Avançar para o conteúdo principal

Acompanhamento diferente

Há muito que desisti de fazer uma lista de ‘To Dos’. Para quem não sabe, é basicamente uma pilha de receitas, seja em formato papel, seja em formato digital, que guardamos para um dia fazer e o tempo passa e nunca fazemos. Pelo menos no meu caso tem funcionado assim…

São muitas as minhas fontes de inspiração. Leio, vejo, pesquiso e o resultado final acaba por ser o conhecimento adquirido. Como a minha querida Anabela um destes dias me disse, “o conhecimento é o que sobra depois de termos esquecido o que estudamos”. Não podia concordar mais com ela.

Pois esta receita não foi ideia minha, alguém já se tinha lembrado antes de mim de fazer um arroz fingido aproveitando a textura da couve flor… Não sei quem foi, em que livro li, porque não segui uma receita. Fiz à minha maneira, ao gosto dos gostos cá de casa e fez sucesso.

Adoro filetes e normalmente acompanho com um arroz caldoso de tomate, ou de espinafres, ou feijão… Mas desta vez aconteceu assim e soube muito bem… Até ao marido, que não suporta couve-flor. Engane-se se acha que pode não saber. Sabe efetivamente a couve flor. Mas os aromas que lhe misturei funcionaram muito bem. E a verdade, é que são menos hidratos de carbono que se consomem e mais vegetais que adicionamos à nossa dieta alimentar! Não sabem como é bom se não provarem!

_______________________

Pilaf de couve flor com filetes de peixe espada

[serve 3 pessoas]


Ingredientes:


Para o pilaf:

- 1 couve flor média

- raspa de meio limão

- 8 folhas de hortelã

- uma mão cheia de queijo parmesão ralado

- sal qb


Para os filetes:

- 6 filetes de peixe espada (pode usar outro peixe)

- sal, alho em pó qb

- sumo de 1 limão

- farinha qb para panar

- 2 ovos M

- óleo qb para fritar


Preparação:

Tempere os filetes de peixe espada com sal, alho em pó e sumo de limão a gosto. Deixe marinar por uns 15 minutos.

Corte a couve flor em raminhos pequenos e lave bem. Os talos e folhas poderão ser utilizados em sopa.

Num robot de cozinha processe cada um dos raminhos até que fiquem com o tamanho de um bago de arroz.

Num recipiente próprio para micro-ondas coloque a couve flor temperada com uma pitada de sal e tape com pelicula aderente. Leve à temperatura máxima por 7 minutos (atenção que micro-ondas com pouca potência terão de adicionar um pouco mais de tempo). Findo o tempo, retire a película aderente, tempere com a raspa de limão, a hortelã picada e o queijo parmesão. Misture bem com um garfo. Reserve.

Num prato coloque a farinha e noutro os ovos batidos.

Numa frigideira funda, aqueça o óleo até atingir os 180º, mais ou menos.

Passe cada um dos filetes pela farinha e depois pelo ovo (escorrendo bem) e frite no óleo até ganharem um tom dourado. Escorra bem em papel absorvente e sirva de imediato acompanhado do pilaf de couve flor.

_____________________

Comentários

  1. Que excelente sugestão!

    ______________________
    Ana Teles | Telita
    blog: Telita na Cozinha

    P.S.: Há um novo passatempo no blog! :)


    ResponderEliminar
  2. Que bela sugestão, eu ao contrário, vou guardar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. A couve-flor tem imensas utilizações, como este teu pilaf! É sempre bom variar, não é?

    ResponderEliminar
  4. Também tenho esses ficheiros e pilhas de livros de receitas, mas ainda não desisti deles... Sonho com o dia em que vou conseguir testar tudo isto e não sou capaz de abrir mão das minhas receitas queridas!! :) Talvez ainda não. Mas sim geralmente é isso que acontece: o conhecimento fica e as receitas surgem, mas mais à minha maneira :) Gostei muito da couve flor mascarada de arroz :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…