Avançar para o conteúdo principal

Que comecem as festividades!

Não gosto do Natal. Relendo o que acabei de escrever parece uma heresia do tipo alguém me dizer “não gosto de chocolate”. Mas quem diz a verdade não merece castigo.

Na verdade não há uma razão particular para não gostar… Ninguém que me seja próximo morreu perto desta data… Não tenho nenhum trauma em relação ao Natal. E até só católica, pelo que não faz grande sentido…

Mas a verdade é que os meus pais e família mais próxima sempre trabalharam por turnos… Assim, nunca juntei a família toda para o Natal. Mesmo que o conseguisse, nunca seriamos mais de 8.

Nunca tivemos uma tradição secular, que passou de geração em geração, em torno da seia de Natal, ou mesmo da data propriamente dita.

Fui perspicaz o suficiente para cedo perceber que o Pai Natal não existe… Sabia onde os meus pais escondiam os presentes e fingia surpresa quando os via e me diziam que tinham sido entregues pelo Pai Natal. Tinha para aí uma mão cheia de dedos, ou talvez menos.

Cresci com a convicção de que gostava de gostar do Natal… Das árvores enfeitadas, das mesas recheadas, do espírito fraterno, de uma casa cheia de gente. Mas 35 anos depois, o espírito nunca tomou conta de mim. Com muita pena minha porque hoje, com uma criatura pequena de 4 anos, adoraria que ela adorasse o Natal. Claro que me esforço, claro que faço os possíveis para lhe passar a ideia do que é o Natal, mas algo me diz que também a ela esta data lhe passará ao lado… Para mal dos meus pecados, para mal dos pecados das próximas gerações familiares.

À falta de melhor opção, cá por casa festeja-se, ainda assim, o Natal como em tantas outras casas… Com o tradicional bacalhau (que com o tempo deixou de ser cozido, para passar a ser assado, ou com broa, ou com natas), com as filhoses e outros doces da época, com árvore de Natal enfeitada e a troca de presentes (que acontece normalmente dia 24 à tarde).

A falta de espírito natalício compensasse com a habitual vontade de estar na cozinha e nestes dias quase não saio da cozinha. Eu sou assim. Sim eu sei que há muita coisa já feita, dá menos trabalho… Mas mesmo sem espírito natalício recuso-me a comprar feito o que posso fazer em casa com ingredientes meus, com o amor que incluo em tudo o que faço.

Como sei que na maior parte das casas do nosso país se vive o Natal mais intensamente, não quis deixar de partilhar convosco um bolo típico desta época do ano – o Bolo Rei. Não só porque é um bolo natalício, mas porque é de longe o meu bolo preferido, a par com o bolo inglês.

Este foi provavelmente o melhor bolo rei que já provei em toda a minha vida. E acreditem que sendo o meu bolo preferido como inúmeras vezes ao longo do ano, e já provei de inúmeras proveniências.

Por falar nisso, não quis deixar de partilhar convosco uma foto da lista de ingredientes de um Bolo Rei que vi no Jumbo na semana passada. Confesso que tive medo de comprar/comer. Tem mais 'Es' [corantes, conservantes, antioxidantes, emulsionantes, estabilizadores, espessantes, gelificantes e edulcorantes, uma lista completa AQUI] que um frasco de veneno... É assustador...

Foi assim que acabamos o fim de semana passado a fazer bolo rei... E este posso dizer-vos que a textura é inexplicável… Doce qb. E as frutas, que para mim são a razão de gostar tanto deste bolo, podem ser substituídas por frutos secos e obter, assim, um delicioso bolo rainha. A verdade é que este é daqueles bolos que resultam, nada maçudo, muitooooo delicioso e será sempre a minha receita de bolo rei preferida. Terá sem duvida 'Es', já que nos dias que correm é quase impossível evitá-los, mas a lista é sem duvida menos assustadora...

Este que veem na foto foi feito pelo cozinheiro cá de casa. Do melhor. E ainda deu para fazer a vontade à pequenina e fazer um mini Bolo Rei enfeitado por ela. Uma doçura! Se experimentarem contem-me o que acharam, sim?

Ainda esta semana trago ideias para presentes de Natal. Cá por casa fazem-se, não se compram, daí a minha recente ausência do blog. Espero que gostem!

_______________________

Bolo Rei


Ingredientes:


Fermento:

- 20 gr de fermento de padeiro

- 60 gr de farinha T55

- 50 gr/ml de leite morno


Massa:

- 50 ml de vinho do Porto

- 80 gr de passas

- 80 gr de manteiga

- 80 gr de açúcar

- raspa de ½ limão

- raspa de ½ laranja

- 2 ovos L

- 320 gr de farinha T55 + qb

- ½ colher de chá de sal fino

- 100 gr de frutas cristalizadas cortadas em pedaços

- 100 gr de frutos secos (avelãs, pinhões, nozes e amêndoas)


Para finalizar:

- 1 gema de ovo

- 1 colher de chá de água

- frustas cristalizadas e frutos secos qb para decorar

- Geleia de marmelo qb

- açúcar em pó qb


Preparação:

Desfaça o fermento no leite morno e junte a farinha, mexendo bem e até obter uma massa bem homogénea. Tape a taça com pelicula aderente e deixe levedar cerca de 20 minutos ou até que duplique de volume.

Numa tigela coloque as passas e o vinho do porto.

Bata a manteiga com o açúcar, as raspas e a baunilha até obter um creme esbranquiçado. Junte 2 ovos e bata bem.

