Avançar para o conteúdo principal

Halloumi

Adoro experimentar ingredientes novos. Uma coisa são as refeições do dia-a-dia, outra é o cozinhar para relaxar, por prazer, com tempo. E nesses momentos gosto de experimentar coisas novas. O queijo Halloumi fazia parte do meu imaginário e parecia que quase sabia o sabor, sem nunca o ter experimentado, só pelos relatos de todos os cozinheiros estrangeiros que o utilizam nas suas receitas.

Um destes dias finalmente encontrei-o. Segundo tinha lido sobre ele é um queijo que se predispõe a ser aquecido e que normalmente não se derrete e por isso lembrei-me de fazer uma salada. Se o objetivo era experimentar o sabor do queijo, não queria que nada de demasiado forte em termos de sabor se sobrepusesse.

Pois experimentei numa salada morna, com peru, mas não gostei… Assim que o coloquei na frigideira começou a derreter-se como se fosse queijo fresco. Tirei-o de imediato e de repente parece que ficou tipo borracha. Em termos de sabor, nada de especial e esta salada teria ficado mil vezes melhor com um bom queijo português dos muitos queijos portugueses bons que o nosso país tem.

No entanto, queijo à parte, esta salada morna ficou deliciosa e por isso resolvi sugeri-la. Uma boa sugestão que mostra que há saladas que caem bem no inverno. Adoramos esta aqui por casa. Claro está, sendo uma salada, não deixo quantidades. Fica um bocadinho ao gosto de cada um, à quantidade de comensais e ao propósito da refeição (se será uma entrada ou prato principal).

____________________

Salada morna de peru com manga, abacate e amêndoas


Ingredientes:

- Alface

- Rúcula

- Tomate cereja

- Manga (verde)

- Amêndoas (com casca)

- Queijo Halloumi ou outro (duro)

- Abacate

- Bifes de peru

- Azeite, vinagre, sal, alho em pó, sumo de limão


Preparação:

Lave bem a alface e a rúcula e seque bem. Disponha na travessa/saladeira onde irá servir.

Corte bifes de peru em tiras finas (pode pedir previamente no talho peru cortado para strogonoff), tempere com sal e alho em pó e salteie numa frigideira antiaderente com um fio de azeite. Retire e reserve.

Corte o queijo Halloumi em fatias grossas e passe na frigideira. Retire e reserve. Se usar outro queijo, basta cortá-lo e juntar à saladeira.

Parta as amêndoas grosseiramente. Reserve.

Corte o abacate em cubos grosseiros e regue com um pouco de sumo de limão para não oxidar. Reserve.

Descasque e corte uma manga não muito madura em cubos. Reserve.

Adicione todos os ingredientes à travessa/saladeira e sirva com uma vinagrete feita com azeite e vinagre temperada de sal.

_____________________

 

Comentários

  1. Gostei da sugestão da salada, o queijo não conheço.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Adoro halloumi, já não como há imenso tempo, realmente é um queijo diferente
    Deixo-te uma sugestão http://sweetmykitchen.blogspot.pt/2012/01/queijo-halloumi-com-malagueta.html

    ResponderEliminar
  3. Muito estranho o facto do halloumi se ter derretido, pois já cozinhei com ele centenas de vezes e nunca se me derreteu nem um bocadinho. Aliás, é, como escreves e bem, uma das suas características...
    O sabor, concordo contigo, não é nada de especial, mas é considerado um queijo veículo para receber sabor. Bom, de qualquer forma, ficou super linda e apetitosa a tua salada.
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  4. Até achei que me tinha enganado no queijo... Mas nao. Ou era falsificado ou so posso ter feito algo errado, LOL. O queijo começou a querer derreter! No. Derretendo ou nao, nao apreciei o sabor! Um bom queijo da ilha ficaria muito melhor!

    ResponderEliminar
  5. Simples, Saudável e delicioso adoro!

    Cores lindas chegamos à primavera:)

    Aproveito para te convidar no meu passatempo da receita saudável, que está a decorrer aqui gostava muito que participasses:)
    http://prazeressaudaveis.blogspot.pt/2014/03/1-aniversario-blogue-passatempo-do-1.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…