Avançar para o conteúdo principal

No carvão, hummm

A receita de hoje não é, na verdade, uma receita, mas antes uma sugestão. Quando estou por Milfontes privilegio as refeições com peixe e especialmente sargo, já que é um peixe abundante por estas bandas e não tão caro de se comprar como em Lisboa. Opto sempre por o fazer grelhado, respeitando o sabor fantástico que pouco ou nada precisa de ser disfarçado. No máximo, acompanho-o com batatas cozidas com pele e um molho de alho, azeite e coentros. Provei pela primeira vez assim no João da Longueira um restaurante que está sempre cheio no Verão e onde vão para comer esta ‘especialidade’.

Claro que o segredo não é nenhum e passamos a fazer muitas vezes assim em casa. De qualquer das formas, aproveitei esta publicação para vos contar algumas coisas sobre escolher e cozinhar peixe, que aprendi no curso que estou a terminar no instituto Feed Me.

1. A melhor altura para se comer peixe é entre o outono e a primavera. No verão o peixe está mais magro, desovou e apesar de ser a altura do ano em que mais se come peixe, é na verdade, a pior altura para o fazer.

2. Um peixe fresco tem o corpo teso, meio ondulado (da adrenalina de ter sido morto). Quanto mais na horizontal estiver, menos fresco está.

3. Outros sinais de frescura podem ser observados nas escamas e nos olhos, que devem estar brilhantes, nas guelras, que devem ter sangue e nas barbatanas, que se estiverem queimadas/meias comidas, é porque o peixe esteve demasiado tempo em gelo.

4. Os peixes azuis, tão falados nos dias que correm por terem ómega 3, devem ser consumidos pequenos. Como são peixes de profundidade, quanto maiores forem, maior quantidade de mercúrio têm.

5. Ainda a propósito de peixes azuis são dos poucos peixes que não devem ser utilizados para fazer fumê/caldo de peixe, já que têm um sabor bastante amargo.

6. Para grelhar no carvão de forma uniforme/perfeita, um peixe não deve ter mais de 1kg. Caso contrário, a tendência será para ficar demasiado cozido num lado e demasiado cru noutro. Acima de 1kg deve ser assado no forno, que é mais uniforme em termos de temperatura e menos localizado.

7. O peixe deve ser cozinhado com pele para manter toda a sua humidade do interior. Escalar o peixe acelera o processo de cozedura, mas também lhe tira a maior parte da humidade. Deve ser grelhado inteiro.

8. O peixe, tendo uma fibra frágil, deve ser pouco tempo cozinhado e pouco manuseado. Preferencialmente, deve ser cozinhado com pele para manter todos os sucos dentro dele.

Espero que estas dicas possam ajudar!

_____________________

Sargo de coentrada

[serve 2 pessoas]


Ingredientes:

- 1 sargo escalado grandinho

- dentes de alho qb

- coentros qb

- azeite qb


Preparação:

Em brasas lentas, asse o sargo. À parte, pique alhos a gosto e coloque numa frigideira com azeite. Deixe alourar ligeiramente e adicione coentros picados.

Quando o sargo estiver pronto, sirva regado com este molho e acompanhe com batatas cozidas com pele.

______________________

 

Comentários

  1. Grelhados assim é o melhor sem dúvida, belas dicas....bjokitas

    ResponderEliminar
  2. Simples e delicioso! As dicas são ótimas! Kisses

    ResponderEliminar
  3. São uma excelentes dicas sim senhora!
    Assim como esse peixinho ! Beijoca bem doce e uma óptima semana!

    ResponderEliminar
  4. Oh que bom!!!
    É uma sorte poder-mos comer um peixinho assado na brasa... Nos só podemos comer quando vamos para casa da minha mãe! Vivemos em apartamento!

    Beijinhos e aproveita!

    ResponderEliminar
  5. De volta!!!! =) Que dicas fantásticas, Muito Obrigada!!!! E esse peixinho ficou algo maravilhoso!!! :) Beijinhos e desculpa a ausênsia

    ResponderEliminar
  6. Que maravilha de peixe e que bonito ficou.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Conseguiste apontar isso tudo.... eu sou mesmo tontinha e não apontei nada.. :) na quinta vou fazer o de massas... :)
    beijocas

    ResponderEliminar
  8. Olá...
    Excelente aspecto e apresentação :)...
    Beijocas
    Leonor

    http://nacozinhadaleonor.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. E que bela sugestão! :) Há que aproveitar!!

    ______________________
    aculpaedasbolachas.com

    ResponderEliminar
  10. óptima sugestão sem dúvida!
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  11. Que maravilha, adoro peixe no carvão...
    Kiss, Susana
    Nota: Ver o passatempo a decorrer no meu blog:
    http://tertuliadasusy.blogspot.pt/2013/07/4-edicao-do-projeto-escolha-do.html

    ResponderEliminar
  12. Belas dicas e uma receita deliciosa
    Bjns
    Isabel

    ResponderEliminar
  13. Sonia querida,

    Um belo sargo que teria feito as minhas delicias ao almoço !
    Adoro ! :) Está com excelente aparência !
    E vou embora com o meu Saber enriquecido por ti !
    É uma das razões porque adoro cá vir, sempre aprendo contigo, adorei as dicas sobre peixe...

    Beijinhos **

    ResponderEliminar
  14. Obrigada, minha querida, pela partilha de conhecimentos! Gosto tanto do teu blogue... Já te tinha dito, não já? Beijinhos!
    A Cozinheira

    http://danossacozinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Molho cervejeira

Quem estuda economia ou gestão costuma falar sobre a curva de crescimento das empresas. Na verdade, todas as empresas têm o seu momento de crescimento, expansão e algures no tempo, a estagnação e a morte. Mais cedo, ou mais tarde, é o que acontece. Claro que há empresas que levam mais tempo do que outras a chegar ao declínio… Veja-se a Coca-cola, veja-se a MacDonalds… Independentemente da concorrência, são empresas com história que se mantêm até hoje como lideres, que ultrapassaram todos os momentos de expansão e contração da economia.Em minha opinião isto acontece por variadas razões, seja pela gestão, pelas ações de marketing, pela publicidade, mas acima de tudo, pelo segredo que os seus produtos encerram. Pela inovação que trouxeram quando chegaram ao mercado.Tentando passar isto para o panorama nacional, veja-se a Portugália e o seu molho que se mantém inalterado desde sempre (dizem). Passou de uma cervejaria de Lisboa, a uma cadeia de restaurantes espalhada por todo o país. Ainda…

Licor de framboesa

Já referi aqui algumas vezes o quanto os meus gostos têm mudado ao longo da vida. Disso foi esse exemplo este ano ter aprendido a gostar de maracujá e frutos vermelhos. Mas muitos outros exemplos houve e a verdade é que à medida que vamos evoluímos, os nossos gostos também evoluem.Para mim o grande salto aconteceu quando comecei a cozinhar. Não gostava de cebola, ervas aromáticas, pimentos, favas, cogumelos, enfim. A lista era infindável. E a verdade é que até mesmo carne de vaca, que já não comia há mais de 15 anos, por não suportar o sabor, no outro dia abri uma exceção num curso que fiz e… GOSTEI!O importante é termos a mente aberta e dar o primeiro passo para experimentar e insistir se necessário for. Porque só assim conseguimos tirar a teima se é simplesmente um ‘não gostar’ daqueles de quem nunca provou, ou um ‘não gostar’, à séria, de quem não suporta o ingrediente x ou y.As framboesas entraram na minha vida este ano. E era daquelas antipatias crónicas. Era comum ouvirem dizer-…