Avançar para o conteúdo principal

Cereja & vinho do Porto

As cerejas começam a entrar em catadupa na minha cozinha. Sendo uma fruta relativamente perecível, não tem sido fácil, a dois adultos, comer 5 kg por semana (!!).

Indo de férias e tendo ainda cerejas congeladas, lá as levei comigo para pensar, em Milfontes, o que faria com elas. Lembrei-me de fazer doce, é sempre uma excelente opção para os gulosos e uma péssima opção para quem está de dieta e tem uma fraca força de vontade – o meu caso!

Desta vez fiz de forma diferente, daqueles dias em que me apeteceu fazer avarias na cozinha. Segundo o Mário tenho de ter mais destes dias… O doce ficou soberbo, com uma cor e uma textura fenomenais.

Aproveito esta publicação para rever alguns conceitos importantes no que diz respeito a doces. Tenho recebido retorno, por parte de algumas pessoas que experimentaram as receitas do blog, que não conseguiram chegar ao ponto. Então, revendo, relembro:

1. Os frascos onde vai colocar o doce devem ser esterilizados. Pode coloca-los a ferver em água, pode coloca-los uns minutos no micro-ondas. Tenha, no entanto, atenção que as tampas não podem ir ao micro-ondas.

2. Os doces para serem bem conservados, isto é, poderem estar anos na despensa sem que ganhem bolor, devem ter uma quantidade de açúcar elevada, normalmente, mesma quantidade de fruta e mesma quantidade de açúcar. É o açúcar, no ponto certo, que garante a conservação.

3. Ajuda muito que os frascos ganhem vácuo, isto é, que o espaço que fica entre o doce e a tampa não tenha ar. Assim, deve-se voltar os frascos de cabeça para baixo até que arrefeçam.

4. Doces como os de morango, ou framboesa, devem ser escumados. Isto é, a espuma que vem ao de cima quando estão a cozinhar, deve ser retirada com uma colher ou escumador.

5. Todos os tempos que são dados em termos de feitura de um doce são apenas referenciais porque dependem do fogão, da intensidade da chama, do açúcar utilizado, etc. Infalível é o ponto a que o doce deve chegar. Como costumo dizer, coloque uma colher de doce num pires e rode-o. Se o doce prender é porque está pronto. Se rodar com demasiada facilidade no pires é porque precisa mais de tempo.

6. Outra coisa importante tem a ver com a existência ou não de pectina nos frutos que utiliza para fazer doce. Há frutos mais fáceis do que outros e por isso há já açúcares próprios à venda para doces. Utilizando um açúcar refinado ou amarelo ou mesmo mascavado num fruto com pouca pectina vai demorar mais tempo a obter o ponto do que se utilizasse um açúcar específico para doces – eu prefiro a versão à antiga e por isso, aponto sempre para duas horas em lume brando por cada quilo de fruta, vigiando sempre.

Espero ter ajudado.

___________________

Doce de cereja e vinho branco


Ingredientes:

- 800 gr de cerejas

- 600 gr açúcar branco

- 1 pau canela

- Sumo e casca de uma laranja

- 4 colheres de sopa de vinho do Porto branco


Preparação:

Coloque todos os ingredientes num tacho e deixe que, em lume brando, o ponto seja atingido. No meu caso demorou cerca de 1 hora.

À medida que o doce for cozinhando, não se esqueça de ir escumando, isto é, retirando a espuma branca que vai ficando à tona (o mesmo deve ser feito no doce de morango, por exemplo, ou de amora).

Para saber se o doce tem a consistência certa, bata deitar um pouco de doce num pires, deixar arrefecer uns 15 segundos e depois fazer rodar o prato. Se o doce prender é porque já atingiu o ponto.

Para que o doce dure, esterilize bem os frascos (eu coloco-os cerca de 1 minuto no micro-ondas, sem tampas) e assim que tiverem o doce, vire-os de cabeça para baixo para forçar o vácuo. Só quando arrefecerem devem ser voltados.

