Avançar para o conteúdo principal

Agosto traz gelados!

Deliro com programas de culinária em que há caixas mistério com ingredientes secretos, à partida disfuncionais entre si, mas que permitem teoricamente as mais incríveis combinações.

Na verdade, o meu dia-a-dia na cozinha é um pouco assim. Escolho a proteína (carne, peixe) e de seguida abro o frigorifico e a despensa e alguma coisa surge. Claro que nem sempre sou aventureira ao ponto de misturar maracujá com peixe, ou carne com especiarias exóticas, mas quando estou inspirada, estas acabam por ser as minhas melhores refeições.

O problema, no meu caso, é que acabo por me dispersar um pouco... Assim, prefiro que me deem dois a três ingredientes e pensando neles consigo fazer muitas loucuras (leia-se combinações).

Quando estou em férias a minha inspiração está no máximo. Não tenho acesso a tantos produtos, a tantos apetrechos culinários e vá-se lá saber porquê é mesmo quando as maiores maravilhas são criadas! Não ando a inventar a roda, certo? À gerações e gerações que se cozinha e se fazem coisas maravilhosas. Acho que é mesmo o amor que determina os bons resultados e claro a boa qualidade dos ingredientes.

Em maré de andar a gastar os últimos ingredientes antes de voltar ao trabalho encontrei leite kefirizado, que não tinha chegado a beber, umas laranjas e um ramo de hortelã que tinha apanhado, bravio, numa ribeira. Em Lisboa tenho pequenos canteiros, mas em Milfontes é incomportável porque não tenho forma de os manter… Assim, sempre que vejo salsa, coentros, hortelã e mesmo agriões bravios, toca a colher e usar!

Como andava a pensar em fazer um gelado, de repente lembrei-me de uma sobremesa que em tempos vi num restaurante que, pelo que sei, é bastante antiga: laranja com azeite e açúcar. Corta-se a laranja, polvilha-se com um pouco de açúcar e rega-se com um fio de azeite. Diz, quem provou, que é uma coisa do outro mundo e eu, como é lógico, tinha de lhe dar a volta e resolvi transformá-la em gelado. Claro que a minha máquina de gelados estava em Lisboa, mas não achei que essa questão fosse determinante. E sem dúvida não foi…

Pus mãos à obra e este gelado acabou por ser feito sem referências… Fui indo por intuição, adicionando aqui, medindo acolá, provando e retificando e quando o resultado final foi provado nem queríamos acreditar…

Nunca tinha provado um gelado assim… Intenso, ácido e doce qb, num equilíbrio perfeito, cremoso, mas verdadeiramente cremoso! Não precisa de ser colocado no frigorífico um pouco antes de servir, basta tirá-lo diretamente do congelador e comer à colherada, com ou sem caramelo…

Esta receita, como diz o meu marido, devia ser guardada a sete chaves. Uma receita digna da melhor gelataria italiana, feita por acaso, mas que talvez comercializada fizesse sucesso. Para mim não faz sentido ter segredos, partilho com todos porque é assim que sei ser, porque quero que todos provem esta verdadeira tentação e me digam honestamente se não é o gelado mais simples, guloso e maravilhoso que alguma vez provaram… Contem-me tudo!

Pssst! Aconselho a dobrarem a receita, acaba-se num instante….

____________________

Gelado de azeite com caramelo de laranja

[serve 4 pessoas pouco gulosas]


Ingredientes:


Para o gelado:

- 200 gr de leite kefirizado 48 horas (pode utilizar iogurte natural)

- 200 gr de açúcar

- 180 gr de natas

- 3 gemas de ovo

- ½ colher de chá de @Maizena

- 65 gr de azeite de boa qualidade

- 3 folhas de hortelã

- raspa e sumo de 1 laranja (40 gr de sumo)


Para o caramelo:

- sumo de 2 laranjas (100 gr)

- 300 gr de açúcar

- uma pitada de flor de sal

- 100 gr de leite kefirizado 48 horas (pode utilizar natas)


Preparação:

Leve ao lume o leite kefirizado, o açúcar e as natas. Deixe levantar fervura.

