Avançar para o conteúdo principal

Acompanhamento diferente

Há muito que desisti de fazer uma lista de ‘To Dos’. Para quem não sabe, é basicamente uma pilha de receitas, seja em formato papel, seja em formato digital, que guardamos para um dia fazer e o tempo passa e nunca fazemos. Pelo menos no meu caso tem funcionado assim…

São muitas as minhas fontes de inspiração. Leio, vejo, pesquiso e o resultado final acaba por ser o conhecimento adquirido. Como a minha querida Anabela um destes dias me disse, “o conhecimento é o que sobra depois de termos esquecido o que estudamos”. Não podia concordar mais com ela.

Pois esta receita não foi ideia minha, alguém já se tinha lembrado antes de mim de fazer um arroz fingido aproveitando a textura da couve flor… Não sei quem foi, em que livro li, porque não segui uma receita. Fiz à minha maneira, ao gosto dos gostos cá de casa e fez sucesso.

Adoro filetes e normalmente acompanho com um arroz caldoso de tomate, ou de espinafres, ou feijão… Mas desta vez aconteceu assim e soube muito bem… Até ao marido, que não suporta couve-flor. Engane-se se acha que pode não saber. Sabe efetivamente a couve flor. Mas os aromas que lhe misturei funcionaram muito bem. E a verdade, é que são menos hidratos de carbono que se consomem e mais vegetais que adicionamos à nossa dieta alimentar! Não sabem como é bom se não provarem!

_______________________

Pilaf de couve flor com filetes de peixe espada

[serve 3 pessoas]


Ingredientes:


Para o pilaf:

- 1 couve flor média

- raspa de meio limão

- 8 folhas de hortelã

- uma mão cheia de queijo parmesão ralado

- sal qb


Para os filetes:

- 6 filetes de peixe espada (pode usar outro peixe)

- sal, alho em pó qb

- sumo de 1 limão

- farinha qb para panar

- 2 ovos M

- óleo qb para fritar


Preparação:

Tempere os filetes de peixe espada com sal, alho em pó e sumo de limão a gosto. Deixe marinar por uns 15 minutos.

Corte a couve flor em raminhos pequenos e lave bem. Os talos e folhas poderão ser utilizados em sopa.

Num robot de cozinha processe cada um dos raminhos até que fiquem com o tamanho de um bago de arroz.

Num recipiente próprio para micro-ondas coloque a couve flor temperada com uma pitada de sal e tape com pelicula aderente. Leve à temperatura máxima por 7 minutos (atenção que micro-ondas com pouca potência terão de adicionar um pouco mais de tempo). Findo o tempo, retire a película aderente, tempere com a raspa de limão, a hortelã picada e o queijo parmesão. Misture bem com um garfo. Reserve.

Num prato coloque a farinha e noutro os ovos batidos.

Numa frigideira funda, aqueça o óleo até atingir os 180º, mais ou menos.

Passe cada um dos filetes pela farinha e depois pelo ovo (escorrendo bem) e frite no óleo até ganharem um tom dourado. Escorra bem em papel absorvente e sirva de imediato acompanhado do pilaf de couve flor.

_____________________

Comentários

  1. Que excelente sugestão!

    ______________________
    Ana Teles | Telita
    blog: Telita na Cozinha

    P.S.: Há um novo passatempo no blog! :)


    ResponderEliminar
  2. Que bela sugestão, eu ao contrário, vou guardar.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. A couve-flor tem imensas utilizações, como este teu pilaf! É sempre bom variar, não é?

    ResponderEliminar
  4. Também tenho esses ficheiros e pilhas de livros de receitas, mas ainda não desisti deles... Sonho com o dia em que vou conseguir testar tudo isto e não sou capaz de abrir mão das minhas receitas queridas!! :) Talvez ainda não. Mas sim geralmente é isso que acontece: o conhecimento fica e as receitas surgem, mas mais à minha maneira :) Gostei muito da couve flor mascarada de arroz :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…