gr de pepino (meio pepino)

- 35 gr de tomate (meio tomate)

- 1 colher de chá de sementes de mostarda

- 3 iogurtes naturais (usei da Danone)

- 1 colher de café de Garam Massala

- 2 colheres de café de sal fino


Preparação:

Comece pelo pão já que tem de levedar 1 hora. Aqueça ligeiramente o leite no micro ondas e dissolva o fermento. O leite não pode estar demasiado quente senão os bicharocos morrem e não têm o efeito desejado no pão. Junte o açúcar. À parte, misture a farinha, o sal e o fermento para bolos. Junte o leite, a ghee/óleo e o iogurte.

Misture bem e amasse até obter uma massa não pegajosa. Deixe repousar por uma hora.Num passador de rede coloque um pano de algodão fino, sem pelos, e deite os iogurtes para que escorram.

Entretanto, tire a pele ao pepino e as sementes e pique bem a polpa. Faça o mesmo ao tomate. Retire a ambos o máximo de líquido que conseguir. Não aconselho utilizar uma mandolina, já que terá tendência a libertar mais água do tomate e do pepino.

Vá espremendo o pano com o iogurte para que liberte o máximo de soro possível.

Numa frigideira antiaderente aloure ligeiramente a garam massala e as sementes só para abrir o aroma. Numa tigela, misture as especiarias, o tomate e o pepino e o sal fino. Junte o iogurte bem espremido (nesta altura terá uma textura tipo queijo creme). Misture bem e sirva com o pão naan.

Após uma hora a levedar, aqueça uma chapa de fogão ou uma frigideira antiaderente. Faça bolinhas de massa e estique com um rolo ou simplesmente com as mãos. Pincele com um pouco de ghee derretida e cozinhe na chapa voltando assim que esteja dourada.


Nota: A ghee, ou manteiga clarificada, é uma manteiga indiana que se encontra, ou em lojas da especialidade, ou na área internacional de alguns hipermercados como o Jumbo.

A embalagem que utilizo é esta que aparece do lado direito. Caso não encontre, utilize óleo vegetal. Ainda que o sabor não seja tão característico, o resultado final será muito semelhante.

A manteiga clarificada não é mais do que a parte da gordura que se separa do líquido quando se derrete manteiga normal. A parte líquida fica por baixo e a parte da gordura fica ao de cima. É esta parte que é manteiga clarificada e pode utilizar nesta receita.


A garam massala é uma mistura de especiarias que, tal como a ghee, se encontra em lojas da especialidade ou na área internacional de alguns hipermercados como o Jumbo. A embalagem que utilizo é esta que aparece do lado esquerdo.

_____________________

 

Comentários

  1. Não é por nada, mas começo a achar que é o momento da derradeira pergunta... Há inscrições para mais cobaias? :)

    ResponderEliminar
  2. Gosto imenso de comida indiana, mas confesso que sei muito pouco!
    Esta partilha de conhecimento agrada-me muito!! Vou anotar :)

    ResponderEliminar
  3. Eu também adoro comida indiana e esta tua sugestão está deliciosa!!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  4. Adoro pão naan caseiro, a raita nunca provei, mas parece deliciosa!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Adorei :)
    Beijinhos,

    Vânia
    http://coisasecoisinhasdecomerechorarpormais.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Não conheço estes ingredientes, mas gostei do aspeto.
    Bjs, Susana

    ResponderEliminar
  7. Susy tens mesmo de experimentar, nao te vais arrepender se gostas de comida indiana!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…