À parte, misture as gemas com a maizena até desfazer bem. Junte um pouco de líquido quente e mexa bem até dissolver a maizena. Junte mais um pouco de líquido quente (o objetivo é que a mistura de gemas não tenha um choque térmico quando for adicionada ao líquido que acabou de ferver). Junte ao resto do líquido, mexendo sempre muito bem para que as gemas e a maizena não engrolem, e leve novamente ao lume a engrossar cerca de 3 a 4 minutos.

Já fora do lume, junte o azeite, a hortelã picadinha, a raspa e o sumo de laranja. Misture muito bem e volte a levar ao lume até voltar a levantar fervura. Desligue e coloque o tacho dentro de uma recipiente com gelo ou com água fria. O objetivo é baixar rapidamente a temperatura do gelado.

Verta o gelado num recipiente e coloque tapado, com pelicula aderente, dentro do congelador. Nas primeiras 4 horas fui mexendo com um garfo para evitar a cumulação de cristais de gelo. No entanto, e dada a cremosidade do gelado, não me parece que esta operação venha a ser necessária.

Para fazer o caramelo junte o sumo de laranja e o açúcar e, sem mexer, deixe caramelizar ligeiramente. Assim que ganhar cor, retire do fogão e muito lentamente junto o leite kefirizado (ou natas). Cuidado com os salpicos. Volte a levar ao lume por um a dois minutos e deixe arrefecer. Utilize este topping no seu gelado e lambuze-se. Hummmmmm…..

_______________________

 

Comentários

  1. confesso que o nome "gelado de azeite" não me seduz muito, mas o aspecto é tentador!

    ResponderEliminar
  2. A descrição só por si, já me deixa com vontade de provar!! :)
    O aspecto cremoso e o facto de ter caramelo e laranja, combinação que adoro, ainda me dá mais vontade.
    Vou guardar a receita :) e obrigada por partilhares!

    Beijinhos,
    Aida

    ResponderEliminar
  3. Muito original e com um aspeto delicioso! Obrigada por partilhares, já guardei para experimentar!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Um gelado que rivalizava com os da Mabi....Só te falta "dar cabo " dos croissants deles e tens me como cliente fiel....lol
    Bjokas a todos,
    Rita

    ResponderEliminar
  5. Olá....
    Espectacular :).............Delicioso ;)......... Divinal :D............
    Beijocas
    Leonor

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Encantadora sugestão... Gostei desta tua inspiração...
    E quando elas...as inspirações... são assim de repente há que aproveitar ao máximo...
    Nos ficamos sempre a ganhar...
    Obrigado por partilhares...
    Beijinhos e bom fim de semana...

    ResponderEliminar
  7. Olá! Uma conjugação curiosa de ingredientes... adoraria experimentar!
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Já comi gelado de azeite e adorei...em Campo Maior há um excelente restaurante situado num antigo lagar e uma das maravilhas é mesmo gelado de azeite, fiquei desconfiada quando comi mas adorei!!!
    O teu tem um aspeto delicioso...
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Bom primeiro pensei gelado de azeite, esta gente inventa tudo... mas depois pelo aspecto é uma bela invenção

    Ficou lindo e com um aspecto delicioso.

    Beijinhos,

    Susana
    As Papinhas dos Babinhos

    ResponderEliminar
  10. Nunca vi um gelado de azeite:)
    Mas mesmo nunca tendo provado confesso que este está fantástico e perfeito, a sua textura é bem apetecível, gostei muito.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Que receita diferente e deve ser deliciosa
    beijos

    ResponderEliminar
  12. Esta receita é mesmo diferente e verdadeiramente brutal! De tal forma que ja voltei a fazer e apetece-me sempre mais assim que acaba... Ja houve aventureiras que experimentaram e aprovaram! E eu fiquei inchada de orgulho! Obrigada pela visita!

    ResponderEliminar
  13. Adorei este geladinho, bem diferente do que estamos habituados.
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/08/5-edicao-escolha-do-ingrediente-e.html

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…