Avançar para o conteúdo principal

Castanhas

Adoro castanhas. Não tivesse eu nascido na época delas, no dia exato em que é costume comer-se castanhas, acompanhas de água pé.

Pois este ano resolvi fazer um pequeno miminho para mim própria e resolvi tentar fazer doce de castanha. Tudo isto porque estava sentada a ver o 24 Kitchen e a Rachel Khoo, na sua pequena cozinha parisiense, dizia que um dos doces preferidos dos franceses era doce de castanha. Era, na verdade, o recheio de crepes preferido e o mais vendido nas bancas de rua.

A vontade de ir para a cozinha inventar foi mais que muita e lá fiz este doce em duas fases. Sim, porque numa noite tive tempo para as por a cozer e descascá-la. E apenas num outro dia tive tempo para fazer o doce. Mas a verdade é que o resultado final superou as minhas expetativas. Ainda bem que, mesmo na azáfama habitual, resolvi fazer. É uma delicia e a cabeça já fervilha com novas ideias. Espero que gostem. É bastante simples de fazer.

____________________

Doce de castanha

[fez 5 frascos pequenos]


Ingredientes:

- 700 gr de miolo de castanha cozida (pode utilizar congeladas)

- 500 gr de açúcar

- 180 gr de água

- sementes de uma vagem de baunilha

- sal qb


Preparação:

Coza as castanhas em água com um pouco de sal. Quando estiverem cozidas descasque (se utilizar congeladas, pode saltar este passo) e reserve.

No copo da Bimby, coloque o açúcar, a água e as sementes de uma vagem de baunilha e programe 8 minutos, velocidade 1. Deverá ser o tempo suficiente para obter ponto de fio (105º). Adicione o miolo de castanha e programe mais 10 minutos, 70º, velocidade 2. Findo o tempo, programe mais 15 minutos, 70º,velocidade 3. Se gostar de um textura toda uniforme, programe uns segundos à velocidade 7. Cá por casa gostamos de sentir bocadinhos de castanha pelo que o tempo e velocidade indicadas são suficientes.


Alternativa de Preparação:

Coza as castanhas em água com um pouco de sal. Quando estiverem cozidas descasque (se utilizar congeladas, pode saltar este passo) e reserve.

Num tacho coloque o açúcar, a água e as sementes de uma vagem de baunilha e deixe cozinhar até obter ponto de fio (105º num termómetro). Adicione o miolo de castanha grosseiramente esmagado com um garfo e deixe cozinhar, em lume brando, até o doce ter a consistência desejada (cerca de 25 minutos). Se gostar de uma textura mais uniforme, pode optar por passar a castanha pelo passe-vite. Cá por casa gostamos de encontrar pequenos pedacinhos.

_____________________

 

Comentários

  1. Minha querida, agora fizeste-me lembrar a minha filha que adora castanhas! Ela diz o mesmo, que deve ser por ter nascido na altura delas :)
    Este teu doce está simplesmente divinal e essa textura, perfeita!
    Boas Festas
    Lúcia

    ResponderEliminar
  2. Ficou com um excelente aspecto, deve ser mesmo bom!

    ResponderEliminar
  3. O pior é descascar as castanhas! :-))) Também já fiz este doce e ainda por cima apanhei montes delas já podres... Do piorio! Mas é verdade que fica um doce fenomenal (os franceses sabem o que fazem!)

    ResponderEliminar
  4. Excelente doce.
    Antes de utilizar as castanhas, mergulhe as mesmas em água. Passado uns minutinhos, as podres ficam a boiar. Assim terá a certeza que quase todas as restantes estarão sãs.

    ResponderEliminar
  5. Aqui vim eu inspirar-me ... acabo sempre na tua página <3
    Beijinhos linda!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…