Coloque o gancho de amassar na batedeira e junte a primeira massa já fermentada e amasse a velocidade média.. Junte a farinha peneirada com o sal até que esteja incorporada.

Junte as passas e o vinho e continua a bater por 25 minutos (até que a massa esteja elástica). Se vir que a massa está mole, junte um pouco mais de farinha.

Por fim, junte as frutas cristalizadas e os frutos secos e bata só o suficiente para estarem uniformemente misturados na massa.

Retirar a massa e forme uma bola. Coloque numa taça polvilhada com farinha e tape com película aderente. Deixe a massa levedar por 1 hora e 30 minutos ou até que duplique de volume.

Retire a massa da taça, amasse ligeiramente para tirar o ar e forme um rolo, unindo as pontas, de forma a fazer um circulo.

Coloque sobre um tabuleiro de forno forrado com papel vegetal e deixe levedar por mais 1 hora e 30 minutos ou até que duplique de tamanho.

Pré-aqueça o forno a 180º.

Dilua a gema com a água e pincele o bolo.

Distribua as frutas e os frutos secos sobre a superfície e leve ao forno por 25 minutos.

Retire, pincele com a geleia de marmelo e polvilhe com açúcar em pó a gosto.

_________________________

Adaptado do livro “Cozinha Tradicional Portuguesa” da Maria de Lourdes Modesto e do site Flagrante Delícia.

_________________________

 

Comentários

  1. Apesar de os meus pais terem trabalhado a vida toda por turnos (e de eu própria trabalhar por turnos), sempre gostei do Natal. Nunca consegui reunir muitas pessoas (porque a minha família não é grande) mas agrada-me a tradição de juntar a família e amigos à volta da mesa. :)

    Beijitos*

    ResponderEliminar
  2. Já somos duas, infelizmente o Natal não me diz nada.
    Adorei o teu bolo rei ficou tão apetitoso que fiquei com agua na boca
    Boa semana
    bj

    ResponderEliminar
  3. Ao contrário de ti eu adoro o Natal e tudo o que o envolve!
    O teu bolo rei ficou fantástico :)

    ResponderEliminar
  4. Eu adoro o Natal! mas, ao contrário de ti, sempre foi uma época bastante vivida pela minha família.. e chegamos a ser mais de 50 pessoas à mesa!!! Embora hoje já não conseguimos reunir toda a gente (metade da familia é francesa e tem filhos pequenos, etc, etc) o espirito ficou...
    De qualquer forma.. de facto assustadora essa lista de ingredientes... Quanto ao bolo rei... Ficou fantástico!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Nisto tenho de discordar , adoro o Natal ... Amo de paixão! E estranhamente até perdi 3 dos meus avós nas vésperas de Natal ... Bom, mesmo assim adoro tudo o que ele envolve :)
    Gostei muito do teu bolo rei , aqui por casa já há alguns anos que faço aqui para casa . Realmente é assustador MESMO a lista dos ingredientes dos bolos rei que se vende ...
    Beijocas doces ;)

    ResponderEliminar
  6. Eu não gosto de chocolate... Não gosto de queijo ( sim sou daquelas pessoas estranhas que entra numa pizzaria e digo: "É uma pizza sem queijo por favor" Agora Natal?!!! ... Adoro!!! Passagem de ano não me diz nada... =) Mas é por isso que o Mundo não tomba! =) Quanto ao bolo rei... Eu não percebo... Mas onde é que se compra os prasquinhos dos Es?!!!!! =D É assustador... Beijinho grande

    ResponderEliminar
  7. Gosto muito da azáfama do Natal e gosto imenso de Bolo Rei.
    Mas, gostos não se discutem...
    Bjs, Susana
    Nota: Ver os passatempos a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/11/1-aniversario.html
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/12/strudle-de-bacalhau-e-couve-com-chourico.html

    ResponderEliminar
  8. OLha, eu também não gostava do natal, mas não gostava porque a minha família e ainda hoje é assim, passavam a vida a discutir onde, em casa de quem, com quem..., passar o Natal e era todos os anos uma cegada e nem éramos nem nunca fomos muitos, mas um drama sempre...
    Só depois de ter filhos comecei a gostar do natal e sim, faço a árvore todos os anos e com prazer e adoro toda a insolvência natalícia, porque sim, o Natal é para as crianças e tal como tu, cozinho tudo o que posso e compro o menos possível de comida já feita (ou nada mesmo).
    Este teu bolo rei, que para mim seria transformado em bolo rainha, está fabuloso e tão profissional que até parece saído de uma famosa pastelaria da especialidade!
    Beijinhos,
    Lia.

    ResponderEliminar
  9. Parabéns pela sinceridade numa altura em que até parece mal nao gostar do Natal. "Como assim não gostas das luzes? Nem dos presentes? Das rabanadas?!" Ok, há quem goste e quem não goste, vivamos todos em harmonia que se todos gostássemos do mesmo, então coitadinho do amarelo... ;)
    Obrigada também pela partilha da fotografia com o conteúdo do bolo rei do jumbo. É sem dúvida um susto quando nos damos conta do que vem escondido na comida que compramos... Por isso fizeste muito bem em pedir ao teu cozinheiro um bolo rei caseiro. Eu nunca fui fã deste bolo, não pela massa que considero deliciosa, mas pelo trabalho que me dava tirar aquelas coisas todas que o bolo traz consigo e que eu detesto! Como dizia acima, se gostarmos todos do mesmo... ;) beijinho

    E não te esqueças de participar no passatempo de Natal: http://limited-edition-since2012.blogspot.pt/2013/12/passatempo-5-sentidos-com-alecrim-aos.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…