______________________

 

Comentários

  1. Estas cerejas ficaram uma delicia, fiquei com agua na boca só de olhar :)

    Beijinhos,
    Joana

    ResponderEliminar
  2. Que cor linda!!!!Umas torradinhas de pão alentejano, um queijinho dos bons e esse doce..hummmmm...que tentação!!
    Bjokas
    Rita

    ResponderEliminar
  3. Que sugestão deliciosa, e bem diferente com vinho não conhecia.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. O meu comentário como cobaia desta minha Chef única, é... Nham, nham, nham

    Mário Marques, perdidamente apaixonado pelos teus cozinhados

    ResponderEliminar
  5. Tem um aspecto divino...adorei.
    Bom domingo
    bjs

    ResponderEliminar
  6. Ai Ana Rita que agora fiquei com uma fome/gula que nem imaginas...

    este doce ficou absolutamente fantástico.. :)
    bjs

    ResponderEliminar
  7. Que delícia adorei
    boa semana
    beijos

    ResponderEliminar
  8. Amiga,

    A cor desse doce e dessas cerejas é um luxo ! :)
    Decerto !
    Sou um perigo com cerejas por perto, enquanto as houver não páro! :)
    Muito obrigada uma vez mais pelas tuas preciosas dicas acerca do teu maravilhoso doce ! :)

    Beijocas **

    ResponderEliminar
  9. 5 estrelas, tudo! O Mário é que sabe!... :P
    Um beijinho,
    A Cozinheira

    http://danossacozinha.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Pão

Pão... Fazer pão sempre foi para mim uma arte, uma técnica basilar e por essa razão sempre gostei de fazer o meu próprio pão, de experimentar receitas novas, de usar ingredientes novos, novas combinações. Embora não seja nascido no Alentejo, a minha familia é toda alentejana, os sabores sempre foram alentejanos e é a gastronomia com que mais me identifico, de onde o pão é quase a sua base culinária. 
Termos aderido a um novo conceito de alimentação, onde o trigo não entra, fez-me repensar o pão. Apesar de não precisar de pão na minha dieta, somos bombardeados de todo o lado pelo pão... nas reportagens televisivas sobre a Páscoa, nos restaurantes, nas feiras, etc., por isso resolvi pegar nas farinhas aprovadas na alimentação paleo e fazer o meu próprio pão. 
Peguei nos vários conceitos que li sobre o pão, nas várias experiências falhadas nestes meses e produzi o meu Pão, sem glutén, sem trigo e saboroso... nham. Ficou um bocadinho achatado, mas acreditem que ótimo de sabor. 
E é com est…

Aguardentes & Licores

O ano passado lancei-me na 'arte' de fazer licores para oferecer nos cabazes de Natal. Comprei uma aguardente de boa qualidade e segui duas receitas publicadas na revista da Bimby "Momentos de Partilha". O resultado final foi muito apreciado pelos convivas a quem ofereci, já que por casa ninguém é apreciador de álcool, nem nas maçãs assadas (felizmente só se estraga uma casa) e por isso nem provamos o resultado final.Este ano tentei perceber um pouco mais sobre este universo das aguardentes (a base dos licores). Em jeito de 'Resumo' tenha em atenção o seguinte:O primeiro factor a ter em consideração, quando se faz um licor, tem a ver com o teor alcoólico da aguardente porque a quantidade de água e açúcar que se vai utilizar depende disso. Isto é, se tiver um teor de álcool de 40º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar cerca de 500 gr de açúcar e 650 ml de água. Se tiver um teor de álcool de 70º, para 1 litro de aguardente, deve-se utilizar a mesma prop…

Cheesecake aldrabado

Se o mote da nossa vida fosse sempre simplificar, tudo seria mais simples... E delicioso.
Num destes finais de dia fiz Granola. Estava a arrefecer em cima da banca quando começamos a jantar. O cheirinho aromático fez-me ter vontade de improvisar algo para a sobremesa. 
Demorou pouco mais de 30 segundos. Sabia o que tinha no frigorífico. Requeijão de cabra, doce de morango e framboesa... Claro que só podia sair um cheesecake aldrabado. Não tivesse logo eu pensado nele quando comprei o requeijão e as framboesas... Embora estivesse longe de imaginar que a falta de tempo me impossibilitasse de fazer a versão tradicional mas fizesse chegar até mim uma alternativa à altura. O risco é só mesmo ser demasiado rápido de fazer e bom demais. Tão bom que enquanto eu tirava fotos do meu, o marido já estava a comer a segunda taça! Brutal!





Cheesecake aldrabado
Ingredientes: - Granola a gosto (ESTA) - requeijão de cabra a gosto - doce de morango e framboesa a gosto (ESTE) - framboesas para decorar
Preparação: E…